fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Política & Poder

China atribui grande importância à influência do Brasil em região, diz Xi Jinping

le E cobrou de Bolsonaro um esforço conjunto para que o bloco dos países emergentes defenda o “multilateralismo” e os direitos das nações em desenvolvimento

Aline Rocha

Publicado

em

Foto: Sergio Lima/AFP
PUBLICIDADE

Da Redação
redacao@grupojbr.com

O presidente da China, Xi Jinping, pediu nesta quarta-feira, 13, o envolvimento do Brasil para expandir seus negócios na América Latina e no Caribe, áreas de interesse comercial do país e de forte influência econômica e geopolítica dos Estados Unidos, que tem sido parceiro preferencial do governo Jair Bolsonaro.

Em reunião bilateral prévia à cúpula do Brics, o chinês também cobrou de Bolsonaro um esforço conjunto para que o bloco dos países emergentes, integrado também por Rússia, Índia e África do Sul, defenda o “multilateralismo” e os direitos das nações em desenvolvimento frente às grandes potências.

“A China atribui grande importância à influência do Brasil na América Latina e o Caribe. Vamos aproveitar nossas vantagens para promover o desenvolvimento comum, visando criar relações China /América Latina e Caribe na nova era, caracterizada pela igualdade, benefício mútuo, inovação, abertura e benefícios para o povo”, disse Xi Jinping, em declaração à imprensa após o encontro no Palácio Itamaraty. “A China gostaria de tratar a cooperação de três ou mais partes baseada no respeito às vontades dos países da região para fazer um bolo maior e realizar ganhos compartilhados.”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Desde o ano passado, a China trava uma guerra tarifária com os Estados Unidos, com avanços e recuos nos entendimentos, e passou a usar as cúpulas do Brics como um mecanismo de exposição e influência internacional para defender seus interesses e cobrar equidade no tratamento aos países em desenvolvimento.

No encontro bilateral, Xi Jinping apelou a Bolsonaro por uma posição contra o unilateralismo na declaração do Brics, sem citar em público as tarifações impostas pelo presidente norte-americano Donald Trump. Ele considerou que o Brasil e a China são os principais mercados emergentes do Ocidente e Oriente no contexto internacional de “mudanças profundas e complexas”.

“Brasil e China devem se esforçar juntos para que a cúpula tenha resultados frutíferos e emitir sinal positivo de que os membros consolidam a parceria estratégica, apoiam o multilateralismo, a equidade e a justiça internacional e defendem os direitos dos países em desenvolvimento para que os Brics avancem constantemente na segunda década dourada trazendo benefícios aos nossos povos”, disse Xi.

Segunda “década dourada” é o termo cunhado na diplomacia chinesa para se referir à segunda década de existência do bloco, que completou dez anos em 2018. Agora, porém, as economias do Brics não crescem no mesmo ritmo que nos primeiros dez anos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Segundo o presidente chinês, houve “amplos consensos” na conversa com Bolsonaro sobre os interesses comuns. Ele reafirmou que os países mantêm relação de confiança e que deseja a China atualizar a parceria estratégica com o Brasil e ampliar a cooperação.

“A China está disposta a trabalhar junto com o Brasil para promover o intercâmbio em pé de igualdade”, declarou o presidente chinês. “Decidimos juntos continuar intensificando contatos de alto e outros níveis, aprofundar a confiança política mútua e fazer bom uso de mecanismos bilaterais e aumentar o comércio e o investimento.”

Xi Jinping citou interesse na carteira de obras e projetos do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) brasileiro e que deseja realizar cooperação em agricultura, energia, mineração, óleo e gás, infraestrutura, eletricidade, ciência, tecnologia e inovação e economia digital.

 

Estadão Conteúdo

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Leia também
Publicidade
Publicidade
Publicidade