Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Política & Poder

55% veem alguma chance de ocorrer fraude nas eleições, diz Datafolha

A investida contra o sistema eleitoral por Bolsonaro começou com a defesa do voto impresso, derrotada no Congresso

Por FolhaPress 27/05/2022 6h12
Foto: Reprodução/Agência Brasil

Joelmir Tavares
São Paulo, SP

A insinuação do presidente Jair Bolsonaro (PL) de que pode haver fraude nas eleições associada a falhas de segurança no sistema de votação é endossada de alguma maneira por 55% da população, segundo a pesquisa Datafolha realizada nesta semana.

Para 34%, há muita chance de que o pleito deste ano seja fraudado. Outra parcela de 21% responde existir um pouco de chance. Por outro lado, 43% dos entrevistados acreditam ser nulo esse risco, e 2% não sabem ou não opinaram.

O levantamento foi feito com 2.556 eleitores acima dos 16 anos em 181 cidades de todo o país, na quarta (25) e quinta-feira (26). A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou menos. A pesquisa, contratada pela Folha, está registrada no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) sob o número BR-05166/2022.

Antes de serem questionados sobre a hipótese de haver fraude, os entrevistados foram lembrados pelos pesquisadores da informação de que Bolsonaro costuma questionar a integridade do sistema eleitoral e ventilar a possibilidade de problemas. Ele, contudo, não apresenta provas.

A suspeição criada pelo mandatário é um dos elementos de sua campanha à reeleição, o que enseja o temor de que ele possa refutar o resultado caso saia derrotado. Bolsonaro está em segundo lugar no placar de intenções de voto, com 27%, atrás do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), com 48%.

A concordância com a ilação sobre fraude é maior do que a média quando considerados somente os que declaram voto no atual presidente. Dentro desse grupo, 60% dizem haver muita chance de isso acontecer e 21% respondem haver algum risco, totalizando 81%. Para 16%, não existe essa possibilidade.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Entre eleitores de Lula, a maioria (57%) descarta a situação, enquanto 21% veem muito perigo e 20% enxergam alguma possibilidade, perfazendo um total de 41% de receosos diante do sistema eleitoral. Nos recortes dos dois presidenciáveis, a taxa dos que não sabem é de 2%.

Na população geral, segundo a amostragem da pesquisa, a tese de vulnerabilidade encontra maior adesão em estratos nos quais o presidente possui maior vantagem até aqui em intenções de voto.

A afirmação de que há muito risco alcança 62% entre os que acham o governo Bolsonaro ótimo ou bom, 49% entre empresários, 44% entre moradores da região Centro-Oeste, 43% entre pessoas com renda familiar acima de dez salários mínimos e 43% entre evangélicos.

No recorte por gêneros, a ideia de que a chance de fraude é alta chega a 35% entre homens e a 33% entre as mulheres. A de que é média obtém, respectivamente, 17% e 24%. E a de que é nula vai a 47% e 40%, respectivamente.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Quando observado o nível de escolaridade, a maior rejeição à suspeita de falha está na faixa dos que possuem ensino superior: 54% dizem não acreditarem em manipulações. Entre quem tem o fundamental, é maior a proporção dos que não veem perigo (43%) do que os que enxergam risco alto (34%).

Bolsonaro deu nesta quinta-feira (26) mais uma demonstração de que não se compromete em aceitar o resultado das eleições, ao responder evasivamente a essa pergunta durante entrevista em Brasília.

Questionado se pode assegurar que respeitará a contagem das urnas eletrônicas, mesmo que não seja reeleito, ele disse apenas: “Democraticamente, eu espero eleições limpas”.

Nas últimas semanas, o presidente fez diversas insinuações golpistas em relação ao sistema eleitoral brasileiro, enquanto ministros do TSE e do STF (Supremo Tribunal Federal) deram respostas duras às ilações do chefe do Executivo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

No início deste mês, Bolsonaro afirmou que uma empresa será contratada por seu partido, o PL, para fazer uma auditoria privada das eleições deste ano. E sugeriu, em tom de ameaça, que os resultados da análise podem complicar o TSE se a tal firma constatar que é “impossível auditar o processo”.

Também nesta quinta, Bolsonaro disse que desconfiar das urnas e do sistema eleitoral é um direito dele. Rebateu ainda declaração do ministro do Supremo Alexandre de Moraes, que assumirá o comando do TSE em agosto e estará à frente da corte durante o processo eleitoral.

“Da minha parte, você não vê ataques. Agora, desconfiar é um direito meu. Estou num país democrático. Por que o senhor Moraes diz que o candidato que porventura duvidar da urna eletrônica terá o registro cassado e preso? Quem ele pensa que é?”, afirmou.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A investida contra o sistema eleitoral por Bolsonaro começou com a defesa do voto impresso, derrotada no Congresso. Depois, o presidente aproveitou o convite da corte eleitoral para as Forças Armadas integrarem a Comissão de Transparência das Eleições para elevar o tom contra o tribunal.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Testes públicos do sistema de votação feitos no início deste mês pelo TSE não encontraram vulnerabilidades, segundo o órgão. Os estudos, que incluíram simulações de ataques hackers, concluíram pela inexistência de brechas que possam atrapalhar o pleito deste ano.

A pesquisa Datafolha também mostrou que a confiança do brasileiro nas urnas eletrônicas, em meio à ofensiva de Bolsonaro, caiu desde março, mas ainda é majoritária na população. No total, 73% responderam que confiam no sistema, enquanto 24% afirmam não confiar e outros 2% não sabem.








Você pode gostar