Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Política & Poder

Wajngarten: desconheço como eram tratativas da Pfizer no Ministério da Saúde

As negociações aconteceram durante gestão do ex-ministro Eduardo Pazuello à frente do Ministério da Saúde

O secretário especial de Comunicação Social da Secretaria de Governo da Presidência, Fabio Wajngarten, participa de audiência pública na Comissão de Transparência, Governança, Fiscalização e Controle e Defesa do Consumidor do Senado.

O secretário-executivo do Ministério das Comunicações, Fabio Wajngarten, disse que se reuniu com representantes da farmacêutica Pfizer a fim de discutir o fornecimento de vacinas ao governo federal, porém descartou ter conhecimento de como caminhavam as tratativas da empresa com o ministério da Saúde.

As negociações aconteceram durante gestão do ex-ministro Eduardo Pazuello à frente do Ministério da Saúde. Segundo Wajngarten, os encontros entre ele e a farmacêutica ocorreram no fim do ano passado a fim de apresentar a membros do governo o imunizante desenvolvido contra a covid-19 bem como os insumos para armazenamento, entre eles uma caixa térmica que manteria as vacinas na temperatura recomendada abaixo de 70º C.

“Acho que representantes da Pfizer estiveram no Ministério da Saúde e acho que vieram na Secretaria de Comunicação Secom depois. Não posso ter certeza disso. Acredito que essa caixa térmica tenha rodado Brasília inteira ou parte de quem eles tinham agenda em Brasília”, disse durante depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid no Senado.

Durante as negociações com a farmacêutica, Wajngarten relatou ter recomendado que tratasse o Brasil de acordo “com o tamanho do País” e advertido para os entraves logísticos para a distribuição de vacinas. Mais cedo, secretário havia afirmado que “mergulhou de cabeça” na negociação para a compra de vacinas quando soube na “inação” em relação a carta envida pela Pfizer ao governo brasileiro em setembro. Durante o depoimento, Wajngarten ressaltou que “jamais” adjetivou, rotulou ou emitiu opinião sobre a atuação do ex-ministro Pazuello.

Estadão Conteúdo






Você pode gostar