Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Política & Poder

PT e PSD se aproximam de acordo para palanque com Lula e Kalil em Minas

Em troca, o PT de Minas Gerais vai poder indicar o nome para a vaga de vice-governador na chapa. Ainda não há definição de nomes

Por FolhaPress 17/05/2022 3h18
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) em Juiz de Fora, interior do estado de Minas Gerais. – Eduardo Anizelli/ Folhapress

Lucas Marchesini e Renato Machado

PT e PSD superaram um dos principais obstáculos para a consolidação de uma aliança em Minas Gerais que irá oferecer ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva um lugar no palanque do ex-prefeito Alexandre Kalil no segundo maior colégio eleitoral do país.

O avanço das negociações se deu após os petistas mineiros cederem e abrirem mão de indicar o deputado Reginaldo Lopes (PT-MG) para a disputa por uma vaga ao Senado na chapa encabeçada por Kalil.

Em troca, o PT de Minas Gerais vai poder indicar o nome para a vaga de vice-governador na chapa. Ainda não há definição de nomes.

A disputa pelo Senado era o principal entrave para a aliança, pois o nome do PSD é o do atual senador Alexandre Silveira (PSD-MG), presidente do partido em Minas Gerais e secretário-geral nacional do PSD.
Silveira ainda é aliado próximo do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), e conta com apoio da bancada de deputados da sigla comandada por Gilberto Kassab.

Nos últimos dias, haviam até surgido rumores de que Silveira poderia aceitar convite para se tornar o líder do governo Jair Bolsonaro (PL) no Senado, uma movimentação que era vista nos bastidores como forma de pressionar o PT.

Na contramão, petistas chegaram a sugerir uma aliança com o atual governador de Minas gerais, Romeu Zema (Novo). Nos bastidores, no entanto, havia o entendimento de que PT e PSD precisam um do outro.
Ao mesmo tempo em que Lula busca palanque em Minas Gerais, as pesquisas de intenção de voto no estado colocam Kalil na segunda colocação.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Na última pesquisa da Quaest em Minas Gerais, Zema aparece em primeiro lugar, com 41% das intenções de voto. Kalil vem em segundo, com 30%. No entanto, quando recebe apoio do ex-presidente, o ex-prefeito de Belo Horizonte avança no levantamento.

Na corrida presidencial, a pesquisa em Minas Gerais traz Lula com 44% das intenções de votos no estado, contra 28% de Bolsonaro. No início deste mês, Lula esteve em Minas Gerais e não se encontrou com Kalil devido ao impasse na possível aliança estadual entre PSD e PT.

Depois disso, em sabatina realizada pela Folha, o ex-prefeito de Belo Horizonte cobrou uma aliança formal entre os dois partidos. “O que o candidato Alexandre Kalil quer é uma aliança formal com o presidente Lula. Isso eu quero deixar muito claro. Não tenho problema nenhum em andar com o presidente Lula”, afirmou.

Os dois lados vão manter a negociação nos próximos dias para acertar os últimos detalhes e anunciar em breve um possível acordo. Dirigentes do PSD afirmam que a indicação para a vice em Minas Gerais não será uma carta-branca e caberá ao partido e a Kalil aceitarem a indicação.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Lopes foi escolhido para coordenar a campanha de Lula no estado e, assim, resolver o impasse com o PSD. “Vou desenhar o palanque que for melhor para a eleição do Lula em nome do Brasil”, respondeu Lopes à Folha ao ser questionado sobre a possibilidade de ser vice de Kalil na disputa.

Como coordenador da campanha presidencial do PT em Minas Gerais, caberá a Lopes negociar a montagem do palanque pelo partido em interlocução com o PSD. O nome escolhido para compor a chapa com Kalil deverá ser de consenso entre os dois partidos.

Com o acordo iminente, Silveira deve novamente se afastar do Palácio do Planalto. O senador, que substituiu Antonio Anastasia, que deixou o Senado para uma vaga no TCU (Tribunal de Contas da União), foi convidado por Bolsonaro ainda em janeiro para ser líder do governo, mas acabou recusando.

Uma nova sondagem surgiu por parte de ministros bolsonaristas nos últimos dias, o que foi visto como uma aposta para afastar PT e PSD, tendo em vista as eleições de outubro. Na quarta-feira da semana passada, Silveira chegou a ter uma reunião com o senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ), em uma sala da presidência do Senado.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O cargo de líder do governo segue vago desde dezembro do ano passado, após a renúncia de Fernando Bezerra (MDB-PE), que foi abandonado pelo governo e saiu derrotado na disputa por uma vaga no TCU.
Seguem como candidatos à vaga de líder do governo Marcos Rogérios (PL-RO) e o atual líder do governo no Congresso, Eduardo Gomes (PL-TO).








Você pode gostar