Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Política & Poder

PF troca chefe em Alagoas após crise com ingerência política e recuo inédito

A Polícia Federal exonerou o delegado Sandro Valle Pereira do comando do órgão em Alagoas, a saída foi publicada no Diário Oficial da União

Por FolhaPress 20/05/2022 9h34
Foto: Reprodução

Fabio Serapião
Brasília, DF

A Polícia Federal exonerou o delegado Sandro Valle Pereira do comando do órgão em Alagoas.

A saída foi publicada no Diário Oficial da União desta sexta (20) e ocorre após a Folha de S.Paulo revelar que Valle Pereira foi mantido na chefia da PF alagoana após um ingerência política barrar sua substituição, que havia sido decidida pelo diretor-geral, Márcio Nunes.

O episódio abriu uma crise, e a situação do delegado ficou insustentável. Oficialmente, ele pediu uma licença capacitação por 60 dias, o que exige sua saída do posto.

O recuo na troca foi um fato inédito na história recente da Polícia Federal, uma vez que o processo formal havia sido aberto e outro delegado já tinha sido convidado para vaga.

Segundo pessoas que acompanharam o caso, porém, o ministro Anderson Torres (Justiça) foi o responsável por informar o diretor-geral da PF que a mudança havia sido vetada.

Valle Pereira disse à Folha não saber o que aconteceu para ter sido mantido no cargo e afirmou não ter feito pedido para ficar, mas que não pode dizer se alguém pediu por ele.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Após a revelação da ingerência, a regional alagoana da Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal se reuniu e decidiu cobrar explicação da direção-geral da PF sobre o veto que resultou na manutenção de Valle Pereira no cargo.

Na ata da assembleia, os delegados manifestaram a “quebra de confiança” no delegado.

“Os delegados de Polícia Federal presentes reafirmam sua posição de não compactuar e não coadunar com qualquer tipo de ingerência política nas investigações por si presididas, estando sempre atentos e vigilantes para combater e repudiar toda e qualquer ação que porventura possa ser adotada neste sentido.”

Valle Pereira não é natural do estado, mas é casado com uma alagoana.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Sogro dele, o policial civil Flávio Saraiva foi nomeado nesta semana como secretário de Segurança Pública no governo de Alagoas após Paulo Dantas (MDB), aliado do senador Renan Calheiros, vencer a eleição indireta no estado.

O sogro do delegado federal e agora secretário de segurança de Alagoas é advogado, consultor de segurança e delegado aposentado da Polícia Civil.

É considerado como de bom trânsito entre políticos alagoanos. Após deixar a polícia, Saraiva chegou a apresentar o programa Segurança em Foco, da TV Mar de Alagoas. A emissora é do Grupo Arnon de Mello, da família do senador e ex-presidente Fernando Collor de Mello (PTB-AL), hoje aliado de Bolsonaro.

A tentativa de substituição de Valle Pereira começou logo após o atual diretor-geral da PF, Márcio Nunes, assumir o cargo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O delegado havia sido nomeado na gestão do seu antecessor, Paulo Maiurino.

Assim que foi nomeado, o atual chefe da PF foi informado sobre problemas e reclamações de delegados em relação à gestão do superintendente alagoano.

Um dos relatos que chegou aos ouvidos da equipe de Nunes em Brasília foi uma suposta tentativa e obter informações de um inquérito sigiloso em andamento no estado que resvala em um político alagoano.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Após ser informado da troca, Valle Pereira, sem autorização e sem comunicar a direção-geral, esteve em Brasília para tentar reverter a decisão.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

À Folha o então superintendente afirmou que não houve tentativa de buscar informações sobre o caso sigiloso. Ele confirmou, porém, que conversou com dois delegados subordinados a ele, um deles responsável pelo inquérito sigiloso.

Sobre a viagem para Brasília após ser informado da troca, o delegado disse ter viajado para tentar contato com “alguém da direção” da PF.

“Fui tentar contato com alguém na direção [da PF], mas não consegui. Foi logo depois do tsunami da minha saída”, conta. Afirma ter ficado a maior parte do tempo dentro de um hotel e que não saiu para encontrar políticos.








Você pode gostar