Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Mundo

Instagram classifica conteúdos sobre aborto como sensíveis e restringe acesso

A rede passou a exigir a confirmação da idade dos usuários antes de permitir que eles vejam conteúdos que oferecem informações sobre aborto

Foto: Reprodução/Web

O Instagram ocultou do público em geral algumas postagens que mencionam o aborto. A rede passou a exigir a confirmação da idade dos usuários antes de permitir que eles vejam conteúdos que oferecem informações sobre o procedimento.

Nesta segunda-feira, 27, os administradores de várias contas do Instagram que defendem o direito ao aborto encontraram as postagens ocultas e com um aviso da empresa classificando-as como “conteúdo sensível”. A plataforma não oferece a opção para usuários contestarem a restrição.

Uma das postagens ocultadas, por exemplo, foi a de uma página com mais de 25 mil seguidores com um texto intitulado “Aborto na América, como você pode ajudar”.

O post incentiva os seguidores a doarem dinheiro para organizações pró-aborto e protestar contra a decisão da Suprema Corte dos EUA, que derrubou as garantias ao aborto na constituição nacional e delegou a legislação sobre o tema aos Estados.

A postagem recebeu um aviso do Instagram que diz “Esta foto pode conter conteúdo gráfico ou violento”.

A empresa foi questionada sobre o procedimento nesta terça-feira, 28. Horas depois, o departamento de comunicação reconheceu no Twitter o problema e disse que se trata de uma falha.

A Meta, empresa proprietária do Instagram, disse que não impõe restrições de idade em torno de conteúdos sobre o aborto.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Estamos ouvindo que pessoas ao redor do mundo estão vendo nossas ‘telas de sensibilidade’ em muitos tipos diferentes de conteúdo quando não deveriam. Estamos analisando esse bug e trabalhando em uma correção agora”, tuitou a empresa.

Anteriormente, a rede social, assim como o Facebook – ambas pertencentes à Meta, de Mark Zuckerberg – já estava excluindo postagens que se ofereciam para enviar pílulas abortivas em Estados dos EUA que proíbem o procedimento.

As plataformas alegaram que a exclusão violava as políticas contra venda de certos produtos, como produtos farmacêuticos, drogas e armas de fogo.

Uma reportagem da Associated Press revelou, no entanto, que postagens que ofereciam a venda de maconha ou de armas de fogo estavam no ar no Facebook. A empresa não respondeu o por quê da diferença de tratamentos, segundo a AP.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A fotógrafa inglesa Zoe Noble é uma das administradoras com conteúdo referente ao aborto restrito nos últimos dias.

A página administrada por ela conta a história há mais de um ano de mulheres que decidiram não ter filhos.

Ela não teve problemas até esta segunda, quando um post que falava sobre o procedimento foi restrito. “Fiquei realmente confusa porque nunca aconteceu isso antes, e já falamos sobre aborto antes”, declarou à Associated Press.

Segundo a AP, quase uma dúzia de outras postagens que mencionavam a palavra “aborto” foram ocultadas pela rede social. Todas postagens eram de natureza informativa e nenhuma apresentava fotos de abortos ou conteúdo semelhante.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Até mesmo uma postagem de um repórter da agência de notícias que perguntou às pessoas se elas estavam enfrentando o problema foi ocultada nesta terça-feira, exigindo que os usuários informassem a idade antes de visualizá-la.

Segundo Brooke Erin Duffy, professora da Cornell University, que estuda redes sociais, a empresa pode ocultar algumas tomadas de decisão, incluindo sobre os algoritmos, para manipular os conteúdos das redes sociais de uma maneira que promova ou rebaixe postagens ou palavas-chave.

“Isso tudo pode acontecer nos bastidores e pode ser atribuído a uma falha”, disse Duffy. “Não sabemos o que aconteceu. Isso é o que é temeroso sobre isso ” (Fonte: Associated Press)

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Estadão Conteúdo

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE








Você pode gostar