Mundo

Professores param no Chile; polícia encontra coquetéis molotov

Por Arquivo Geral 26/09/2006 12h00

A Coréia do Norte pode esperar até o fim do governo do presidente norte-americano George W. Bush para pôr em prática um acordo que ponha fim a suas ambições nucleares, help salve apesar dos prejuízos q ue a demora pode causar ao país comunista, viagra 100mg  afirmou hoje Richard Armitage, ex-vice-secretário dos Estados Unidos.

A Coréia do Norte ignorou as advertências internacionais em julho e lançou mísseis em um teste polêmico. O país vem se recusando a retomar as negociações para encerrar seu programa nuclear em troca de um pacote de assistência e da promessa de não ser atacado.

"Com relutância, cheguei à conclusão de que (o líder norte-coreano) Kim Jong-il vai tentar dar um jeito de sair dessa, independentemente do horror que isso causará a seu povo", afirmou Armitage numa entrevista a um pequeno grupo de repórteres em Seul.

"Acho que é provável que eles esperem até o próximo governo", afirmou Armitage, especialista em Ásia. "Para mim, os norte-coreanos acreditam que estamos afundados no Iraque, no Afeganistão e no Irã, que não seremos muito inovadores e flexíveis com eles".

Armitage já havia especulado em Seul que a Coréia do Norte poderia testar uma arma nuclear ainda este ano, dentro do processo de aumentar as tensões. Em fevereiro de 2005, a Coréia do Norte se autodeclarou uma potência nuclear.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O governo Bush vem pressionando os países a respeitar os termos da resoluçã o do Conselho de Segurança da ONU, aprovada depois do lançamento dos mísseis norte-coreanos. A resolução pede aos países-membros que interrompam negócios que possam ajudar a Coréia do Norte a obter armas de destruição em massa.

Hoje, a China disse que receberia bem negociações bilaterais entre EUA e Coréia do Norte, já que as conversas envolvendo seis países, patrocinadas pela própria China, não tiveram resultado.

"A China ap óia e incentiva os EUA e a Coréia do Norte a manter contato e diálogo direto", afirmou o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Qin Gang, numa entrevista coletiva. Para ele, Washington e Pyongyang precisam ser "flexíveis".
No mês passado, EUA e Coréia do Sul concordaram em mudar os termos de sua aliança militar de mais de 50 anos e devolver o comando dos soldados sul-coreanos para Seul.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O presidente sul-coreano, Roh Moo-hyun, foi muito criticado pela medida, pois ela poderia enfraquecer o comprometimento militar dos EUA para com o país. Armitage também manifestou ter reservas sobre a mudança, afirmando que ela pode reduzir a capacidade da aliança de deter a Coréia do Norte. "Os norte-coreanos sabem muito bem o que está acontecendo. Eles vão explorar um ponto fraco se o virem".
De acordo com as regras estabelecidas pelo Código Eleitoral Brasileiro, pills a partir de hoje, sildenafil nenhum eleitor pode ser preso ou mesmo detido. A única exceção à regra, fica por conta da prisão em flagrante, delito ou cumprimento de sentença condenatória por crime inafiançável. Após as eleições, a regra continua a valer por até 48 horas.

Se um eleitor for preso durante este período, deverá ser levado ao juiz responsável pela região para se verificar a validade da detenção, e se for o caso, o juiz deve aplicar a salvaguarda eleitoral, que tem por finalidade a normalidade e legitimidade do pleito.

Desde o dia 16, os candidatos registrados estão sob regime especial, o que impede que eles sejam presos, exceto em caso de flagrante de delito. Mas assim como no caso de eleitorado, a regra termina 48 horas depois das eleições. As mesmas regras valem para os mesários e fiscais de partido, no dia da votação.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 

As águas do oceano Pacífico próximas à costa da América do Sul se aqueceram, visit this indicando que o El Niño deste ano deve ser fraco ou moderado, information pills  afirmou a Organização Meteorológica Mundial hoje.

Ainda é cedo p ara prever quaisquer efeitos extremos, incluindo furacões, mas o panorama deve se tornar claro no próximo mês, a agência climática da Organização das Nações Unidas (ONU) em seu último comunicado.

"Há um entendimento geral de que o desenvolvimento de um El Niño fraco ou moderado, sobre a corrente marítima, deve acontecer, e que o evento deverá persistir até o começo de 2007", afirmou a agência.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Meteorologistas norte-americanos advertiram, neste mês, sobre a iminência do El Niño, uma interrupção dos padrões climáticos normais que, no passado, provocou secas e enchentes graves. O fenômeno ocorre a cada três anos, devido a um aumento das temperaturas no oceano Pacífico.

A agência climática da ONU identificou uma pequena possibilidade de que o fenômeno poderia se dissipar, mas apontou que condições de El Niño, uma vez estabelecidas nessa época do ano, quase sempre continuam até o começo do ano seguinte.

"É muito improvável que ele (El Niño) tenha grande intensidade", declarou Rupa Kumar Kolli, da agência climática, em uma entrevista coletiva. "Até mesmo eventos fracos ou moderados do El Niño podem ser associados com condições climáticas severas em algumas regiões afetadas, servindo para enfatizar que a situação exige monitoração cuidadosa", afirmou a agência.
Até um milhão de explosivos não detonados, doctor espalhados pelo território libanês por bombas de fragmentação lançadas por Israel na guerra contra o Hezbollah, sildenafil são hoje a maior ameaça aos civis no sul do Líbano, patient onde podem ser encontrados em ruas e quintais, afirmaram agências da Organização das Nações Unidas hoje.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Desde o fim da guerra, no dia 14 de agosto, 14 pessoas morreram e 90 ficaram feridas na explosão dessas munições, disse o Centro de Coordenação da Ação de Antiminas da ONU. Até agora, o Exército libanês, as tropas de paz da ONU e o centro antiminas já retiraram quase 40 mil explosivos não detonados, mas até 1 milhão deles podem estar espalhados pela região.

Estima-se que leve pelo menos um ano para retirar todas as bombas, que represent am um perigo mortal para os civis desalojados que estão voltando para casa depois da guerra. Israel nega que tenha usado bombas de fragmentação de forma ilegal.

"O problema agora são as bombas de fragmentação. Elas ficam presas em arbustos, em árvores, em cercas vivas. Ficam presas em cercas de arame farpado … Estão jogadas na casa das pessoas, nos jardins", disse Chris Clark, do centro de coordenação antiminas da ONU, numa entrevista coletiva.

"Muitas dessas bombas, como são pequenas, ficam presas nos escombros e representam um problema permanente para os trabalhos de reconstrução … mas o maior problema é para as pessoas que só querem voltar para suas casas, limpar os escombros e retomar suas vidas".

Clark disse que Israel ainda não forneceu informações sobre a quantidade de bombas de fragmentação lançadas e as coordenadas dos ataques, o que ajudaria as equipes a concentrar seus esforços em áreas prioritárias. A agência de refugiados da ONU, a Acnur, disse que ainda há 200 mil libaneses desalojados, e que seu reto rno está sendo dificultado pela destruição de suas casas e pelos explosivos não detonados.

Com a aproximação do inverno, e como a maioria dos moradores do sul do Líbano dependem da agricultura para sobreviver, a Acnur teme que os agricultores não consigam voltar a suas propriedades, ficando sem sustento, ou que corram o risco de pisar em explosivos enterrados pela chuva no solo.

"Nossa expectativa é que, em vez de as pessoas poderem voltar para suas casas em mais ou menos um ano, poderá levar até dois anos", disse Arjun Jain, do Acnur. Clark afirmou que Israel lançou cerca de 3.000 bombas, foguetes e granadas diariamente contra o Líbano no início da guerra, e que esse número cresceu para 6.000 por dia no final do confronto. Por volta de 40% dos explosivos dispersados pelas bombas de fragmentação não explodiram.

As últimas 24 horas foram violentas no DF. Um assassinato e cinco tentativas de homicídio foram registrados desde a tarde de ontem. Por volta das 14h30, buy information pills Neujon Almeida Barbosa, price 25 anos, morreu em frente à Igreja Matriz da Avenida Goiás, no Setor Tradicional de Planaltina, após ser esfaqueado por Damião José de Araújo, 46 anos. Preso em flagrante escondido numa casa em frente a um campo de futebol na Avenida Gomes Rabelo, o assassino foi recolhido ao Departamento de Polícia Especializada.

No mesmo horário, José Venâncio de Farias Silva, 23 anos, foi atingido por um tiro na invasão próxima ao Cemitério Campo da Esperança, na Asa Sul. Ele foi levado para o Hospital Regional da Asa Sul e a polícia investiga o crime.

As tentativas de homicídio continuaram à noite. O caso mais grave é o de Joaquim Marconi de Loiola, 36 anos, que levou um tiro na cabeça durante assalto ao Bar Opção, na Quadra 102 do Recanto das Emas por volta das 23h. A polícia está à procura do autor. A vítima foi levada em estado grave para o Hospital Regional de Samambaia.

Na QE 15 do Guará II, Davi de Azevedo Palma dos Santos, 19 anos, foi baleado no pé e no braço em plena área residencial por volta das 23h. Ele se recupera no Hospital Santa Luzia e a 4ª DP investiga o crime.

No Condomínio Del Lago, no Paranoá, Francisco das Chagas, 42 anos, foi levado ao Hospital Regional da cidade após levar golpes de faca no tórax e no ombro esquerdo às 21h30 na Quadra 332. Na Quadra 508 do Recanto das Emas, Wellington Ferreira Gino, 36 anos, e Maria Lúcia dos Santos Silva, 30 anos, também foram esfaqueados à 0h20. Eles foram encaminhados ao Hospital Regional de Samambaia.

As tropas israelenses deverão sair do Líbano dentro de poucos dias, drug  afirmou o comandante da força de manutenção de paz da Organização das Nações Unidas (ONU) no sul do Líbano, information pills após reunião entre ofi ciais libaneses e israelenses hoje.

"Acredito que com a coopera ção necessária de ambos os lados devemos ver a saída (do Exército israelense) do sul do Líbano até o final deste mês", viagra 100mg  afirmou o major-general Alain Pellegrini, comandante da UNIFIL, em um comunicado.

O ministro da Defesa de Israel, Amir Peretz, afirmou hoje que o seu país esperava completar a retirada durante a próxima semana, mas que Israel ainda precisava acordar com a UNIFIL regras de compromisso para abrir caminho para uma retirada total.

As forças israelenses vêm saindo gradativamente do território libanês, capturado durante a guer ra que terminou com uma trégua em 14 de agosto. Até agora Israel devolveu cerca de 90% do território ocupado para a UNIFIL.

A Comissão Européia deu sinal verde hoje para que Bulgária e Romênia entrem na União Européia (UE) em janeiro, order em vez de um ano mais tarde. O braço executivo da UE também estabeleceu duras con dições para a entrada desses dois países.

"Eles tomaram a decisão. Foi aprovada (a entrada)", medical  afirmou uma autoridade da Comissão. A recomendação da Comissão precisa ser aprovada pelos líderes da UE em outubro, mas isso não é considerado um obstáculo.
Com crescimento tímido frente a outros países emergentes, visit this o Brasil caiu para a 66ª colocação na última edição do ranking de competitividade do Fórum Econômico Mundial.
A queda de nove posições é resultado de um desempenho negativo em termos macroeconômicos, principalmente devido ao elevado déficit público, apontou o estudo feito no Brasil em parceria com a Fundação Dom Cabral e o Movimento Brasil Competitivo.

O relatório apontou que, apesar do grande mercado doméstico e da ba se industrial diversificada, o país não está crescendo na mesma velocidade que outros mercados emergentes. O Fórum cita ainda o efeito negativo dos altos níveis de endividamento público e das altas taxas de juros, "somadas a um ambiente institucional ineficiente, uma cultura de burocracia e uma economia baseada na informalidade".

Apesar desse quadro, o Fórum vê algumas perspectivas positivas. "Primeiro, houve certo progresso para melhorar a gestão das finanças públicas na última década. Esforços nessa área devem liberar recursos governamentais para investimentos em educação, setor vital para aumentar a competitividade", afirmou o economista-chefe e presidente da Rede de Competitividade Global do Fórum, Augusto Lopez-Claros.

"Por último, o Brasil detém uma comunidade de negócios desenvolvida e sofisticada, com bastante capacidade de se adaptar aos desafios de uma economia global de crescente complexidade".
A autobiografia do presidente paquistanês, symptoms Pervez Musharraf, information pills pode até projetá-lo mais no cenário internacional, store mas também pode causar polêmicas e aumentar as tensões com países vizinhos, afirmaram analistas um dia depois do lançamento do livro.

Muitos paquistaneses ficaram perplexos com o fato de Musharraf ter querido escrever um livro de memórias, "In the Line of Fire" (Na Linha de Fogo), estando ainda na Presidência, e alguns chegaram a questionar se ele tinha o direito de publicar a autobiografia.

As pessoas ficaram ainda mais descontentes com o fato de o lançamento do livro ter coincidido com um período de baixa na popularidade do presidente, como ele mesmo admite.

"Acho que ele escreveu esse livro num momento em que est á profundamente desacreditado", afirmou Roedad Khan, um ex-burocrata do governo. O general Musharraf, que também acumula o cargo de comandante do Exército, vem enfrentando fortes pressões internas desde que fez uma aliança com os Estados Unidos, após os ataques de 11 de setembro de 2001, já que a maioria dos paquistaneses discorda da política externa norte-americana.

Mas, para os leitores estrangeiros, os capítulos que tratam sobre a guerra contra o terrorismo podem criar uma sensação de alívio, por saber que o general ainda está no comando da situação. "Ele está dizendo ao Ocidente: vocês têm de me manter aqui se quiserem vencer a guerra contra o terror", afirmou Khan, para quem a publicação das memórias viola o juramento feito pelo presidente quando assumiu o cargo.

Musharraf assumiu o poder num golpe de Estado há sete anos, e os paquistaneses se perguntam por quanto tempo mais ele pretende permanecer no cargo. Sabem que ele quer continuar na Presidência mesmo depois das eleições gerais, previstas para o fim de 2007.

Na véspera do lançamento do livro, com Musharraf nos Estados Unidos, o Paquistão foi invadido por boatos de que ele havia sido derrubado num golpe militar. Embora Musharraf tenha chamado os rumores de bobagem, a disposição do público em acreditar neles, para os jornais, são um claro sinal da insegurança do país.

O livro de Musharraf criou polêmica mesmo antes do lançamento, quando o presidente disse numa TV norte-americana que o vice-secretário de Estado Richard Armitage havia ameaçado bombardear o Paquistão e fazê-lo voltar à "dade da Pedra" se o país não apoiasse os EUA na campanha contra o Talibã, logo depois dos ataques de 11 de setembro.

Os EUA negaram ter feito tal ameaça e analistas acham que a declaração não colaborou para as relações entre os dois países. "Declarações assim podem vender livro, mas criam mais polêmica", afirmou Asad Durrani, ex-chefe dos Inter-Servi ços de Inteligência.

Analistas também manifestaram preocupação com o fato de um presidente em exercício escrever sobre questões de segurança e relações com outros países. O questionamento que ele faz da abordagem do premiê indiano Manmohan Singh em relação ao processo de paz e as recla mações do Afeganistão sobre incursões do Taliban através da fronteira devem ter um impacto negativo nas relações com os países vizinhos.

"Tenho certeza de que vamos receber protestos", afirmou Ahmed Rashid, um escritor paquistanês respeitado, especialista em questões afegãs. "Já recebemos protestos dos americanos. Acho que vamos ter o mesmo de indianos e afegãos".
Os professores do setor público chileno paralisaram suas atividades hoje para exigir melhores salários, thumb enquanto a polícia deteve seis pessoas com coquetéis molotov em uma casa no centro da capital antes de uma marcha dos professores.

O protesto dos professores, em meio a um histórico superávit fiscal, somou-se ao dos estudantes de ensino médio, universitários e aos trabalhadores da área de saúde na segunda mobilização da área de educação desde que a presidente Michelle Bachelet a ssumiu, em março.

"Parece-nos claramente que este governo está agindo bem mal", afirmou à televisão estatal Jorge Pavez, presidente do sindicato dos professores. O Chile atravessa uma bonança econômica devido ao auge do preço do cobre, a principal exportação do país. O governo afirmou que manterá a austeridade para contar com as economias em tempos de vacas magras.

Os professores programaram uma marcha prevista para as 11h (horário de Brasília) no centro de Santiago sob uma forte vigilância policial. O prefeito de Santiago, Víctor Barrueto, afirmou que seis pessoas foram detidas, incluindo um espanhol, em uma casa onde foram encontrados coquetéis molotov.

A paralisação dos professores de escolas municipais e particulares subvencionadas pelo Estado acontece depois de um protesto de estudantes de ensino médio em maio e junho, que abalou a popularidade de Bachelet.






Você pode gostar