Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Política & Poder

Governo deve economizar R$ 3,8 mi com projeto “TáxiGov”

O TáxiGov já está presente em 102 órgãos e entidades. “Nós queremos que o Estado brasileiro utilize a mesma ferramenta dos cidadãos”

Por Geovanna Bispo 03/05/2021 6h48
Foto: Reprodução / Ministério da Economia

O projeto de serviços de transporte administrativo, o TáxiGov, será implantado em Goiânia (GO), João Pessoa (PB), Maceió (AL) e Vitória (ES), e suas regiões metropolitanas. As medidas podem gerar economia de R$ 3,8 milhões ao ano e beneficiará cerca de 44 mil servidores. Ministério da Economia (ME) divulgou, nesta segunda-feira (3/5), quatro Intenções de Registro de Preço (IRP) para contratar as empresas que irão prestar o serviço.

“A partir desse processo, o ministério espera fazer o levantamento de quais órgãos e entidades nessas cidades desejam participar da futura licitação”, afirma o secretário de Gestão da Secretaria Especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital do ME, Cristiano Heckert. “Esperamos que os órgãos dessas capitais participem do processo, que moderniza e simplifica a gestão pública, e ainda diminui os gastos do governo, que podem ser revertidos no atendimento da população”, complementa.

Até o momento, o TáxiGov já está presente em 102 órgãos e entidades. “Nós queremos que o Estado brasileiro utilize a mesma ferramenta dos cidadãos, um aplicativo de celular, para realizar o transporte administrativo. Nossa meta é levar o TáxiGov para todas as capitais do país”, disse Heckert. 

A medida já gerou uma economia de mais de R$ 28 milhões e, também, possibilitou o leilão de 137 veículos, que deixaram de ser utilizados pelos órgãos da Administração Pública. Somente a venda desses carros resultou numa arrecadação de R$ 1,9 milhão. Com essa iniciativa, o serviço de transporte administrativo na administração pública foi digitalizado, resultando em uma redução de 22% no tempo médio de atendimento. 

Com as IRPs, serão realizadas licitações que servirão para a contratação de serviços de táxi, de transporte individual de passageiros ou de transporte por locação de veículos, com área de atuação nas capitais mencionadas e regiões metropolitanas.

Cada capital assinará o seu contrato, que terá duração de 12 meses, podendo ser renovado, e exige que os carros tenham quatro portas, ar-condicionado e monitoramento via aplicativo com GPS.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar