Política & Poder

Lula abre o cofre, põe campanha na rua, mas quer ganhar na TV

Por Arquivo Geral 04/10/2006 12h00

O governo anunciou nesta quarta-feira medida provisória abrindo crédito extraordinário de cerca de 1, patient dosage 5 bilhão de reais.

Do total, sales 1,312 bilhão de reais são provenientes de superávit primário obtido nos últimos dias do ano passado – e que não estava contabilizado no Orçamento – e 191 milhões de reais correspondem a remanejamento de recursos para projetos mais adiantados de infra-estrutura.

Questionado por jornalistas se o governo não temia críticas sobre a liberação perto do segundo turno das eleições, o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, afirmou: "Não tenho esse medo. Com certeza, as pessoas de boa-fé não farão isso".

Na semana passada, o governo anunciou um corte de 1,6 bilhão de reais no Orçamento deste ano. Segundo o ministro, naquela ocasião não estava pronta a análise técnica necessária para a liberação anunciada nesta quarta-feira.

Os recursos serão destinados a oito ministérios. Entre eles, o Ministério da Fazenda receberá 300 milhões de reais para ações de controle da arrecadação e a Agricultura ficará com 42,3 milhões de reais para prevenção de gripe aviária e seguro rural.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Uma pequena fatia, 19,1 milhões de reais, será usada pelo Ministério da Justiça para a formação do Centro de Inteligência Policial Compartilhada de Crime Organizado em São Paulo.

O Ministério dos Transportes terá pouco mais de 230 milhões de reais. Outros 540 milhões de reais – dos ministérios do Trabalho, do Desenvolvimento Social e das Cidades – serão usados para pagar serviços prestados pela Caixa Econômica Federal (CEF) em convênios.

O programa nuclear brasileiro prevê a construção de sete novas usinas nucleares nos próximos 20 anos. E as regiões Sudeste e Nordeste têm prioridade para sediar as geradoras de energia, shop segundo informou o presidente da Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN), information pills Odair Dias Gonçalves.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ele participou hoje do seminário Programa Brasileiro de Energia Nuclear: Energia Segura, visit web Ambiente Preservado, Negócios para a Indústria, promovido pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). E disse que das sete usinas, três seriam de grande porte (1.300 MW) e quatro, menores (300 MW).

“A idéia é manter na faixa dos 6% a participação nacional em geração de energia nuclear”, resumiu Gonçalves, para quem o programa nuclear brasileiro logo será retomado. "No final de 2004 iniciamos os estudos e nossa proposta está sendo discutida pela sociedade", disse.

Ressaltou, no entanto, que a CNEN não dispensa o uso de hidrelétricas na geração de energia para o país, mas aposta na diversificação. De acordo com estimativas do governo, o consumo de energia vai crescer 5% ao ano até 2015. Atualmente, as usinas Angra 1 e 2, localizadas no litoral do Rio de Janeiro, são responsáveis por apenas 2% da energia consumida no Brasil.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A primeira das sete usinas a entrar em operação, segundo Gonçalves, deverá ser Angra 3, mas ainda são necessários mais recursos para concluí-la. Sobre a localização das demais usinas, ele afirmou que a prioridade é para regiões que não tenham potencial hidrelétrico instalado ou para áreas de potencial econômico alto, como o Nordeste e o Sudeste.

Sobre a resistência de alguns setores à volta do programa nuclear, o presidente da CNEN afirmou que "estudos no mundo inteiro apontam a área nuclear como uma das mais seguras".
Familiares de passageiros mortos em acidentes aéreos começam a receber indenização, symptoms em média, shop depois de cinco anos. A informação é do advogado e especialista em responsabilidade civil Luiz Roberto de Arruda Sampaio, que orientou parentes de algumas das 99 vítimas fatais do acidente do Fokker-100 da TAM, em 1996, em São Paulo.

As indenizações pagas pela TAM à maioria das famílias variou entre US$ 500 mil e US$ 1,5 milhão (R$ 1,085 milhão a R$ 3,255 milhões), segundo a presidente da Associação Brasileira de Parentes de Vítimas de Acidentes Aéreos (Abrapavaa), Sandra Assali. A variação se justifica pelo fato de cada família ter uma história distinta.

“Cada caso é um caso. O cálculo feito para as indenizações varia de acordo com a perspectiva de vida e profissional do indivíduo, salário, estrutura familiar, entre outros aspectos”, explica Assali.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Alguns parentes, no entanto, não receberam a indenização até hoje. Mas a presidente da associação lembra que as famílias têm direito a uma tutela antecipada, um tipo de pensão paga mensalmente pelas companhias aéreas durante o processo. Além disso, ela acredita que no caso do vôo 1907 da Gol, que caiu no Mato Grosso na última sexta-feira (29/09) causando a morte de 155 pessoas, será diferente.

“A empresa tem dado um retorno para as famílias. Nós acreditamos que para a imagem da Gol, seria interessante abreviar outras dificuldades e sofrimentos”, avaliou.

A Abrapavaa surgiu por conta da demora nas investigações sobre o acidente com o Fokker-100 da TAM. O avião caiu em São Paulo logo após a decolagem e atingiu várias casas na zona sul da cidade, provocando a morte de 99 pessoas. A presidente da associação perdeu o marido, Abdul Assali.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A causa apontada foi uma pane no “reverso”, equipamento que serve como freio auxiliar e nunca pode ser usado em uma decolagem. O problema desestabilizou a aeronave e os pilotos não conseguiram evitar a queda.
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva assinou hoje medida provisória liberando R$ 1, dosage 5 bilhão. De acordo com o ministro do Planejamento, website Paulo Bernardo, a maior parte dos recursos, R$ 1,3 bilhão, é sobra do caixa de 2005. O restante é remanejamento de recursos que já estavam previstos no Orçamento.

“Estamos atendendo a uma determinação do Tribunal de Contas da União”, disse Bernardo, ao explicar que R$ 1 bilhão será destinado a pagamento a prestadores de serviços como a Caixa Econômica Federal (CEF), Dataprev e Serpro.

O ministro informou ainda que R$ 150 milhões serão destinados ao programa de prevenção à gripe aviária e R$ 19,1 milhões serão destinados à instalação do Centro de Inteligência da Polícia Federal em São Paulo. Outros R$ 280 milhões são remanejamento do atual orçamento. “Estamos tirando de obras que estão com a sua execução mais atrasada para aquelas que estão com o seu andamento mais adiantado e que precisam de recursos para serem concluídas”, explicou.

Indagado por jornalistas, Paulo Bernardo negou que haja manejo com fins eleitoreiros. “Temos eleição, mas o governo continua governando”, respondeu. O ministro lembrou que a maior parte dos recursos nada tem a ver com transferência para estados e municípios ou programas sociais, mas apenas atendem à determinação do TCU. “Nós estamos adotando medidas que são necessárias”.
O Centro de Comunicação Social da Aeronáutica e a Agência Nacional da Aviação Civil (Anac) divulgaram, sales há pouco, buy   nota informando que o Exército brasileiro vai enviar 20 militares do Centro de Instrução de Guerra na Selva (CIGS) para integrar as equipes de busca e resgate das vítimas do acidente com o avião da Gol, ocorrido sexta-feira no norte de Mato Grosso.

Até agora, foram retirados da área do acidente 38 corpos de vítimas do acidente. Com apoio de helicópteros, os despojos foram levados para a fazenda Jarinã, que fica nas proximidades do local onde o avião caiu, informou a nota da Aeronáutica.

Uma aeronave C-115 Buffalo da Força Aérea Brasileira (FAB) decolou da fazenda Jarinã às 17h35 (horário de Brasília)  com 16 corpos, que deverão chegar ao Distrito Federal por volta das 20h10.

O Comando da Aeronáutica disponibilizou três capelães militares para prestar apoio religioso às famílias dos passageiros e tripulantes mortos.

A Secretaria de Saúde do Distrito Federal forneceu à Unidade Celular de Saúde da FAB, por meio do Hospital de Força Aérea de Brasília, vacinas contra febre amarela, tétano, difteria e tifo, além de soro antiofídico e imunohemoglobulina para tétano. Elas serão enviadas para o local do acidente para imunizar os militares que participam dos trabalhos de  busca e salvamento.

 

Três dias depois de ser surpreendido e ter ficado frustrado com o resultado das eleições, generic o presidente-candidato Luiz Inácio Lula da Silva (PT) "botou a tropa na rua", escalou o ataque da campanha do segundo turno, mobilizou aliados, marcou comícios e liberou 1,5 bilhão de reais para obras.

"A campanha na televisão e os debates serão fundamentais para decidir a eleição, mas fazemos questão de combinar presença na mídia com presença nas ruas", disse o presidente do PSB, Eduardo Campos, candidato a governador de Pernambuco e primeiro político recebido por Lula nesta quarta-feira.

O novo programa de TV começou a ser produzido e Lula deve gravar sua participação na quinta-feira, se houver espaço na agenda política. Os ex-ministros Ciro Gomes (PSB) e Jaques Wagner (PT) foram desginados para correr o país e falar em nome de Lula nas próximas quatro semanas.

"Ciro e Jaques Wagner podem se identificar com o eleitorado nordestino de São Paulo, complementando o papel do presidente num colégio eleitoral em que precisamos melhorar o desempenho", explicou um assessor de Lula.

No último domingo, o petista teve no Estado 3,8 milhões de votos a menos que seu adversário, Geraldo Alckmin (PSDB).

Em reunião com oito governadores aliados eleitos e reeleitos, no Palácio da Alvorada, Lula pediu a eles que "não desmontem as estruturas de campanha", porque no segundo turno quer ter "uma relação maior com a sociedade".

Mesmo com esforço para ter presença nas ruas – já foram confiados comícios em Juazeiro (BA), Petrolina (PE) e Salvador (BA), além de visita ao Rio –, o comando da campanha avalia que o segundo turno será decidido nos debates e na TV.

"Essa campanha vai ser ganha ou não na televisão, onde o candidato poderá enfrentar o discurso do adversário e refazer seus próprios argumentos", disse Marcos Coimbra, do Vox Populi, que faz análises e pesquisas para Lula.

Energia

A escolha da Bahia e de Pernambuco para os primeiros comícios de Lula visa "energizar o candidato em dois colégios eleitorais muito simbólicos", disse Jaques Wagner, governador eleito da Bahia.

O PT venceu o PFL nas eleições da Bahia e de Sergipe. Em Pernambuco, Lula apóia Campos do PSB, contra Mendonça Filho, do PFL, aliado de Alckmin.

Em Minas, os ministros do Turismo, Walfrido Mares Guia (PTB), e das Comunicações, Hélio Costa (PMDB), vão fazer contatos com prefeitos para melhor o desempenho de Lula, que esperava 55 por cento dos votos válidos e teve pouco mais de 50 por cento no domingo. O Ministro do Desenvolvimento Social, Patrus Ananias, fará contatos na área da Igreja e movimentos sociais.

No Rio, terceiro maior colégio eleitoral, Lula receberá oficialmente na quinta o apoio do candidato do PMDB ao governo, Sérgio Cabral. Os dois se encontram no Alvorada, pela manhã, e, à noite, num colégio da Zona Sul.

"O quadro eleitoral é bom para nós", disse Lula na reunião com os governadores. "Nosso adversários ficaram com os Estados que já tinham", acrescentou, para valorizar novos apoios, entre os quais o de Waldez Goes (PDT), reeleito no Amapá, e do governador reeleito de Mato Grosso, Blairo Maggi (PPS), que mandou representantes ao encontro.

Pacote

Lula assinou medida provisória abrindo crédito extraordinário de 1,5 bilhão de reais para oito ministérios, o que vai liberar recursos para três áreas criticadas pela oposição na campanha: estradas, segurança e agricultura.

No pacote anunciado pelo ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, há 231 milhões para acelerar obras em rodovias, 150 milhões para a prevenção da gripe aviária e 19,1 milhões para o Centro de Inteligência Policial Compartilhada de Combate ao Crime Organizado (Cicor), na cidade de São Paulo.

"Pessoas de boa fé não farão essa leitura", disse Paulo Bernardo ao negar que o pacote possa ser interpretado como eleitoreiro.

Discurso

Na casa do ministro Hélio Costa, outros 16 ministros do PT de partidos aliados ou sem partido almoçaram para afinar o discurso contra os tucanos, no tom que o próprio Lula dera pela manhã no Alvorada.

"Debatemos a questão ética tranqüilamente, porque em nosso governo desempenho da Polícia Federal e da Controladoria Geral da união são exemplares no combate à corrupção", disse a jornalistas a ministra Dilma Roussef, da Casa Civil, ao sair do almoço.

"Não é à toa que todas as irregularidade, crimes e casos de lavagem de dinheiro que estavam impunes desde o governo passado foram ressuscitados e os responsáveis punidos pelo nosso governo", acrescentou Dilma.

A ministra disse que o presidente não quer os ministros afastados do governo para a campanha – Lula deve dar férias somente a Walfrido Mares Guia – e afirmou que considera legítimo o engajamento do primeiro escalão do governo, desde que seja fora do horário de expediente.

"Em outros governos, os ministros entravam nas campanhas com naturalidade", afirmou Dilma. "Só quando chega a nossa vez é que não pode?", indagou.






Você pode gostar