Mundo

López Obrador não esclarece se acatará decisão no México

Por Arquivo Geral 10/07/2006 12h00

A cúpula da polícia de São Paulo negociou com os líderes do PCC no início da onda de rebeliões e ataques promovida pela facção criminosa no início de maio. De acordo com o jornal Folha de S.Paulo, sick this no dia em que começaram os primeiros levantes, story Marcos Willians Herbas Camacho, o Marcola, esteve reunido com o diretor do Departamento de Investigações sobre Crime Organizado (Deic), Godofredo Bittencourt.

O encontro foi relatado por Marcola a deputados da CPI do Tráfico de Armas em 8 de junho, em depoimento na penitenciária de segurança máxima de Presidente Bernardes (SP). Na reunião, ocorrida em 12 de maio e testemunhada por outras autoridades policiais, o líder do PCC teria comunicado a Godofredo que acabaria com a série de ataques e motins se as autoridades paulistas atendessem a reivindicações simples, como comida, cobertores e banho de sol para os 765 presos transferidos na véspera para a penitenciária de Presidente Venceslau, no interior do estado.

De acordo com o jornal, o diretor do Deic concordou com os pedidos, mas o então secretário de Administração Penitenciária de São Paulo, Nagashi Furukawa, não fez concessões, o que provocou o acirramento das rebeliões e dos ataques. Naquela altura, havia apenas dois presídios rebelados no estado (Iaras e Araraquara) e quatro policiais mortos.

Somente dois dias depois da negociação fracassada, as autoridades policiais paulistas se renderam e voltaram a reunir-se com Marcola, levando, em um avião do estado a advogada Iracema Vasciaveo para Presidente Bernardes. Na ocasião, o número de mortos havia subido para 52 e o total de unidades rebeladas era de 57. O encontro resultou no fim da onda de ataques no estado.

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O presidente dos Estados Unidos, order George W. Bush, anunciou hoje a aprovação de um plano de US$ 80 milhões para promover uma mudança democrática em Cuba. O dinheiro se destinará a financiar comunicações para que os cubanos tenham acesso a informações "censuradas" e a fortalecer "movimentos democráticos" na ilha caribenha. 

"Hoje aprovei um segundo relatório da Comissão de Assistência para uma Cuba Livre", disse Bush em um comunicado. No relatório, a Comissão, presidida pela secretária de Estado, Condoleezza Rice, também pediu que Bush rastreasse o destino de exportações-chave cubanas para assegurar o embargo econômico sobre a ilha.

Além disso, o organismo recomendou proibir o envio de remessas dos EUA à Cuba, por meio de outros países, e criar um grupo de trabalho para aplicar melhor as sanções econômicas já existentes.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cuba considerou o documento uma "agressão" e assegurou que pode se tratar do prenúncio de uma invasão militar. "O relatório demonstra que estamos ativamente trabalhando para a mudança em Cuba, não simplesmente esperando uma mudança. Eu chamo nossos amigos democratas e aliados ao redor do mundo para que se juntem a nós para apoiar a liberdade para o povo cubano", disse Bush no comunicado.

 

Khaled Meshaal, view líder do Hamas no exílio, disse hoje que a única maneira de Israel recuperar um cabo israelense sequestrado é libertando prisioneiros palestinos. Ele também disse que a campanha militar do Estado judaico na Faixa de Gaza é inútil.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Líderes israelenses ameaçaram matar Meshaal, que concedeu uma rara entrevista coletiva em um hotel de Damasco em meio a um forte aparato de segurança. O líder palestino sobreviveu a uma tentativa de assassinato rea lizada por Israel em 1997, na Jordânia.

"Nosso povo está unido a respeito da exigência de uma troca do soldado capturado por prisioneiros mantidos nas prisões do inimigo sionista", afirmou Meshaal, aparecendo pela primeira vez em público desde que membros do Hamas e de outros grupos capturaram o soldado, em uma ação realizada no dia 25 de junho.

"Dissemos aos mediadores e aos que fazem os esforços políticos (para colocar fim à crise) que somos favoráveis a lidar com essa questão de forma pacífica e calma. Mas os senhores precisam compreender as necessidades do povo palestino", afirmou o líder, que tem uma barba grisalha. "A solução é simples: troca. Mas Israel rejeita isso. Os mediadores na Europa sabem disso, mas são incompetentes", afirmou.

O primeiro-ministro de Israel, Ehud Olmert, rejeitou hoje as críticas da comunidade internacional sobre a ação militar do Estado judaico na Faixa de Gaza, afirmando que as operações visavam a convencer os militantes a libertar o soldado e a abandonar o lançamento de mísseis contra o território israelense. Segundo Olmert, a ação militar continuaria por tempo indeterminado.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Usando um xale nas cores da bandeira palestina e uma imagem do Domo da Pedra, em Jerusalém, Meshaal disse que a campanha israelense na Faixa de Gaza fracassaria apesar da esmagadora superioridade militar do Estado judaico.

"Vocês (israelenses) querem liquidar o povo palestino e colocá-lo à margem da história. Vocês vão fracassar", afirmou Meshaal. "Nenhum povo jamais foi libertado por possuir um poderio militar igual ou superior ao de seu inimigo. Esses povos venceram porque mostraram vontade e persistência".

Meshaal criticou a comunidade internacional por concentrar sua atenção no militar israelense e não nos esforços para fazer com que Israel interrompa uma investida contra a Faixa de Gaza na qual, segundo disse, teriam sido mortos 47 palestinos e feridos outros 187. "Nosso povo na Faixa de Gaza está à beira de um desastre humanitário e o mundo fica assistindo a isso de braços cruzados. O mundo, por outro lado, mostra-se assustado e pasmado por causa de um soldado israelense. Temos 10 mil prisioneiros (nos presídios israelenses)", disse.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O Estado judaico afirmou que não negociará com o Hamas, atualmente à frente do governo palestino, sobre a libertação do cabo israelense Gilad Shalit. Os grupos militantes que capturaram o militar de 19 anos exigiram que Israel liberte mais de mil prisioneiros palestinos em troca de sua libertação.

 

O Brasil exportou 1, discount 157 milhão de toneladas de carne bovina no primeiro semestre deste ano, symptoms volume praticamente estável ante igual período do ano passado (1, cheap 151 milhão de toneladas), informou hoje a Abiec, entidade que reúne os exportadores.

A receita com as exportações do produto no semestre ficou em US$ 1,71 bilhão, acima do US$ 1,47 bilhão registrado no primeiro semestre de 2005.

Em junho, o Brasil exportou 221,9 mil toneladas de carne, ante 228,3 mil em junho do ano passado. A receita no mês passado ficou em US$ 351,6 milhões, ante US$ 305,8 milhões há um ano.

O Brasil havia registrado forte crescimento nos embarques de carne bovina nos últimos anos, quando assumiu a liderança mundial em volumes neste mercado, mas casos de febre aftosa no fim de 2005 prejudicaram o ritmo das exportações recentemente.

 

A explosão provocada por vazamento de gás que resultou no desabamento de um prédio de três andares hoje em Manhattan, ampoule ferindo 15 pessoas, here  pode ter sido causada por uma malsucedida tentativa de suicídio.

Testemunhas relataram ter ouvido uma explosão ensurdecedora antes de o prédio desabar, explodindo janelas do outro lado da rua. Fumaça saiu dos escombros durante a frenética operação de resgate e continuou a sair horas depois da explosão da manhã. Dez bombeiros e cinco civis ficaram feridos.

"Vi o prédio pegar fogo e falei para minha mulher correr", disse Yaakov Kermaier, um rabino que vive no prédio ao lado. "Corri para salvar meu bebê", acrescentou.

O vazamento de gás pode ter sido o resultado de uma malsucedida tentativa de suicídio, cometida pelo proprietário do prédio, disse a jornalistas o chefe dos bombeiros de Nova York, Nicholas Scoppetta.

O homem foi levado dos escombros em uma maca e hospitalizado com queimaduras graves. Os vizinhos relataram ter sentido um forte cheiro de gás antes da explosão, informou a companhia de gás.

Scoppetta citou um e-mail enviado pelo homem, mas não forneceu maiores detalhes. Meios de comunicação locais informaram que o e-mail dizia que o homem estava pensando em cometer suicídio. A polícia e os bombeiros disseram estar investigando.

"Vi um monte de fumaça, pessoas correndo para todos os lados", disse o apresentador da CNN Larry King, que estava no local por acaso. "Houve um grande estrondo. Pareceu o som de uma bomba, como o dos bombardeios em Londres na Segunda Guerra Mundial."

O prédio de apartamentos, na rua 62, no Upper East Side, em Manhattan, abrigava alguns consultórios médicos. A polícia disse que o edifício desmoronou antes que os pacientes chegassem para consultas matinais.

O Upper East Side é, historicamente, um dos bairros mais caros de Nova York, com diversos prédios luxuosos próximos ao Central Park.

 

A presidente do Conselho Deliberativo do Departamento chileno de Pinto, page Irma Ibáñez, de 58 anos, foi atacada por um garoto de 12 anos em sua própria casa e ficou gravemente ferida.

O ataque aconteceu na madrugada desta quarta-feira, quando, ao ouvir barulhos estranhos em sua casa, onde mora sozinha, Irma se levantou e surpreendida a punhaladas pelo garoto, que dizia ter ordens para matá-la.

O menino havia entrado na casa por uma janela da cozinha e, na tentiva de se livrar dele, Irma ofereceu dinheiro, roupas, mas o garoto não aceitou e a perseguiu pela casa, agredindo-a, no que conseguiu atingi-la no abdômen.

Irma conseguiu fugir do agressor, que foi detido pela polícia local.

Em uma descoberta revolucionária que pode ajudar a combater a infertilidade masculina, viagra cientistas conseguiram dar origem a camundongos usando espermatozóides produzidos em laboratório, order a partir de células-tronco embrionárias.

Eles isolaram células-tronco de embriões de poucos dias, buy selecionaram aquelas que haviam começado a se transformar em precursores de células de espermatozóide e as guiaram pelos vários estágios do desenvolvimento até que elas se parecessem com os gametas.

As células foram injetadas em óvulos de fêmeas de camundongo, e os embriões resultantes foram transplantados para o útero de uma fêmea. Sete filhotes nasceram, e seis cresceram até a idade adulta. "É a primeira vez que se demonstra que é possível produzir espermatozóides a partir de células-tronco", disse o professor Karim Nayernia, que liderou a equipe que realizou o estudo, na Universidade de Gottingen, na Alemanha.

"É a base científica para a compreensão da infertilidade masculina. Antes de tratar qualquer doença temos de entendê-la no nível molecular e genético", acrescentou ele, em entrevista. As células-tronco são células mestras do corpo, capazes de se transformar em todos os tipos de célula. Os cientistas acreditam que elas possam oferecer novos tratamentos para várias doenças.

Seu uso, porém, é polêmico, porque as células-tronco com maior poder de transformação são as encontradas em embriões, que têm de ser destruídos para que elas sejam utilizadas. As células-tronco adultas têm um potencial mais limitado.

O professor John Burn, chefe do Insituto de Genética Humana na Universidade de Newcastle, na Inglaterra, descreveu a pesquisa publicada na revista Developmental Cell como um marco. "É possível imaginar que nos próximos anos o conhecimento obtido com essa análise do caminho do desenvolvimento vai nos levar a novas formas de entender por que alguns homens são inférteis", disse ele.

Cerca de um em cada seis casais sofre alguma forma de infertilidade. Por volta de 40 por cento dos casos estão ligados a fatores masculinos. Baixa contagem de espermatozóides, azoospermia ou defeitos no formato ou no movimento dos gametas provocam a infertilidade masculina.

Nayernia, que hoje está na Universidade de Newcastle, vem trabalhando nessa pesquisa há três anos. Sua equipe criou 400 embriões, mas apenas alguns transformaram-se em camundongos, devido a problemas técnicos e de desenvolvimento.

"É um trabalho importante que se junta a uma série de descobertas que mostram que as células-tronco embrionárias podem gerar espermatozóides e óvulos em laboratório", disse Harry Moore, professor de biologia reprodutiva da Universidade de Sheffield.

 

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), order Kofi Annan, sildenafil disse que gostaria de ver uma mulher assumindo seu lugar no comando da organização. "Devo confessar que, check pessoalmente, ficaria muito satisfeito se depois de 60 anos uma mulher virasse secretária-geral da ONU", disse Annan em uma entrevista publicada hoje no diário alemão General Anzeiger.

"Nós tivemos muitas mulheres notáveis em postos de administração nessa organização, que desempenharam seus trabalhos extremamente bem", disse ele. Annan não tem influência formal sobre o processo de seleção. Atualmente existem quatro nomes na disputa pela cargo e todos eles são de homens. Três deles já foram oficialmente apresentados: o vice-primeiro-ministro da Tailândia, Surakiart Sathirathai; o conselheiro do governo do Sri Lanka e especia lista em desarmamento Jayantha Dhanapala; e o escritor indiano Shashi Tharoor, sub-secretário-geral do Departamento de Informação Pública da ONU.

Seul anunciou que o ministro das Relações Exteriores da Coréia do Sul, Ban Ki-moon, concorreria ao posto, embora seu nome não tenha sido formalmente inscrito. Membros do Conselho de Segurança podem dar início a sondagens informais no fim deste mês para terem uma idéia sobre o apoio que cada um dos candidatos possui, disse o embaixador francês Jean-Marc de la Sablire, que preside o conselho em julho.

O Japão desistiu de colocar em pauta hoje seu plano para a adoção, about it pelo Conselho de Segurança da ONU, de sanções contra a Coréia do Norte.

A desistência aconteceu enquanto várias potências regionais tentam resolver a crise dos mísseis por meio de canais diplomáticos.

A resolução não conta com o apoio da China – maior aliado dos norte-coreanos – e nem com o da Rússia. Os dois países possuem poder de veto no Conselho da ONU.

A Coréia do Sul também argumentou que a imposição de sanções seria ineficiente contra seu vizinho comunista, que provocou críticas mundiais na semana passada ao testar uma série de mísseis.

"O vice-ministro da China viajará para a Coréia do Norte a fim de convencê-los a mudar de postura. Sob tais circunstâncias, não há necessidade de continuarmos pressionando por uma votação no dia 10", afirmou o primeiro-ministro japonês, Junichiro Koizumi.

Uma delegação chinesa, da qual faz parte Wu Dawei, vice-ministro das Relações Exteriores e encarregado das negociações com os norte-coreanos, chegou a Pyongyang hoje para dar início a uma visita de seis dias.

Segundo Koizumi, o Japão ainda continuaria tentando fazer com que o Conselho de Segurança vote sobre a proposta de resolução. O premiê disse que o país era contrário a transformar esse projeto em uma declaração sem efeito de lei, declaração essa que poderia contar com o apoio da China e da Rússia.

"Essa deveria ser uma resolução franca e branca", afirmou.

Koizumi deu essas declarações depois de Christopher Hill, principal enviado norte-americano à Coréia do Norte, ter se reunido com autoridades japonesas.

"Queremos deixar bastante claro que estamos todos falando a mesma língua a respeito dessa ação provocadora realizada pelos norte-coreanos", afirmou Hill.

Segundo o norte-americano, o Japão e os EUA cooperavam de perto. Hill, porém, não se manifestou quando questionado sobre se o país asiático deveria seguir em frente e tentar votar o projeto de sanção hoje.

"A cooperação EUA-Japão nesse assunto é realmente excelente", afirmou o norte-americano.

Rússia e China podem não votar, permitindo que o Conselho de Segurança adote uma resolução. Mas o governo chinês disse que a falta de unanimidade enviaria um sinal fraco para os norte-coreanos.

O chefe de gabinete do governo japonês, Shinzo Abe, afirmou que a China tinha um papel importante a desempenhar na qualidade de anfitriã das negociações realizadas por seis países com o intuito de convencer a Coréia do Norte a abandonar seu programa de armas nucleares. As negociações, das quais participam as duas Coréias, o Japão, a Rússia, a China e os EUA, estão paralisadas desde novembro.

O secretário japonês, conhecido por adotar posturas duras em relação à Coréia do Norte e à China, é o principal candidato na corrida para suceder Koizumi quando este deixar o cargo de premiê, em setembro. O ministro das Relações Exteriores do país, Taro Aso, também participa, com menos chances, da corrida sucessória.

Segundo analistas, a postura dura adotada pelo Japão em relação à Coréia do Norte reflete em parte os esforços dos candidatos para atrair votos dos que defendem a adoção de medidas enérgicas em resposta ao lançamento de mísseis.

Os testes também reacenderam um debate sobre se o governo japonês deveria desenvolver meios de realizar ataques preventivos e se essa manobra violaria a Constituição pacifista do país.

 

O presidente da Polônia, more about o conservador Lech Kaczynski, nomeou seu irmão gêmeo idêntico, Jaroslaw, para o cargo de primeiro-ministro do país, reforçando as preocupações sobre o acúmulo de poder no país e com a inclinação ao nacionalismo.

Numa decisão surpreendente, Jaroslaw, líder do partido governista, o Lei e Justiça, decidiu substituir o então premiê Kazimierz Marcinkiewicz, depois de divergir com ele em relação a nomeações para cargos importantes. A medida, que requer um voto de confiança no Parlamento para que se torne definitiva, fará dos dois irmãos, veteranos do partido anticomunista Solidariedade, os únicos gêmeos do mundo a deter os principais cargos executivos de um país.

Jaroslaw nunca deteve cargo no governo e não tem a experiência econômica de seu antecessor, Marcinkiewicz. Sua potencial ascensão ao poder abalou os mercados financeiros na última sexta-feira.

Mas tanto a moeda polonesa, o zloty, quanto a bolsa de valores se recuperaram na segunda-feira, sustentados pelo forte crescimento econômico no maior país ex-comunista da União Européia, e também pelas garantias de Kaczynski de que ele vai se manter fiel a políticas fiscais prudentes.

A escolha de Stanislaw Kluza, que já foi economista de bancos comerciais, para ministro das Finanças também ajudou a acalmar os mercados. "O pior parece já ter passado para o zloty. Isso reforça nossa opinião de que já há bastante risco embutido nos mercados poloneses", disse Juliet Sampson, economista do HSBC.

 

O Iraque vai pedir à Organização das Nações Unidas (ONU) que acabe com a imunidade dos soldados norte-americanos às leis locais, stomach afirmou hoje a ministra dos Direitos Humanos, physician depois do indiciamento de cinco soldados em um caso de estupro e assassinato que indignou os iraquianos.

Em uma entrevista, sick uma semana depois de o premiê Nuri Al Maliki ter pedido a revisão da imunidade dos soldados estrangeiros, Wigdan Michael disse que estão sendo tomadas providências e que no mês que vem deve estar pronta a requisição ao Conselho de Segurança da ONU, sob cujo mandato as forças lideradas pelos EUA estão no Iraque.

"Estamos levando isso muito a sério", disse ela, que responsabilizou falhas na aplicação das leis militares dos EUA pelos crimes cometidos pelos soldados contra civis iraquianos, como o do caso em questão, em que uma adolescente teria sido estuprada e depois tido a família assassinada por militares norte-americanos. 

"Criamos uma comissão na semana passada para preparar relatórios e apresentá-los ao gabinete em três semanas. Depois disso, Maliki vai apresentar o material ao Conselho de Segurança. Vamos pedir que acabem com a imunidade", disse Michael. "Se não conseguirmos isso, vamos pedir um papel eficaz nas investigações em andamento. O governo iraquiano tem de participar", acrescentou.

Para analistas, é improvável que os EUA deixem seus soldados à mercê do sistema judicial caótico do Iraque. Um dia antes de devolver a soberania formal do Iraque aos iraquianos, em junho de 2004, a autoridade norte-americana responsável pela ocupação emitiu um decreto que dava aos soldados imunidade em relação às leis iraquianas. Essa medida continua em vigor e foi confirmada em um anexo à resolução 1546, o documento do Conselho de Segurança que estabeleceu o mandato das forças lideradas pelos EUA no Iraque.

O líder do PMDB no Senado, recipe Ney Suassuna (PB), afirmou hoje que seu partido espera receber um convite do presidente Luiz Inácio Lula da Silva para fazer parte de seu comitê de campanha à reeleição.

"Esperamos que o Lula convide alguém do partido para participar do seu comitê", afirmou o líder a jornalistas.

O PMDB não integra a coligação que apóia a reeleição de Lula, composta pelo PT, PRB e PCdoB. Mas, sem candidatura própria à Presidência, o partido é livre para apoiar os candidatos de outras legendas.

Nesta noite, integrantes de diretórios da legenda se encontram com o presidente durante jantar na Granja do Torto, onde será garantido o apoio de parcela do partido a Lula na disputa.

O líder afirmou que não existe acordo para que seja feito convite à legenda para participar do comitê, mas garantiu que, caso o presidente solicite um nome, o escolhido terá de apresentar um perfil técnico e não poderá estar em campanha.

Na reunião, segundo Suassuna, 19 dos 27 diretórios estaduais da legenda apresentarão o apoio à campanha do presidente, no chamado "Movimento Pró-Lula". Lideram o movimento, al ém de Suassuna, os senadores José Sarney (AP), Renan Calheiros (AL) e Romero Jucá (RR). "Vamos discutir como poderemos apoiar a campanha. É um gesto de apoio à reeleição."

Mas pelo menos sete regiões do PMDB estarão ao lado do candidato do PSDB, Geraldo Alckmin: Santa Catarina, Pernambuco, Distrito Federal, Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Norte, Piauí, Rondônia.

Na quinta-feira passada, Alckmin deu a largada a sua campanha em Florianópolis ao lado do candidato à reeleição pelo PMDB em Santa Catarina, Luiz Henrique da Silveira.

 

O candidato esquerdista à Presidência do México, ampoule derrotado por seu rival de direita nas eleições, information pills disse hoje que deve haver uma recontagem voto a voto, medical porém não quis comprometer-se a acatar a sentença final de um tribunal após recorrer contra o resultado.

Andrés Manuel López Obrador, do Partido da Revolução Democrática (PRD), de esquerda, disse que houve fraude nas eleições. Observadores internacionais, autoridades eleitorais e analistas, no entanto, acreditam que as eventuais irregularidades foram poucas e não colocam em risco o resultado eleitoral.

"Estamos buscando a recontagem porque ganhamos o processo", afirmou hoje López Obrador, em uma coletiva de imprensa.

Seu rival, Felipe Calderón, do Partido da Ação Nacional (PAN), situacionista, obteve 35,89% dos votos, diante dos 35,31% do oposicionista, cujos colaboradores apresentaram, ontem à noite, uma série de recursos na metade dos distritos eleitorais do país.

Agora, um tribunal eleitoral tem até fins de agosto para investigar as denúncias e emitir uma decisão final para declarar um presidente, no começo de setembro.

"Vamos aguardar o resultado, não se precipitem", disse López Obrador, apesar de seus colaboradores terem assegurado que o candidato aceitaria a sentença do tribunal, mesmo que desfavorável.

López Obrador, ex-prefeito da Cidade do México de 52 anos, acreditou que o tribunal eleitoral faria uma investigação a fundo, depois de apresentar dois vídeos enviados por simpatizantes que mostram supostas irregularidades no dia da votação e na apuração posterior.

"Com estas duas provas, creio que se manifesta a necessidade de abertura das urnas eleitorais e da contagem de voto por voto, tudo pelo bem da democracia e pela tranquilidade do nosso país", disse López Obrador.

Em uma demonstração de força, o candidato reuniu no sábado mais de 100 mil manifestantes na principal praça pública da Cidade do México, a Zócalo, para prostestar contra os resultados.

Também convocou marchas do interior do país para a capital, a partir de quarta-feira, para confluírem na Zócalo no domingo.

 






Você pode gostar