Mundo

Presidente da Argentina é o primeiro líder a ser imunizado na América Latina

As primeiras 200 mil doses da vacina importadas pela Argentina já foram aplicadas em funcionários do sistema de saúde público

Sylvia Colombo
Buenos Aires, Argentina

O presidente argentino, Alberto Fernández, tomou nesta quinta-feira (21) a primeira dose da vacina russa Sputnik V, no hospital Posadas, em Buenos Aires. Ele foi o primeiro mandatário a começar a imunização contra o coronavírus na América Latina.

As primeiras 200 mil doses da vacina importadas pela Argentina já foram aplicadas em funcionários do sistema de saúde público. A fase inicial da vacinação, que começou em 29 de dezembro, atendeu também a alguns políticos com menos de 60 anos –segundo o governo, para dar exemplo sobre a importância da vacinação.

A lista inclui, por exemplo, o governador da província de Buenos Aires, Axel Kicillof, que tem 49 anos e tomou as duas doses do medicamento.

O recorte de idade foi feito porque a Anmat (a agência argentina equivalente à Anvisa) ainda não tinha recomendado o imunizante russo para a população com mais de 60 anos –havia dúvidas sobre possíveis efeitos colaterais nessa faixa etária.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Fernández, que tem 61, ficou de fora da primeira leva. Nesta semana, por fim, a Anmat autorizou a aplicação emergencial da Sputnik V também nos mais velhos.

Segundo a agência, a vacina russa mostrou eficácia de 92% entre a população com mais de 60 anos e de 98% entre os mais jovens, nas quatro semanas de aplicação no país.

O governo argentino comprou 20 milhões de doses da Sputnik V junto ao Instituto Gamaleya. A próxima leva, que deve ser retirada em Moscou nos próximos dias, soma mais 5 milhões de doses.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A Argentina tem acordos ainda a Universidade de Oxford (em parceria com a AstraZeneca) e com o consórcio Covax Facility. Essas vacinas, no entanto, ainda não têm data para chegar.

Depois de tomar a vacina, usando máscara, o presidente argentino publicou no Twitter um agradecimento ao Instituto Gamaleya, “àqueles que trabalharam para que a vacina chegue a nós e a todo o pessoal de saúde por seu enorme compromisso”. “Vamos nos vacinar”, escreveu.

Mais de 46 mil pessoas morreram na Argentina em decorrência da Covid-19, segundo dados da Universidade Johns Hopkins. E pelo menos 1,8 milhões de casos foram confirmados.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

FolhaPress






Você pode gostar