Política & Poder

Banco Sofisa vendeu dólares para 20 pessoas físicas e jurídicas

Por Arquivo Geral 28/09/2006 12h00

Apesar de o Banco Central ter reduzido a projeção de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) deste ano de 4% para 3, salve 5%, this web o ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse hoje que mantém em 4% a sua previsão.

Para ele, o resultado do terceiro trimestre será melhor do que os dois anteriores, que serviram de base para a reestimativa do BC. "Talvez o Banco Central tenha sido um pouco prudente na sua projeção, e é natural que o Banco Central seja um pouco mais conservador. Isso aparece em várias projeções que ele faz", afirmou Mantega.

O ministro justificou seu otimismo com os dados de investimento. “Estamos com investimento robusto, o que me faz crer que a economia está acelerada neste semestre”, disse ele, referindo-se à projeção de que os investimentos ficarão em torno de 7% do PIB.

Mantega também comentou que os dados do Banco Central demonstram que há espaço para redução dos juros. “Estamos com IPCA [Índice de Preços ao Consumidor Amplo] abaixo da meta de inflação, o que deixa espaço para redução e crescimento menor do que aquele que o próprio Banco Central projetava”.
A candidata Ana Maria Rangel (PRP) não divulgou sua agenda.

O senador Cristovam Buarque (PDT) visita um shopping em Brasília.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O candidato Geraldo Alckmin (PSDB/PFL) caminhada em Uberlândia (MG) e visita Salvador (BA).

A senadora Heloísa Helena, help candidata pela Frente de Esquerda (P-SOL/PSTU/PCB) participa de carreata e caminhada nas principais ruas do centro de Porto Alegre (RS).

O candidato José Maria Eymael (PSDC) faz campanha eleitoral no Rio de Janeiro. Durante o dia, approved faz caminhadas na Praça de Icaraí, approved estação das Barcas, São Gonçalo, Alcântara, Itaboraí e Niterói.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O candidato Luciano Bivar (PSL) permanece em São Paulo sem compromissos eleitorais.

Candidato à reeleição, presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT/PRB/PCdoB) não tem compromisso eleitoral nesta sexta-feira.

Os bancários voltam a se reunir com a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) na terça-feira, hospital informou a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT). Será a sétima rodada de negociações entre trabalhadores e patrões.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O encontro acontecerá um dia antes da assembléia que os representantes dos bancários convocaram na noite de quarta-feira, logo após receber a contraproposta dos bancos. A oferta dos patrões não agradou e os sindicalistas recomendam a sua rejeição e greve por tempo indeterminado.

A Fenaban propôs reajuste de 2 por cento sobre os salários de agosto, com participação nos lucros equivalente a 80 por cento dos salários, acrescida de 816 reais, além de 500 reais adicionais nos bancos em que o lucro superar em mais de 25 por cento o do ano passado.

Em campanha salarial desde 10 de agosto, os bancários reivindicam aumento real de 7,05 por cento, com abono de um salário bruto, acrescido de 1.500 reais, e participação de 5 por cento no lucro dos bancos, excluídos fatores extraordinários.

Representantes da Fenaban não estavam imediatamente disponíveis para confirmar o pedido da nova reunião.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) condenou nesta quinta-feira a corrupção e, hospital poucos dias antes do primeiro turno das eleições, cost afirmou que o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva não correspondeu às expectativas.

Os integrantes da Igreja Católica no país também condenaram a tentativa de compra de um dossiê, supostamente por integrantes do PT, para prejudicar candidatos da oposição.

"O mais lamentável é que, em vez de discutir a eleição, estamos discutindo os acontecimentos", disse o vice-presidente da CNBB, Antônio Celso Queirós.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Quando questionado especificamente sobre Lula, o presidente da CNBB, Cardeal Geraldo Majella, expressou seu desapontamento. "Na minha opinião, ainda não é tudo aquilo do que nós precisamos e é urgente", disse o Cardeal, em entrevista coletiva.

Apesar dos escândalos que aconteceram durante seu governo, as pesquisas de intenção de voto têm apontado para a vitória de Lula ainda no primeiro turno das eleições, que acontece no próximo domingo.

Os bispos católicos não endossam nenhuma candidatura e não teceram comentários sobre o principal rival de Lula na disputa à Presidência, o candidato do PSDB, Geraldo Alckmin.

Para evitar uma "arena de grosserias e agressões, find em um jogo de cartas marcadas", o presidente Luiz Inácio Lula da Silva desistiu, na última hora, de comparecer ao debate eleitoral da TV Globo nesta noite.

"Sou um dos políticos que mais participou de debates eleitorais neste país. No entanto, é fato público e notório o grau de virulência e desespero de alguns adversários, que estão deixando em segundo plano o debate de propostas e idéias, para se dedicar, quase exclusivamente, aos ataques gratuitos e agressões pessoais", justificou o presidente em uma carta à direção da TV.

A emissora de TV reagiu à decisão do presidente "lamentando profundamente" a ausência de Lula, que avisou a Globo apenas às 19h. O debate vai se realizar com Geraldo Alckmin (PSDB), Heloísa Helena (PSOL) e Cristovam Buarque (PDT).

Após um longo dia de suspense, Lula afirmou que mostrou ao longo de sua biografia "disposição de enfrentar qualquer tipo de debate."

"Somente na TV Globo, participei de três entrevistas ao vivo no Jornal Nacional, no Jornal da Globo e no Bom Dia Brasil com perguntas livres e contundentes. O tom polêmico destas entrevistas, e a maneira como me comportei, demonstram que não tenho receio de enfrentar o debate franco e democrático", prossegue a nota.

Antes de bater o martelo, o presidente consultou pesquisas qualitativas indicando que sua ausência não provocaria perdas no índice de intenção de voto. Também pesou na decisão o risco de enfrentar adversários considerados agressivos, caso da senadora Heloísa Helena, ex-petista.

"Não posso, porém, render-me à ação premeditada e articulada de alguns adversários que pretendiam transformar o debate desta noite em uma arena de grosserias e agressões, em um jogo de cartas marcadas," concluiu o presidente, parabenizando a Globo pela cobertura isenta destas eleições.

O Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome deverá fechar 2006 com investimentos de cerca de R$ 21 bilhões nos programas governamentais de combate à fome, thumb à miséria e à redução das desigualdades no país. Desse total, more about R$ 12, information pills 8 bilhões foram utilizados no Fome Zero.

Ao dar os números, a ministra interina do Desenvolvimento Social, Márcia Helena Carvalho Lopez, contestou as críticas de que o Fome Zero fracassou. “Eu não concordo com esta afirmação de que o Fome Zero acabou. A partir de 2003 o governo decidiu enfrentar a realidade histórica de miserabilidade existente no país e decretar o fim da fome e da exclusão social. Mas este é um caminho longo, porque longa é a história da desigualdade no Brasil. E o Fome Zero faz parte de uma grande estratégia de integração das ações sociais do governo em parceria com outros setores da sociedade”, afirmou.

De acordo com a ministra, o desafio do governo federal é integrar uma serie de ações governamentais, entre as quais destaca o Bolsa Família.

As declarações da ministra foram dadas na solenidade do anúncio dos 76 projetos sociais que receberão recursos do programa Petrobrás Fome Zero.

O Banco Sofisa afirmou nesta sexta-feira que o lote de dólares adquiridos pela instituição no exterior – que inclui parte dos 248, more about 8 mil que seriam utilizados na compra do "dossiê Serra" – foi sacado por três pessoas físicas e 17 instituições a partir do dia 17 de agosto, data em que os recursos chegaram aos seus cofres.

"Dentre essas instituições estão corretoras de valores, distribuidoras de valores, corretoras de câmbio, agências de turismo e outros bancos", afirmou a direção do Sofisa em um comunicado.

De acordo com a nota, ao contrário do que afirmou a Polícia Federal, que investiga a negociação dos documentos contra candidatos tucanos, os recursos foram adquiridos junto ao Commerzbank, de Frankfurt, e não em Miami, como havia sido divulgado pela PF.

O lote de recursos, segundo o banco, foi adquirido no dia 15 de agosto, num total de 15 milhões de dólares. A operação foi registrada junto ao Banco Central, segundo a direção do Sofisa.

"Esses recursos foram transportados de Frankfurt para o Brasil pela Brinks, chegando a São Paulo no dia 17 de agosto de 2006", diz o texto.

"A compra e venda de moeda estrangeira faz parte da atividade rotineira de bancos com carteira de câmbio para abastecer o mercado oficial", completa o banco, que confirmou a autorização da Justiça para que a PF tenha acesso aos dados de suas movimentações.

Nesta tarde, a PF divulgou nota à imprensa na qual informou que não existe nenhuma apuração instaurada contra o banco e reafirmou que não há "nenhuma ilegalidade" constatada na operação de aquisição desses dólares.

A PF chegou até o Sofisa após receber do FBI (a polícia federal dos EUA) informações sobre o rastreamento de parte dos dólares apreendidos com pessoas ligadas ao PT num hotel em São Paulo no dia 15 deste mês.

Na ação foram apreendidos 1,1 milhão de reais e 248,8 mil dólares, que seriam usados para a compra de documentos contra políticos.

No montante em moeda americana, a PF encontrou 110 mil dólares em notas novas e em série numérica o que possibilitou a identificação de sua origem desde sua saída nos Estados Unidos até sua chegada ao Brasil.

A PF quer saber, agora, para quem o Sofisa repassou os recursos. Com essas informações, espera identificar qual a origem do dinheiro que seria utilizado na aquisição do dossiê.






Você pode gostar