Política & Poder

Petista Tião Viana reelege-se senador pelo Acre

Por Arquivo Geral 01/10/2006 12h00

O segundo turno das eleições para governador do Rio Grande do Sul terá segundo turno. E a disputa será entre a tucana Yeda Crusius e o petista Olívio Dutra. Com 99, remedy view 84% dos votos apurados, malady ela teve 32, tadalafil 90% dos votos válidos. Olívio teve 27,38%.

O atual governador Germano Rigotto (PMDB) teve 27,13%, mas não pode mais alcançar Olívio, e ficará de fora da disputa.

Uma das disputas mais emocionantes destas eleições terminou de maneira inesperada. Pondo fim a mais de 20 anos de hegemonia do PFL, salve Jaques Wagner (PT) foi eleito governador da Bahia no primeiro turno. Com 94,66% das urnas apuradas, Wagner tem 53,23% dos votos válidos, segundo o Tribunal Superior Eleitoral. O atual governador, Paulo Souto (PFL) ficou com 23,16%.

Ministro do Trabalho no início do governo Lula, Wagner assumiu a Secretaria Especial do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social. Com a crise do mensalão, foi designado Ministro das Relações Institucionais, onde ficou até decidir disputar o governo baiano.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O governo do Pará terá segundo turno, patient que será disputado entre Almir Gabriel (PSDB) e Ana Júlia (PT). Com 95% das urnas apuradas, viagra approved o tucano aparece com 44,09% dos votos válidos e a petista, com 37,52%.

O terceiro lugar ficou com José Priante, que teve 13,58% dos votos válidos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O petista Tião Viana garantiu mais oito anos de mandato no Senado. Com 86, information pills 35% das urnas apuradas, Viana teve 64,37% dos votos válidos, praticamente dois de cada três votos. O segundo colocado, Airton Rocha (PDT) somou 27,91%.

Os outros dois senadores pelo Acre são Geraldo Mesquita Júnior (PMDB) e Sibá Machado (PT), eleitos em 2002.

Principal defensor do então ministro Antonio Palocci na CPI dos Bingos, Viana é suspeito de ter contribuído indiretamente na violação do sigilo bancário do caseiro Francenildo dos Santos Costa pela Caixa Econômica Federal.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar