Mundo

Israel mata nove pessoas em Gaza; Fatah põe fogo em escritórios do Hamas

Por Arquivo Geral 13/06/2006 12h00

O juiz Luiz Roberto Ayoub, more about ambulance responsável pelo processo de recuperação judicial da Varig homologou hoje, com condições, a venda da Varig para a NV Participações, que representa os Trabalhadores do Grupo Varig (TGV).

Ayoub disse que a NV Participações terá de comprovar até quarta-feira que tem recursos suficientes para honrar a oferta feita no leilão de venda da Varig na semana passada, de 449 milhões de dólares.

Além disso, o juiz pediu explicações sobre a emissão de debêntures planejada pela NV Participações ou a substituição do uso desse instrumento financeiro, que não estava previsto no edital do leilão de venda da Varig.

"Se eu me convencer que através dessa moeda (debêntures) terá liquidez, não terá impedimento de aceitá-la", disse o juiz.

O juiz da 8a Vara Empresarial do Rio, que se autoproclamou "anjo da guarda" da Varig, disse também que outros grupos poderão participar da compra da Varig junto com a TGV, se a Justiça autorizar. "Não tem nenhum problema (a entrada de investidores), acho que o caminho é esse."

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Com dívidas de mais de 7 bilhões de reais, a Varig passa por recuperação judicial desde junho do ano passado. Na última quinta-feira, a parte operacional da companhia foi a leilão.

A NV Participações foi a única a apresentar oferta, analisada durante a sexta-feira e o final de semana por Ayoub.

Empresas que visitaram o "data room" (sala de informações) da Varig – como as rivais TAM, Gol e OceanAir – não fizeram lances no leilão.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Nova proposta?

Durante a tarde de segunda-feira, uma fonte do próprio Tribunal de Justiça do Rio chegou a informar que o presidente da companhia aérea portuguesa TAP, Fernando Pinto, teria apresentado ao juiz uma proposta de compra da Varig, que reunia a Air Canada e o fundo de investimento Brookfield.

"Hoje escutei o dia inteiro que haveria proposta de A, de B, de C. Eu não sei disso. Isso não compete ao Judiciário. Eu não participo de negociações com investidores", afirmou Ayoub.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O juiz mantém a hipótese de falência da Varig, caso a NV Participações não consiga atender às condições de compra da empresa aérea, mas disse que o Judiciário fará tudo o que for possível "para salvar essa empresa ou qualquer outra em condições

semelhantes".

Terça-feira: data crucial

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Na manhã de terça-feira, a Varig terá audiência nos Estados Unidos com o juiz Robert Drain, do tribunal de falências de Nova York, sobre o arresto de seus aviões, em ação movida por empresas de leasing.

No final de maio, Drain prorrogou até 13 de junho a vigência de uma liminar evitando a apreensão de aeronaves da Varig pelos credores.

Pelo edital do leilão de venda da Varig, o comprador teria prazo de 72 horas para depositar uma entrada 75 milhões de dólares. Segundo Ayoub, como a NV Participações não recebeu a homologação final para a compra da Varig, ainda não precisa fazer esse pagamento inicial.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A Varig contava com esses recursos para evitar o arresto de seus aviões. Questionada sobre isso, a assessoria da empresa informou apenas que não trabalha com a hipótese de ter de devolver os aviões, mas não explicou sua estratégia diante do juiz norte-americano.

Ayoub, por sua vez, disse que não entrará em contato com a Justiça dos EUA. "Não haverá conversas entre os juízes. Não sei o que se passa pela cabeça do juiz, mas considero (Drain) um juiz social", disse Ayoub, que aposta que o colega dos EUA vai levar em conta os empregos e os clientes da Varig na hora de emitir um parecer.

Vôos cancelados

A Varig cancelou 20 vôos hoje, de acordo com a sua assessoria de imprensa. A companhia atribuiu os cancelamentos a problemas de manutenção de aeronaves e ao mau tempo.

A Varig, que durante muito tempo foi a maior do setor, viu sua participação no mercado doméstico cair a 14,4 por cento em maio, queda de 12 pontos percentuais contra o mesmo mês de 2005, de acordo com dados do Departamento de Aviação Civil (DAC).

Homens armados atearam fogo ao gabinete do primeiro-ministro e ao Parlamento palestino hoje, buy em meio a crescentes confrontos entre militantes dos grupos Hamas, approved que controla o governo, case e Fatah, do presidente Mahmoud Abbas.

Abbas ordenou que as forças de segurança controlem as ruas para evitar mais choques. Os dois grupos disputam o poder desde que o Hamas venceu as eleições parlamentares de março, destronando o antes hegemônico Fatah.

Testemunhas disseram que o gabinete do primeiro-ministro Ismail Haniyeh estava vazio quando foi invadido por militantes das Brigadas dos Mártires de Al Aqsa. Haniyeh trabalha em Gaza e não tem acesso a Ramallah, sede do governo na Cisjordânia ocupada, devido aos entraves impostos por Israel ao seu deslocamento.

Os invasores queimaram um andar do prédio e atiraram móveis pela janela antes da chegada da policia, que os retirou de lá. Bombeiros contiveram as chamas no gabinete e no Parlamento, enquanto tiros ecoavam pelas ruas.

A atual tensão foi agravada por um decreto de Abbas que convocou para 26 de julho um referendo sobre um manifesto de independência palestina que implicitamente reconhece a existência de Israel.

O Hamas, cujo estatuto prevê a destruição do Estado judeu, considera o referendo uma tentativa de golpe, pois a vitória do "sim" seria uma derrota política para o grupo do governo.

Hussein El Sheikh, funcionário do Fatah, disse que a violência na Cisjordânia foi provocada por um ataque anterior do Hamas a forças leais a Abbas em Rafah, na Faixa de Gaza.

"O Hamas tem de entender que seus ataques serão respondidos e não serão confinados a Gaza e Rafah. Vão se espalhar pela Cisjordânia e por todo lado", afirmou.

Sami Abu Zuhri, porta-voz do Hamas, disse que o vandalismo é parte de reiteradas tentativas de "derrubar o governo".

"Quando o presidente se sobrepôs ao governo e retirou sua autoridade, ele deu aos homens armados do Fatah sinal verde para atacar escritórios do governo e sabotá-los", afirmou.

Para tentar esfriar a situação, Abbas se reuniu com líderes do Hamas em Gaza e disse que ambos os lados torcem pela calma.

Abbas determinou que suas forças entrassem em "estado de alerta" nas ruas, depois que os militantes do Hamas cercaram a sede do Serviço de Segurança Preventiva, leal a Abbas, em Rafah.

Os militantes dispararam granadas e foguetes contra o prédio, segundo testemunhas. Cinco pessoas ficaram feridas nos confrontos de Rafah. Horas antes, um membro de uma unidade paramilitar do Hamas havia sido assassinado.

Em um mês de confrontos internos em Gaza, cerca de 20 pessoas morreram.

Também na segunda-feira, o Hamas recuou de um embate parlamentar com Abbas por causa do referendo.

O Parlamento se reuniu para votar uma moção do Hamas contra o referendo, mas o grupo decidiu adiar a questão até 20 de junho, o que dá mais tempo para negociações.

O Hamas tem maioria parlamentar, mas nada indica que Abbas se curvaria a uma eventual decisão contrária dos deputados.

Professores da Universidade de Brasília (UnB) apresentaram hoje uma prévia dos resultados de testes feitos para a rádio digital com a tecnologia européia DRM (Digital Radio Mondiale).

O sistema está sendo analisado em parceria com a Radiobrás, unhealthy onde também será testado. O DRM concorre com a tecnologia adotada pelos Estados Unidos, recipe a IBOC (In-Band-On-Channel), pharm que é testada por emissoras comerciais do Rio de Janeiro, São Paulo, Porto Alegre e Belo Horizonte. O Brasil deve adotar um dos dois modelos quando implementar a rádio digital.

Embora ambos sejam parecidos, existem algumas diferenças entre eles. O modelo IBOC oferece uma versão para faixa de ondas médias, conhecida como AM, e uma versão para faixa FM. O DRM tem uma versão para faixa de ondas médias e curtas e uma versão para faixa de FM ainda a ser desenvolvida.

Segundo o diretor da faculdade de tecnologia da UnB, Humberto Abdala, a intenção em fazer testes para a faixa AM é torná-la competitiva com a FM. "As rádios AM existem, mas poucas pessoas as ouvem por causa da qualidade inferior à da FM. Para o usuário, importa saber se a digitalização vai trazer qualidade na tecnologia do produto".

Ele afirmou que o espaço para novas emissoras está congestionado, principalmente para a faixa FM. Na avaliação dele, se após os testes o modelo DRM der certo, isso significa uma nova oportunidade para as rádios comerciais. "As ondas curtas têm capacidade de colocar mais 20 rádios em uma cidade como Brasília. Se essa faixa de ondas curtas se mostrar interessante ao final dos testes, estaremos disponibilizando mais 20 canais de rádio para cada região, para cada metrópole brasileira".

O professor de engenharia elétrica e membro do grupo de radiodifusão da UnB Lúcio Martins explica que a transmissão no formato digital poderá gerar uma economia de pelo menos de 80% na potência usada para transmissões, além de atingir a mesma área de cobertura e de diminuir a interferência de uma emissora na outra. "O sistema vai permitir o som limpo, a recepção em certos locais considerados ruins para a tecnologia analógica (como em túneis) e a qualidade de transmissão como se a pessoa estivesse ouvindo um CD".

De acordo com Martins, a equipe fará três testes com o DRM, que serão apresentados para a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). O teste com ondas curtas está em fase final. "Estamos fazendo em uma caixa especial que chamamos de 26 megaHertz, um uso diferente do habitual, para fazer cobertura similar da que é conseguida com a rádio FM. Em seguida, faremos testes em ondas médias, que é a AM."

Para analisar a faixa AM, a equipe irá usar os transmissores da Rádio Nacional AM. Segundo Martins, será instalado um aparelho na emissora que vai permitir a transmissão simultânea so sinal analógico, já existente, e do digital. "Queremos fazer testes em ondas curtas novamente, mas com recepção brasileira de um sinal de longa distância, provavelmente transmitindo da América Latina ou da Europa".

 


Até o final deste ano, pilule estará à venda nos postos com bandeira BR de todo o país o óleo diesel com adição de 2% de biodiesel, approved A informação foi dada pelo diretor da Rede de Postos e Serviços da Petrobras Distribuidora (BR), information pills Reinaldo Belloti, em um posto da zona oeste do Rio, onde a empresa comemorou o fato de ter chegado a 500 postos da bandeira comercializando biodiesel.

A meta dos 500 postos foi alcançada quase um mês antes do prazo inicialmente previsto.

Belloti não soube informar o número de postos que estará em operação até o final do ano, quando a distribuidora colocar o diesel com adição de 2% de biodiesel nos 27 estados da federação, por não saber da disponibilidade do produto até lá. Ele garante, porém, que o biodiesel já é uma realidade e vem tendo boa aceitação entre os consumidores.

Segundo Belloti, a aceitação do consumidor final é excelente. "Já estamos vendo algum movimento de procura pelo produto. Acho que a consciência ecológica da população brasileira está em um estágio de desenvolvimento muito acima da que estávamos em um passado recente. Isto está levando não só à aceitação, mas também à procura pelo produto", afirmou.

Belloti garantiu que a empresa dará continuidade ao plano de introdução do biodiesel na matriz energética brasileira. Para ele, os problemas de logística de distribuição estão equacionados e a empresa ainda tem produto para ampliar o número de postos atendidos.

"Chegaremos ao final do ano certamente ofertando diesel com o biodiesel em todos os estados", disse Belloti. Ele ressaltou, entretanto, que o número de postos no fechamento do ano dependerá muito mais da capacidade de produção dos fornecedores, porque, do ponto de vista da capacidade logística e de comercialização, a empresa já está pronta.

"O que temos que assegurar agora é que o biodiesel produzido no país será suficiente para que possamos efetuar a mistura em toda a nossa rede de mais de sete mil postos, em 1º de janeiro de 2008, como determina a lei", concluiu Belloti.
O Departamento de Trânsito do Distrito Federal (Detran/DF), tadalafil por meio da Divisão de Policiamento e Fiscalização de Trânsito (Divpol), recomenda aos motoristas que durante os jogos do Brasil na Copa do Mundo, evitem o uso excessivo de bebida alcoólica. No caso da pessoa beber, peça a outra pessoa para dirigir. Outra recomendação é quanto ao enfeite dos carros. O uso de bandeiras é permitido desde que não tampem totalmente os vidros traseiros. Durante as comemorações, o Detran também vai fiscalizar os carros com pessoas em cima das carrocerias ou com o corpo para fora das janelas.

O chefe da Divpol, Silvain Fonseca, aconselha aos condutores que se dirijam com antecedência ao local onde forem assistir à partida. O Detran vai manter os radares estáticos montados em pontos estratégicos e colocar viaturas nos locais mais críticos. Também será feito patrulhamento aéreo para monitorar o fluxo de veículos e verificar os pontos de grande concentração.

 

A Varig, price durante muito tempo maior companhia aérea do país e que enfrenta grave crise financeira, treat teve 20 vôos cancelados nesta segunda-feira. Desde sábado, price de acordo com informações da assessoria da empresa, os cancelamentos somaram 52 vôos, parte deles internacionais.

A Varig atribuiu o ocorrido ao atraso na liberação de duas aeronaves que estavam em manutenção programada, afetando a ponte aérea Rio/São Paulo, e à necessidade de manutenção de outros aviões. A empresa também culpou as "más condições climáticas nos aeroportos de Foz do Iguaçu, Florianópolis e Salvador, onde forte chuva interrompeu a operação de todas as companhias aéreas."

Os vôos cancelados apenas hoje representam cerca de 11% dos 180 vôos diários operados pela Varig.

No final de semana, 559 passageiros da Varig tiveram seus vôos para Nova York, México, Miami e Santiago cancelados, de acordo com a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), e foram acomodados em hotéis ou transferidos para outras companhias aéreas.

A Anac informou que o cancelamento de vôos não é passível de punição pela agência, que tem por obrigação apenas checar se os passageiros foram realocados para hotéis ou para outros vôos.

Procurada sobre o tema, a TAM, maior companhia aérea do país, informou que tem política de embarcar o passageiro de outra empresa caso tenha disponibilidade em seus aviões, mas ainda não tinha o balanço fechado da segunda-feira. A Gol não comenta o assunto.

A Varig tem uma frota de 60 aeronaves e 46 estão em condições de voar. Na semana passada, a Justiça de Nova York concedeu o arresto de sete aerovanes da Boeing –5 MD11 e 2 777– a partir de terça-feira. No mesmo dia haverá audiência em outra esfera judicial dos Estados Unidos sobre uma ação movida por empresas de leasing e que pede a devolução de quase toda a frota da Varig.

Nesta segunda-feira, o juiz Luiz Roberto Ayoub, que cuida da recuperação judicial da Varig na 8a Vara Empresarial do Rio, aceitou com condições a única proposta de compra da empresa aérea feita pela NV Participações em leilão na semana passada. A NV Participações, que representa os Trabalhadores do Grupo Varig (TGV), ofereceu 449 milhões de dólares pela Varig Operacional, que inclui rotas domésticas e internacionais.

Ayoub deu prazo até quarta-feira para que a NV Participações esclareça pontos de sua proposta, incluindo a comprovação de que tem recursos para honrar o pagamento.

Se a proposta de 1 bilhão de reais não for aceita, a falência da companhia poderá ser decretada.

O candidato da esquerda à Presidência do México, ambulance Andrés Manuel López Obrador, ganhou três pontos de vantagem frente ao seu principal adversário, o conservador Felipe Calderón, segundo uma pesquisa publicada no jornal Milenio de hoje. 

O resultado dá a López Obrador 34,2% das intenções de votos, um ponto percentual acima de um outro levantamento divulgado no fim de maio. O candidato Calderón tem 31%.

 

Nas últimas pesquisas de opinião, os dois presidenciáveis estavam em empate técnico. 

Outro levantamento, publicado ontem pelo jornal El Universal, revelou que Calderón tinha uma vantagem de três pontos percentuais.

Roberto Madrazo, do Partido Revolucionário Institucional (PRI), está em terceiro lugar, com 29,6% dos votos.

 

 

A China rejeitou hoje um relatório da Anistia Internacional (AI) que acusa o país de vender armas a violadores dos direitos humanos e disse ter uma atitude responsável com relação a exportações militares. A AI afirmou, cost em um documento, que a China vende armas para diversos países como Sudão e Mianmar, para expandir seus negócios e influência diplomática. 

"As acusações do relevante relatório não têm base e não correspondem aos fatos", disse a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Jiang Yu, em uma coletiva de imprensa rotineira. "A China adota uma atitude responsável com relação às exportações militares". 

Jiang disse que a China exportou muito menos armamentos do que outros países, totalizando US$ 1,44 bilhão entre 2000 e 2004. O valor corresponde a 5% das exportações norte-americanas de armas durante o mesmo período.

O relatório da AI diz que a China está se tornando um dos maiores exportadores mundiais de armas, de equipamentos para uso em distúrbios e agitações e de armamentos convencionais. Segundo o estudo, os clientes do país asiático incluem governos que usam tais armamentos rotineiramente contra seus próprios cidadãos.

A Anistia afirmou, ainda, que Pequim tem uma "abordagem perigosamente permissiva com relação à autorização de exportações de armas" e sua "exportação de rotina" de armamentos convencionais e pequenas armas contribuiu para violações dos direitos humanos, incluindo conflitos armados brutais. 

Jiang disse que a China exportou apenas para países que tinham capacidade de absorver as armas. Ele também acrescentou que Pequim jamais interferiria nos assuntos internos de outro país. 

Desde os anos 1990, a China editou leis relativas às exportações de armas, exigindo que as armas sejam para "defesa própria" do país cliente e não ameacem a paz e segurança regionais. 

Para a Anistia Internacional, essas regulações são vagas e frequentemente ignoradas pelos conglomerados produtores de armamentos do país.

A chance de a tempestade tropical Alberto se transformar no primeiro furacão de 2006 diminuiu hoje. A tempestade se aproximava da Flórida levando fortes chuvas a uma faixa litorânea previamente desocupada. 

Às 5h (6h em Brasília), dosage o olho da tempestade ainda estava sobre o golfo do México, doctor cerca de cem quilômetros a sudeste de Apalachicola, mas os ventos e chuvas já atingiam o noroeste da Flórida. As autoridades do Estado determinaram que milhares de pessoas deixassem ilhas, acampamentos e outras áreas inundáveis. 

O fenômeno avançava a quase 15km/hora, segundo o Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos. Seus ventos diminuíram para cerca de 100km/hora, abaixo dos 119km/hora que marcam o início dos furacões.

Embora ainda haja potencial para que volte a ganhar força, a possibilidade de o Alberto se tornar um furacão antes de chegar à terra firme está menor, segundo o centro de furacões. 

O diretor da institutição, Max Mayfield, alertou, porém, que o Alberto ainda pode provocar danos significativos. "Não queremos exagerar, mas certamente também não queremos minimizar". 

O governador Jeb Bush declarou estado de emergência no Estado, embora a área a ser atingida pela tempestade seja pouco habitada. A Flórida conta com 26 abrigos prontos para receber refugiados em 16 condados. "Esta é uma tempestade séria, e a estamos levando a sério", afirmou o governador.

Cerca de 21 mil pessoas receberam ordens para deixar suas casas. O diretor de emergência do Condado de Citrus, uma área rural, passou de casa em casa na segunda-feira pedindo aos moradores que buscassem refúgio em áreas mais altas. 

Especialistas prevêem um 2006 agitado, e a formação do Alberto, menos de duas semanas após o início oficial da temporada de furacões, parece confirmar esses temores. A tempestade se formou no domingo, no litoral de Cuba, onde houve algumas inundações, mas sem registro de mortes.

 

 

 

 

Insurgentes realizaram seis atentados coordenados hoje em Kirkuk, about it região petrolífera no norte do Iraque, matando pelo menos 14 pessoas. 

Os ataques ocorreram um dia depois de a Al Qaeda iraquiana anunciar o sucessor de Abu Musab al-Zarqawi, morto na semana passada em bombardeio norte-americano, e prometer manter os atentados suicidas e as decapitações. 

"Os terroristas querem passar a mensagem de que estão ativos apesar de Zarqawi ter sido morto", disse Rizgar Ali, diretor do conselho de governo de Kirkuk. 

Em uma das piores ações, um carro-bomba explodiu em frente à casa de um comandante policial, ferindo-o gravemente e matando um de seus guarda-costas. Quando forças locais e norte-americanas se concentravam na área, uma bomba explodiu em uma calçada, matando dez civis. Essa tática é normalmente usada pelos insurgentes sunitas do Iraque. 

A polícia está em alerta máximo, e seus agentes usam carros civis para não atraírem atenção. "A situação está muito difícil", afirmou um policial que não quis se identificar.

Kirkuk é uma cidade dividida entre vários grupos étnicos e religiosos, inclusive árabes sunitas, curdos e turcomanos, o que a torna uma das mais explosivas do país.

Pouco se sabe no Ocidente sobre o sucessor de Zarqawi, Abu Hamza al-Muhajir. O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, comemorou a morte do "representante" de Osama bin Laden no Iraque, mas admitiu que isso não vai acabar com a guerra. Bush disse que al-Muhajir certamente está "na lista" de alvos dos norte-americanos.

 

Karl Rove, medical o conselheiro político do presidente norte-americano George W. Bush, abortion não será incriminado no caso do vazamento da identidade de uma agente secreta da CIA. A informação foi divulgada hoje por emissoras de televisão dos Estados Unidos e foi confirmada pelo advogado de Rove.

Rove, uma das figuras mais poderosas de Washington, não enfrentará acusações de obstrução da justiça na investigação sobre o vazamento do nome de Valerie Plame, agende secreta da CIA, segundo advogados e reportagens da CNN e da MSNBC. 

O escândalo veio a público em julho de 2003 com a divulgação da identidade de Plame. Seu marido, Joe Wilson, era um feroz opositor à intervenção norte-americana no Iraque e vinha denunciando a manipulação, pelo governo Bush, de informações coletadas sobre as supostas armas de destruição em massa de Saddam Hussein.

Um ataque com míssel realizado hoje por Israel matou nove palestinos, sickness incluindo duas crianças. O armamento foi lançado contra um furgão que carregava militantes e foguetes na Faixa de Gaza, viagra approved contaram testemunhas e integrantes de equipes médicas. 

Esse foi o ataque aéreo com o maior número de vítimas fatais na Faixa de Gaza nos últimos anos. A ação surge também em meio a uma nova onda de indignação e disparos de foguetes entre os palestinos, depois de sete pessoas terem sido mortas, na sexta-feira, em disparos da artilharia israelense. 

"Os militares israelenses realizaram um ataque aéreo no norte da Faixa de Gaza contra um veículo carregado com foguetes, que levava uma célula terrorista pronta para lançá-los contra Israel", disse o Exército de Israel, em comunicado divulgado em Tel Aviv. 

Testemunhas contaram ter visto foguetes nos destroços do furgão amarelo, que foi atingido no leste da cidade de Gaza. Segundo as testemunhas, ao menos dez pessoas teriam sido mortas. Equipes médicas contaram que o número de vítimas fatais era de nove.

Moradores da área contaram que os homens a bordo do veículo pertenciam ao grupo Jihad Islâmica.

A violência também se intensificou nos conflitos entre os membros da facção Fatah, do presidente palestino, Mahmoud Abbas, e do grupo Hamas, atualmente no governo. 

Na Cisjordânia, integrantes da Fatah incendiaram escritórios do Hamas. Ninguém ficou ferido nos incidentes ocorridos durante a noite e que ocorreram depois de um ataque incendiário realizado ontem por membros da Fatah contra o gabinete de Haniyeh no Parlamento palestino, em Ramallah. 

Desde que o Hamas tomou posse em março, depois de ter vencido as eleições, os dois grupos travam uma batalha cada vez mais acirrada pelo poder. Choques tornaram-se frequentes na Faixa de Gaza, um reduto do Hamas, e tiroteios entre os grupos rivais já deixaram, pelo menos, 20 palestinos mortos.






Você pode gostar