Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Política & Poder

STF julga nesta quarta-feira a obrigatoriedade de garantir vagas em pré-escolas e creches

De acordo com o Censo Escolar 2021, as redes municipais concentram 2.396.032 de matrículas em creches. Enquanto, na pré-escola, 3.302.621

Foto: Marcelo Casal Jr/Agência Brasil

O Supremo Tribunal Federal (STF) deve discutir, nesta quarta-feira, 11, a obrigatoriedade do poder público de oferecer e garantir vagas em creches e pré-escolas para crianças de 0 a 5 anos, conforme artigo 208, inciso IV, da Constituição Federal. A ação é movida pelo município de Criciúma (SC), mas tem repercussão geral.

Presidente da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), Paulo Ziulkoski diz que decisão contrária ao município de Criciúma pode levar a educação ao caos. Segundo ele, as cidades brasileiras não têm recursos suficientes para manter e atender a demanda das etapas de pré-escola e creche.

Isso porque há um entendimento de que cabe aos municípios esta tarefa. Para o Ziulkoski, apenas a pré-escola tem caráter obrigatório. O município catarinense argumenta que o poder público deve acolher os infantis de acordo com as possibilidades financeiras.

Posicionamento de entidades educacionais envolvidas na discussão, como Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal, o Instituto Alana, a Rede Nacional da Primeira Infância (RNPI) e a Frente Parlamentar Mista da Educação (FPME), considera que a ação de retirar a obrigatoriedade do poder público sobre a questão coloca em risco o arcabouço de direitos da infância, construído ao longo dos últimos 40 anos. O Instituto e a RNPI manifestaram-se nesta terça-feira, 10, no STF contra o recurso extraordinário.

De acordo com o Censo Escolar 2021, as redes municipais concentram 2.396.032 de matrículas em creches. Enquanto, na pré-escola, há registros de 3.302.621. Somando os dois públicos, o número total é de 5.698.653 frequentando instituição de ensino. A estimativa do Datasus é que o País tenha hoje cerca de 14,7 milhões de crianças com idade de 0 a 5 anos. A meta do Plano Nacional de Educação é ter, até 2024, 50% matriculadas em creche e 100% em pré escola.

Pedro Hartung, diretor de políticas e direitos da criança do Instituto Alana, defende que o STF já construiu esse entendimento de defesa das políticas voltadas às crianças em julgamentos anteriores. Desta vez, para ele, a Corte deve reforçar a interpretação e, mais uma vez, dar prioridade absoluta à primeira infância, como determina a Constituição. Sendo o acesso à educação uma das mais importantes.

A centralidade do debate, argumenta, se dá pelo fato de o instrumento constitucional ser determinante na redução de desigualdades. “Trata-se de uma política pública que garante o desenvolvimento e o estímulo necessários de cuidados nos primeiros anos de vida. A gente está falando de uma política estruturante da sociedade. Por isso, é dever e, portanto, obrigação do Poder Público prover os recursos necessários para implementação da política de educação infantil”, sustenta Hartung.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Há uma forçação, um encaminhamento para ser determinado. Se vier a julgar isso, vai ser uma solução insustentável. Nós vamos ter de tirar de outras etapas do ensino, a qualidade da educação cairá”, analisa o presidente da CNM. Estimativas da entidade projetam que o impacto pode ser de até R$ 13,8 bilhões por ano. Para Ziulkoski, o ensino fundamental deve ser a etapa de ensino mais prejudicada.

Financiamento

Os argumentos do presidente da CNM e do diretor do Instituto Alana convergem para a necessidade de maior participação dos entes federados e da União em relação aos recursos destinados à educação infantil. O primeiro utiliza das projeções da entidade para argumentar a insustentabilidade das cidades manterem quase que sozinhas creches e pré-escolas. Enquanto o segundo aponta para um regime de colaboração mais coeso entre união, estados e municípios numa parceria técnico-financeira.

A incerteza que ronda os questionamentos de ambos é de onde virão os recursos tendo em vista a política de “desfinanciamento”, como classifica Hartung. O Instituto de Estudos Socioeconômico (INESC) publicou o relatório “A conta do desmonte: Balanço do Orçamento Geral da União 2021”, onde aponta redução drástica do orçamento federal para a educação infantil.

Desde 2019, os recursos da União para a etapa reduziram cerca 77,5% na execução financeira. Naquele ano, o montante autorizado para a educação infantil correspondia a 434,10 milhões, com esse número chegando a 106,82 milhões em 2021.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Independente da interpretação, iremos acatar o entendimento do STF. Mas sabemos que o impacto será gigantesco. O ensino fundamental já sobrevive com recursos mínimos. O Fundeb não soluciona este problema. Estados e municípios mais ricos estão recebendo mais recursos, e os mais pobres não estão sendo contemplados”, lamenta o representante do CNM.

E complementa: “Os candidatos não dominam o assunto, prometem creches, mas ninguém entende o que é creche. Dizem que vão construir, mas quem mantém é o município, e os municípios não têm dinheiro.”

“Não é só sobre a vaga. É sobre a qualidade do serviço, como prevê o Marco Legal da Primeira Infância. Esse serviço tem de ter alta qualidade. Não só nas creches e pré-escolas públicas, como aquelas feitas a partir de parcerias. Tem de ter controle de qualidade bem feito nesta política pública. O dever de provimento da creche está previsto expressamente na nossa Constituição”, cita Pedro Hartung.

Estadão Conteúdo

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE








Você pode gostar