Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Política & Poder

Petistas pressionam para Rogério Carvalho ser impedido de lançar candidatura em Sergipe

Os pedidos para que a sigla não lance seu nome como candidato a governador de Sergipe têm multiplicado

Por FolhaPress 01/12/2021 4h14

Camila Mattoso
BRASÍLIA, DF

Petistas têm pressionado a direção do partido para punir o senador Rogério Carvalho (PT-SE), que, contrariando a orientação da sigla e o posicionamento dos colegas de bancada, votou a favor das emendas de relator na segunda-feira (29).

Seu voto foi decisivo para a aprovação apertada do projeto de resolução que busca atender a decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) a respeito das emendas de relator, verbas que se tornaram moeda de negociação política do governo Jair Bolsonaro com parlamentares.

O texto manteve o controle da distribuição das emendas na cúpula do Congresso e reforçou que as medidas de transparência valem apenas daqui para frente. Ou seja, ele mantém secretos os parlamentares que indicaram as chamadas emendas RP9 em 2020 e 2021. O projeto foi aprovado no Senado com 34 votos a favor e 32 votos contrários.

A expulsão de Carvalho do PT é considerada exagerada, mas os pedidos para que a sigla não lance seu nome como candidato a governador de Sergipe têm multiplicado. Procurado pela reportagem, Jilmar Tatto, secretário de Comunicação do PT, confirma. “Não é caso de expulsão, mas tem gente no PT achando que agora ele não deve ser candidato a governador”, afirma.

Valter Pomar, historiador e ex-secretário de Relações Internacionais do PT, escreveu que “cabe à bancada do PT no Senado ou ao Diretório Nacional do PT, convocado para o dia 16 de dezembro de 2021, punir o senador. Ou, pelo menos, conceder-lhe o troféu ‘cretinismo parlamentar 2021′”. Presidente do PT, Gleisi Hoffmann (PR) disse à reportagem que o voto de Carvalho foi “muito grave”. Ela acrescentou que, caso haja punição, decorrerá da decisão de instância partidária.

Nesta terça (30), Carvalho disse que seu voto se deu por reprovação à ingerência do STF sobre o Senado. “Somos uma casa parlamentar. O que foi aprovado foi aprovado por unanimidade. E houve uma ingerência, uma forma de outro poder ingerir sobre o Legislativo. Como membro da Mesa do Senado Federal, que subscrevi todas as ações junto com os demais membros ao STF, caberia a mim ter a coerência na defesa da institucionalidade do Congresso”, disse Carvalho durante sessão da Comissão de Constituição e Justiça.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ele também afirmou que vai apresentar nova proposição para extinguir as emendas de relator.








Você pode gostar