Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Mundo

Israel amplia ataques em Gaza após trégua e volta a ordenar deslocamento de civis

Mediação no Qatar para novo cessar-fogo fracassa, e fronteira com o Líbano registra enfrentamentos contra o Hezbollah

Moradores do Hamad Town, um complexo residencial financiado em 2017 pelo Qatar em Khan Yunis, no sul da Faixa de Gaza, reunidos na rua prestes a deixar suas casas após ordens do Exército de Israel – Mahmud Hams/AFP

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS)

Gaza voltou a ser palco de intensos ataques aéreos após a semana de cessar-fogo negociada entre Israel e o Hamas acabar.

Neste sábado (2), as Forças de Defesa de Tel Aviv voltaram a pedir que a população da faixa palestina esvazie áreas ao norte e também ao sul que estão prestes a serem bombardeadas pelos militares.

Agora, o aviso vem de maneira diferente. Porta-vozes do Exército estão divulgando um mapa do território local com divisões por quarteirões e marcações naqueles que serão alvos de ataques aéreos.

Israel afirma ter atacado ao menos 400 alvos em Gaza em apenas um dia após o fim da trégua e que realizou ataques a infraestruturas e equipamentos usados pela força naval do Hamas no litoral de Khan Yunis, ao sul da Faixa de Gaza, no mar Mediterrâneo.

Enquanto isso, ao menos 193 palestinos morreram e 650 ficaram feridos na faixa desde o fim da trégua na manhã de sexta-feira (1º) até a manhã de sábado, segundo balanço divulgado pelo Ministério da Saúde em Gaza, atrelado ao Hamas, que governa o território.

Até meados da semana, o número total de mortos na região superava 15 mil, mas o balanço não foi atualizado desde o fim do cessar-fogo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Autoridades palestinas divulgaram ainda novo balanço de mortos na Cisjordânia ocupada, região que assiste à violência escalar nesta guerra. Com o falecimento de um homem de 21 anos em Beitunia após embates com forças de Israel, o número de mortos teria chegado a 247 desde 7 de outubro. Desde o início deste ano, seriam 455.

Em território qatari, emirado que é um dos principais mediadores do conflito, chefes do Mossad, o serviço secreto de Israel, estiveram presentes neste sábado para conversas sobre um possível novo cessar-fogo. Mas voltaram para casa afirmando terem chegado a um “beco sem saída” e culparam o Hamas de não colaborar ao não libertar todas as mulheres e crianças que foram sequestradas do sul israelense.

Enquanto isso, também na manhã desta sábado caminhões de ajuda humanitária voltaram a cruzar a passagem de Rafah, entre Egito e Gaza, com suprimentos para a população que reside na faixa palestina.

O anúncio foi feito nas redes sociais pelo Crescente Vermelho, versão da Cruz Vermelha em regiões de maioria muçulmana, que afirma que ao menos 50 caminhões cruzaram o posto de controle. Eles continham alimentos, água e suprimentos médicos para os palestinos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A ajuda enviada por meio da fronteira egípcia, considerada crucial diante do bloqueio que vive Gaza, foi brevemente interrompida nesta sexta-feira depois que Israel e facções que atuam na faixa, como o Hamas, retomaram ataques mútuos após o fim do cessar-fogo.

Israel troca ataques com Hezbollah e Guarda Revolucionária do Irã
Em paralelo, a região também registrou ataques mútuos entre militares israelenses e membros do Hezbollah na fronteira do país com o Líbano.

No Telegram, as Forças de Defesa de Israel disseram que na noite de sexta (1º) mapearam diversos lançamentos provenientes de território libanês com direção à comunidade de Dishon, no norte do país. Em resposta, dizem ter realizado ataques contra a cédula responsável.

Apoiado e financiado pelo Irã, o Hezbollah disse que ao menos dois de seus homens morreram em combate. Já a Unifil, a missão de paz das Nações Unidas que desde o final da década de 1970 atua no sul libanês, disse que os bombardeios de Israel atingiram áreas próximas a sua sede na cidade costeira de Naqoura, mas não falou em feridos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Teerã também afirmou que dois membros de sua Guarda Revolucionária –espécie de exército ideológico iraniano– morreram em meio a ataques de Israel durante uma “missão de assessoramento à resistência islâmica” na Síria, sem dar detalhes.

Somados, os episódios expressam novamente o temor de que a atual guerra que se desenrola entre o Hamas e Israel no território de Gaza escale para um conflito regional que envolva mais nações árabes.

A principal preocupação gira em torno da possível abertura de um conflito armado contra o Irã, que luta uma espécie de guerra por procuração apoiando o Hezbollah libanês em seus ataques contra Israel.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar