Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Política & Poder

Lira diz que presidentes de associações de integrantes do Ministério Público não têm palavra

Ele afirmou ainda que os deputados não vão mais sentar à mesa com eles para negociar mudanças na PEC que modifica a composição do CNMP

Por FolhaPress 14/10/2021 4h53

Camila Mattoso
BRASÍLIA, DF

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), disse à reportagem que Ubiratan Cazetta, presidente da ANPR (Associação Nacional dos Procuradores da República), e Manoel Murrieta, da Conamp (Associação Nacional dos Membros do Ministério Público), não têm palavra.

Afirmou ainda que os deputados não vão mais sentar à mesa com eles para negociar mudanças na PEC que modifica a composição do CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público). Lira levou o texto à Câmara nesta quinta-feira (14), mas, por encontrar resistência no plenário dos deputados, pela segunda sessão, decidiu apenas discutir a matéria e marcar a votação para a próxima terça (19) -a proposta é criticada por deixar o CNMP mais suscetível à interferência política.

À reportagem, Lira afirmou, após receber um telefone da presidente do CNPG (Conselho Nacional de Procuradores-Gerais do Ministério Público dos Estados e da União), que havia um acordo com os integrantes do Ministério Público. Após a fala do deputado, Cazetta negou qualquer acordo em uma postagem no Twitter. “A ANPR não realizou acordo sobre a PEC 05 e mantém a posição oficial contrária à PEC 05. O CNPG não fala em nome das associações”, disse ele.

Em resposta a Lira, Manoel Murrieta divulgou uma nota em que afirma que a “liberdade de opinião garantida aos cidadãos e estendida aos membros do Congresso” é uma conquista da democracia. Segundo ele, mesmo com a “intensa discussão” sobre o texto da PEC não há consenso e acordo sobre o texto final debatido pela Câmara.








Você pode gostar