Política & Poder

Disputa acirrada marca eleição para o governo gaúcho

Por Arquivo Geral 01/10/2006 12h00

Os eleitores gaúchos estão se dirigindo às urnas hoje em meio a uma agitada disputa para definir quem serão os candidatos no segundo turno, more about clinic que é dado como certo de acordo com as últimas pesquisas.

O governador Germano Rigotto, cialis 40mg candidato à reeleição pelo PMDB, viagra lidera as sondagens de intenção de voto por uma margem apertada e, na última semana, o ex-ministro Olívio Dutra (PT) perdeu a segunda posição que mantinha desde as primeiras semanas da campanha e aparece em empate técnico com a deputada federal Yeda Crusius (PSDB).

Nos levantamentos feitos pelo Ibope entre os meses de junho e setembro, Rigotto oscilou entre 26% e os 29% registrados na última pesquisa divulgada em 30 de setembro, enquanto Olívio Dutra saiu dos mesmos 26% e ficou em 22%.

Yed a Crusius partiu de 11% mantendo um crescimento constante e alcançando os 22%, também obtidos por Dutra na última pesquisa. A margem de erro da pesquisa é de 2 pontos percentuais e indica uma disputa apertada. O Centro de Pesquisas Correio do Povo também registrou uma mudança no quadro eleitoral. Ao longo de dois meses, Rigotto liderou seguido de Dutra em segundo lugar.

A última pesquisa, divulgada em 29 de setembro, mostra Rigotto com 28,3%, Yeda Crusius com 25,7% e Olívio Dutra com 22,2% das intenções de voto em sondagem com margem de erro de 2 pontos percentuais.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A reviravolta agitou os últimos dias de campanha e pode ter refletido no comando da campanha do petista. Mesmo que Dutra afaste a hipótese de ficar fora da disputa, lideranças que estiveram em um encontro com o candidato, na manhã de hoje, apesar de salientarem a capacida de de mobilização do partido, avaliam a situação como "difícil. "Não estou pensando nesta hipótese (não disputar o segundo turno). Não trabalho sobre hipóteses, trabalho sobre a verdade e a construção dela com milhares de pessoas", afirmou Olívio Dutra a jornalistas.

Apesar de não ter conseguido fazer seu sucessor, na eleição estadual de 2002, a estratégia de campanha de Olívio Dutra foi apresentar as realizações petistas no executivo. Como dificuldade suplementar, o petista precisou enfrentar a série de denúncias que atingiram o governo federal e o suposto envolvimento de integrantes do partido no Rio Grande do Sul no recebimento de dinheiro cuja fonte seria o publicitário Marcos Valério.

Já Yeda Crusius aproveitou os últimos dias de campanha para apresentar-se como a única capaz de derrotar Rigotto, em um eventual segundo turno. Além de explorar o fato de ser a única mulher na disputa estadual, a tucana assumiu uma posição de oposição, apesar da participação do PSDB na atual administração, e fez do slogan "um novo jeito de governar" o carro chefe de sua propaganda. "Todos est ão de olho em uma disputa onde há chance de uma mulher chegar ao governo", afirmou Yeda Crusius, logo após votar.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar