Menu
Política & Poder

Megaleilão de energia vira tábua de salvação para Odebrecht

A Novonor (ex-Odebrecht) pode ter uma segunda chance com o governo do PT caso o Ministério de Minas e Energia leve adiante o megaleilão

Nathalia Maciel

22/05/2023 20h41

Foto: Reprodução

Julio Wiziazk

Brasília, DF

A Novonor (ex-Odebrecht) pode ter uma segunda chance com o governo do PT caso o Ministério de Minas e Energia leve adiante o megaleilão para construir linhas de transmissão neste ano.

Nos bastidores, a empreiteira é apontada pelo governo como a única com balanço e experiência suficientes para conduzir a obra de engenharia, que consumirá investimentos privados da ordem de R$ 40 bilhões.

Avalia-se, inclusive, a possibilidade de que a companhia possa ter acesso a financiamentos do BNDES.
Se isso ocorrer, será uma injeção de ânimo na empresa, principal envolvida no esquema de corrupção em contratos públicos investigados pela operação Lava Jato.

O problema, segundo assessores ministeriais, é que poucas construtoras sobreviveram à operação. As empreiteiras de pequeno e médio portes não conseguem viabilizar a obra com seguros e financiamentos porque seu faturamento não é suficiente.

O primeiro megaleilão programado pela Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) está marcado para 30 de junho na B3. Englobará nove lotes que totalizam pouco mais de 6.000 quilômetros de novas linhas de transmissão.

As empresas que ganharem terão de arcar com os investimentos. Para isso, será necessário contratar empreiteiras de grande porte.

A ideia do governo é ampliar o escoamento de energia gerada no Nordeste para o Sudeste. Os lotes envolvem linhas que passam por Bahia, Sergipe, Pernambuco, Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo.

O segundo leilão ainda está em consulta pública e a previsão é de que ocorra em outubro. Os investimentos são da ordem de R$ 20 bilhões para mais 4,.500 quilômetros de linhas em Goiás, Tocantins, Maranhão, São Paulo e Minas Gerais.

O terceiro certame, ainda em estudo, deve exigir investimentos de R$ 15 bilhões.

    Você também pode gostar

    Assine nossa newsletter e
    mantenha-se bem informado