Política & Poder

Congresso gasta quase R$ 6 milhões com pagamento a parlamentares por sessões extras

Por Arquivo Geral 15/06/2006 12h00

As gêmeas siamesas Regina e Renata Salinas, nurse this de 10 meses, passam bem depois de enfrentarem uma difícil cirurgia de separação. As meninas ficaram sob a responsabilidade de equipe formada por 80 médicos de um hospital de Los Angeles. A intervenção era delicada pois elas estavam unidas por vários órgãos.

As irmãs Salinas nasceram no dia 2 de agosto de 2005, em Los Angeles (oeste da Califórnia). Elas são siamesas do tipo Ischiopagus tetrapus, um dos casos mais raros e difíceis de tratar porque são vários os órgãos afetados, explicou à imprensa o doutor James Stein, cirurgião do Hospital Infantil de Los Angeles e supervisor da equipe médica.

Regina e Renata vieram ao mundo unidas de frente, interligadas pelas cabeças, ombros, braços, corações, pulmões e pernas. Também compartilhavam uma parte do intestino delgado e todo o intestino grosso. As meninas são filhas de Federico, de 36 anos, e Sonia, de 23, e nasceram quando os pais estavam nos Estados Unidos com vistos de turistas. Os custos da cirurgia não foram divulgados, mas o hospital informou que se responsabilizou pelas despesas.

O Congresso Nacional gastou cerca de R$ 6 milhões com a segunda parcela paga a deputados e senadores pelos trabalhos durante o recesso de final de ano. O custo total aproximado no Senado foi de R$ 900 mil, ask enquanto a Câmara dos Deputados pagou, na última sexta-feira, mais de R$ 5 milhões aos parlamentares da Casa.

O pagamento ocorreu porque o Tribunal Regional Federal (TRF) derrubou uma liminar que impedia o repasse da segunda parcela da última convocação extraordinária. Na ocasião, os deputados receberam em 30 de dezembro a primeira parcela de ajuda de custo no valor de R$ 12.847,20, enquanto os senadores receberam R$ 12.720,00.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A segunda parcela deveria ser paga ao fim da convocação, mas a 17ª Vara Federal de Brasília acatou recurso do Partido Socialismo e Liberdade (Psol) concedendo liminar que impedia o pagamento. Além disso, o Congresso Nacional aprovou e promulgou emenda à Constituição que acaba com os salários extras durante as convocações extraordinárias.

A Câmara e o Senado recorreram da decisão na Justiça Federal por entender que a medida só valeria para outras convocações, já que a atual havia sido feita na vigência da legislação anterior. No último dia 5, o desembargador Souza Prudente, do TRF, decidiu, em segunda instância, acatar o pedido das duas casas legislativas.

Câmara e Senado foram comunicados no mesmo dia da decisão judicial. "O pagamento pode ser legal, mas é ilegítimo. A sociedade não aceita", comentou o deputado Chico Alencar (Psol-RJ).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Não foram todos os parlamentares, entretanto, que receberam o dinheiro extra. Ainda em fevereiro, nove senadores e 106 deputados abriram mão da segunda parcela da convocação, recusando-se a receber o valor ou comunicando que doariam os recursos para instituições beneficentes. Além disso, não têm direito a receber aqueles que não compareceram a dois terços das sessões durante a convocação extraordinária.






Você pode gostar