Mundo

Irã rejeita proposta de suspender enriquecimento de urânio

Por Arquivo Geral 11/07/2006 12h00

Atualizada às 16h18

Ao menos 170 pessoas morreram e outras centenas ficaram feridas hoje quando sete bombas explodiram em trens metropolitanos lotados de Mumbai, pharm sales o centro financeiro da Índia, remedy disseram autoridades.

Nenhum grupo havia reivindicado o ataque, viagra que ocorreu na hora do rush do fim da tarde e foi o pior a atingir a cidade em mais de uma década.

As suspeitas, no entanto, devem recair nos militantes muçulmanos que lutam pela independência da região da Caxemira. Esses grupos já foram responsabilizados por vários ataques a bomba na Índia no passado.

O comissário de polícia A.N. Roy disse que o total de mortos é de 135, e o ministro Vilasrao Deshmukh, principal autoridade eleita do Estado, disse que havia cerca de 300 feridos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"Não temos certeza se foi RDX ou não", disse Roy, referindo-se ao possível uso de poderosos explosivos plásticos.

As explosões aconteceram com um intervalo de menos de dez minutos. Os passageiros fugiram desesperados pelas estações e as linhas telefônicas ficaram congestionadas.

Imagens da TV mostravam vagões destruídos e pessoas ensangüentadas carregando os mortos e feridos debaixo de uma chuva constante. Segundo a imprensa local, as explosões parecem ter tido como alvo os vagões de primeira classe.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Um policial foi filmado carregando o que parecia ser partes de corpos humanos. Segundo a mídia local, as explosões foram nos vagões da primeira classe. Centenas de passageiros atordoados andavam ao longo das linhas de trem.

"As explosões aconteceram quando os trens estavam mais lotados", disse D.K. Shankaran, secretário-chefe do Estado de Maharashtra, do qual Mumbai é a capital.

O premiê Manmohan Singh pediu calma, e Sonia Gandhi, líder do principal partido do Congresso, manifestou seu pesar. "Peço às pessoas que não acreditem em boatos e que prossigam normalmente com suas atividades", disse o premiê, que chamou os ataques de um "ato vergonhoso".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

As explosões aconteceram nos subúrbios do oeste de Mumbai, ligados às áreas do centro da cidade por uma rede ferroviária que é usada por cerca de 6,5 milhões de pessoas por dia.

"Controlamos as chamas em todos os locais e agora estamos levando os feridos aos hospitais", disse à Reuters A. Jhandwal, chefe do Corpo de Bombeiros de Mumbai. Sobreviventes em choque, com ferimentos na cabeça, pernas e braços, esperavam por socorro nas estações, e não havia sinal do atendimento de emergência.

"Ouvimos um forte barulho em um dos compartimentos do trem. Quando corremos para lá, vimos gente com membros decepados e ferimentos horríveis", disse uma testemunha à emissora CNN-IBN. "Não havia polícia nem funcionários da ferrovia para ajudar."

Segundo as autoridades, foram atingidas cinco composições e duas estações. O primeiro ataque aconteceu às 18h24 (8h54 pelo horário de Brasília), e os outros ocorreram logo em seguida. "Parece ter sido tudo planejado", disse à CNN-IBN Anil Sharma, comissário-chefe de segurança da Western Railway.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O primeiro-ministro Singh convocou imediatamente uma reunião de emergência. "A segurança foi colocada em alerta máximo", disse o secretário do Interior, V. K. Duggal, antes da reunião.

Horas antes das explosões, supostos militantes islâmicos mataram sete pessoas, a maioria turistas, numa série de ataques a granada na principal cidade da Caxemira indiana, Srinagar, afirmou a polícia. A Caxemira foi dividida entre a Índia e o Paquistão pouco depois de os dois países declararem independência da Grã-Bretanha, em 1947, mas ambos reivindicam a totalidade do território.

O Ministério das Relações Exteriores do Paquistão emitiu uma nota dizendo que o presidente Pervez Musharraf e o premiê Shaukat Aziz condenam veementemente o "ataque terrorista" em Mumbai.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A cidade de cerca de 17 milhões de habitantes, que antes era chamada Bombaim, foi atingida por ataques a bomba no passado. Em 1993, mais de 250 pessoas morreram em explosões na cidade, atribuídas pelas autoridades a gangues criminosas.

 

Um grupo ligado à Al Qaeda no Iraque divulgou imagens de corpos de dois soldados norte-americanos mortos em junho, cialis 40mg e dedicou o vídeo à garota iraquiana morta e estuprada por militares dos Estados Unidos. Comandantes dos EUA chamaram o filme de "barbárie".

O vídeo, divulgado hoje pelo Conselho Mujahideen Shura no Iraque em um site islamista, mostra os corpos de dois homens com aparência ocidental vestidos com uniformes camuflados. Não ficou claro nas imagens se são, de fato, soldados dos EUA.

Um dos corpos foi decapitado. Os dois estão ensangüentados e em diversas partes falta carne. Também aparecem homens não identificados pisando sobre os cadáveres.

"Apresentamos esta produção, com os restos dos corpos de soldados americanos sequestrados perto de Yusufiya, como vingança por nossa irmã, cuja honra foi violada por um soldado do mesmo regimento", disse o Conselho em comunicado que acompanha as imagens.

O vídeo começa com uma declaração do líder da Al Qaeda, Osama Bin Laden. A voz de seu vice no Iraque, Abu Musab Al-Zarqawi, morto recentemente, também pode ser ouvida.

Os militares dos EUA divulgaram um comunicado em Bagdá dizendo: "Condenamos a divulgação do vídeo nos termos mais fortes possíveis; isso demonstra a natureza brutal e bárbara dos terroristas e seu completo desrespeito pela vida humana".

Os soldados Kristian Menchaca e Thomas Tucker, seqüestrados e mortos no Iraque, eram da mesma unidade que os cinco norte-americanos acusados agora pelo estupro e assassinato de uma garota iraquiana, e pelas mortes de três pessoas de sua família, em março. Abeer al-Janabi, de 14 anos, seus pais e uma irmã de 6 anos foram mortos em casa por volta do dia 12 de março.

O ex-soldado Steven Green alegou inocência em uma corte civil da acusação de estupro e de cinco acusações de assassinato. A investigação militar sobre a morte da família perto de Mahmudiya começou há pouco tempo, e só foi lançada quando o soldado falou sobre o caso durante um aconselhamento de estresse, depois das mortes de junho na unidade.

Além de Green, outros quatro soldados do 502º Regimento de Infantaria também enfrentam acusações de estupro e assassinato, além de uma quinta acusação por não terem reportado o caso.

Militantes costumam divulgar vídeos que afirmam mostrar ações de "vingança".

Autoridades dos EUA disseram que não têm pistas sobre as mortes de Tucker e Menchaca, que foram seqüestrados quando seu posto militar foi invadido, e de um terceiro soldado morto em 16 de junho.

 

O Irã não está considerando uma suspensão de seu programa de enriquecimento de urânio como parte de uma solução para o impasse nuclear com Washington e seus aliados, thumb disse hoje o vice-chanceler iraniano em Pequim.

Manuchehr Mohammadi, em visita à China, disse que o Irã estava esperando por "esclarecimentos" sobre um pacote oferecido pelos países ocidentais em um esforço para conter o programa nuclear do Irã.

Mas Mohammadi disse que o Irã não estava considerando congelar suas atividades de enriquecimento de urânio como parte de uma solução.

"Nós fizemos isso antes, fizemos isso por dois anos e meio. Foi provado que não funciona", disse.

Os Estados Unidos, que acusam Teerã de trabalhar secretamente para fabricar armas nucleares, exigiu uma resposta clara do Irã antes da cúpula do Grupo dos Oito (G8), neste fim de semana, na Rússia, se não quiser enfrentar uma ação do Conselho de Segurança da ONU.

Mohammadi disse ainda que o tratado de não proliferação nuclear pode virar "um documento inútil" se os direitos de atividades nucleares pacíficas não forem respeitados.

 






Você pode gostar