Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Mundo

Votação acaba na Argentina, e país aguarda resultado de eleição histórica

Pleito se deu de forma tranquila, com acusações pontuais de problemas em cédulas de votação dos dois lados

Apoiadores de Javier Milei aguardam em frente ao local de votação do candidato em Buenos Aires – Luis Robayo/AFP

JÚLIA BARBON

BUENOS AIRES, ARGENTINA (FOLHAPRESS)

O relógio bateu 18h, as urnas se fecharam, e a Argentina aguarda o resultado de sua eleição histórica entre o ultraliberal Javier Milei e o peronista Sergio Massa. No geral, a votação se deu de forma tranquila em todo o país, com algumas acusações pontuais de problemas nas cédulas de papel de ambos os lados.

Os resultados parciais começarão a ser divulgados a partir das 21h, no site oficial da Direção Nacional Eleitoral (Dine).

Até as 18h, a participação divulgada foi de 76% dos eleitores registrados, mas o número ainda pode mudar com o término da contagem. Caso se confirme, essa seria a menor cifra das últimas quatro décadas de democracia, completados neste ano. O número também está abaixo dos índices registrados no primeiro turno em outubro (77%) e das eleições primárias em agosto (69%).

Os dois candidatos votaram rodeados de apoiadores e jornalistas por volta do meio-dia. Sergio Massa foi o primeiro. Em Tigre, cidade vizinha a Buenos Aires da qual foi prefeito, falou em uma “nova etapa”. “Essa etapa requer, além de boa vontade, inteligência e capacidade, o diálogo e o consenso necessários para que nosso país percorra um caminho muito mais virtuoso”, afirmou.

Já Milei votou no bairro de Almagro, na capital, e contou com uma segurança reforçada que evitou a confusão registrada no primeiro turno, quando houve empurra-empurra, bate-boca com jornalistas e cantos de “Parabéns para Você”, já que naquele dia ele completava 53 anos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ele disse que estava satisfeito, “apesar da campanha do medo e de toda a campanha suja que fizeram contra nós”. “Esperemos que para amanhã haja mais esperança, e não tanta continuidade e decadência. Que hoje à noite tenhamos um novo presidente eleito”, acrescentou ele, em meio a fogos de artifício e um pequeno protesto de apoiadores rivais.

Depois que sua coalizão política apontou supostas fraudes no sistema eleitoral do país na última semana, sem apresentar provas numa denúncia formal, ele afirmou que os fiscais que o apoiam estavam conseguindo repor as cédulas de votação nas urnas. “Pode ser que faltem cédulas, mas porque estão nas urnas”, disse Milei.

A votação na Argentina funciona com cédulas de papel, uma para cada candidato ou chapa. O eleitor escolhe uma delas e a deposita na urna. O país tem historicamente acusações de furtos de papéis de um lado ou do outro, mas isso normalmente é fiscalizado por integrantes dos partidos e não ocorre numa dimensão que comprometa os resultados.

Neste domingo, representantes das campanhas dos dois candidatos mencionaram problemas com as cédulas. A irmã de Milei e chefe de sua campanha, Karina Milei, disse à Justiça Eleitoral que em alguns locais das províncias de Buenos Aires e de Chaco, no norte do país, estavam sendo usadas boletas das eleições primárias.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Já Malena Galmarini, esposa de Massa, afirmou que foram encontradas papeletas rasgadas. Ambos os lados pediram que as cédulas com problemas sejam consideradas válidas. Tentando tranquilizar a população, o responsável pela Câmara Nacional

Eleitoral, Sebastián Schimmel, respondeu em entrevistas que “quando o conteúdo [do voto] é inequívoco, é considerado válido”.






Você pode gostar