Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Saúde

60% dos professores temem problemas na audição

Especialistas alertam que o risco de perda auditiva intensificou por conta do uso de fones de ouvido na pandemia

Segundo um estudo realizado por Wakefield Research, os locais de trabalho com muito ruído podem desencadear a perda auditiva em professores e esse problema é muito maior do que em outras áreas profissionais. Dados da Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial (ABORL-CCF) mostram que 35% dos problemas de audição ocorrem por excesso de barulho e fones no ambiente de trabalho.

Gilvânia Barbosa, fonoaudiólogo e especialista em audiologia da clínica Microsom, ressalta que a surdez parcial ou total ocorre pela exposição a ruídos por várias horas. “O profissional fica exposto ao nível de pressão sonora acima de 85 decibéis (dB)”, explica o especialista. 

A fonoaudióloga alerta, ainda, para os sintomas: “Os professores precisam estar atentos se estão com zumbido, dificuldade para compreender a fala, tonturas, dores de cabeça, alteração no sono, intolerância a sons e até perda da capacidade de identificar origem de fontes sonoras”, diz.

Caso haja a necessidade de usar fone de ouvido por muitas horas, a especialista recomenda não usá-lo por mais de quatro horas, fazer um intervalo de 15 minutos sem o fone a cada uma hora e ter um descanso periódico dos canais auditivos.








Você pode gostar