Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Mundo

França e Alemanha adotam restrições contra 2ª onda de covid; nº de mortos bate novo recorde no mundo

Durante as últimas semanas, os países europeus tentaram retardar a propagação de uma segunda onda de infecções por coronavírus

A photograph taken on October 24, 2020 shows the empty streets of Toulouse southwestern France, at during the curfew put in place to fight against the spread of the Covid-19, (the novel coronavirus). – France has registered on October 23, 2020 more than one million cases of coronavirus since the global pandemic began, with more than 42,000 new infections reported in the last 24 hours, French health services said. (Photo by Fred SCHEIBER / AFP)

Durante as últimas semanas, os países europeus tentaram retardar a propagação de uma segunda onda de infecções por coronavírus por meio de restrições específicas e localizadas, destinadas a evitar os bloqueios nacionais impostos na primavera no hemisfério norte. Mas com o mundo registrando um novo número recorde de mais de 500 mil novos casos de coronavírus e mais de 7 mil mortos, as medidas surtiram pouco efeito.

Durante as últimas semanas, os países europeus tentaram retardar a propagação de uma segunda onda de infecções por coronavírus por meio de restrições específicas e localizadas, destinadas a evitar os bloqueios nacionais impostos na primavera no hemisfério norte. Mas com o mundo registrando um novo número recorde de mais de 500 mil novos casos de coronavírus e mais de 7 mil mortos, as medidas surtiram pouco efeito.

Com países como França, Itália e Reino Unido relatando o maior número de mortes em meses, e a Alemanha enfrentando casos crescentes nesta semana, as autoridades agora estão lutando para reimpor medidas drásticas para conter o aumento de infecções e hospitalizações que podem resultar em mais mortes do que durante a primeira onda da pandemia.

A Alemanha decidiu impor as restrições mais duras desde um “lockdown” ocorrido durante a primavera no hemisfério norte. O acordo para impor uma paralisação parcial de um mês foi acertado pela chanceler Angela Merkel depois de conversas com líderes dos 16 estados do país, afirmou a Bloomberg.

Os detalhes serão divulgados nesta quarta-feira, 28, quando Merkel vai falar à imprensa. A proposta de Merkel pede o fechamento de bares, restaurantes e instalações de lazer para conter o surto de infecções por coronavírus.

Ela também pedirá aos cidadãos que mantenham os contatos sociais a um mínimo absoluto e evitem todas as viagens não essenciais.

O plano, rotulado de “luz de lockdown” pela mídia alemã, entraria em vigor na próxima semana e duraria até novembro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

De acordo com a proposta, as regras, que como as da França seriam menos rígidas do que as impostas em março, teriam como objetivo limitar o número de infecções até o Natal para que amigos e familiares pudessem se encontrar novamente.

“Sabemos como nos proteger”, disse Merkel na terça-feira, alertando que, sem agir de acordo, “acabamos voltando a situações extremamente difíceis”.

Após relatar 523 mortes na terça-feira, 27, o maior número do país desde o final de abril, a França prepara, nesta quarta-feira, restrições mais rígidas ao coronavírus antes de um discurso do presidente Emmanuel Macron. As medidas podem variar de um toque de recolher noturno ou final de semana prolongado a um lockdown de semanas.

Países europeus tentam conter segunda onda
Durante semanas, os países europeus tentaram retardar a propagação de uma segunda onda de infecções por coronavírus por meio de restrições específicas e localizadas, destinadas a evitar os lockdowns nacionais impostos na primavera do hemisfério norte.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Frédéric Valletoux, presidente da Federação Francesa de Hospitais, disse na quarta-feira que os hospitais estavam em uma situação muito mais precária do que no segundo trimestre, com a equipe esgotada desde a primeira onda, menos margem de manobra para adiar tratamentos ou cirurgias para abrir espaço para pacientes da covid-19 e outras epidemias como a gripe que vem com o inverno.

“Os hospitais não vão aguentar se não tomarmos medidas drásticas”, disse Valletoux.

Os números crescentes relatados em toda a Europa nesta semana sugerem que os esforços para evitar lockdowns nacionais fizeram pouco para conter a propagação da pandemia.

No Reino Unido, que relatou 367 mortes na terça-feira, o primeiro-ministro Boris Johnson enfrentou apelos por um novo lockdown nacional, já que o órgão consultivo do governo, conhecido como SAGE, o alertou que a segunda onda poderia ser mais mortal do que a primeira, de acordo com o The Telegraph.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Com mais de 61.000 mortes por coronavírus, a Grã-Bretanha foi o país mais atingido na Europa, com um aumento de mortes em excesso que não atingiu os picos vistos na Itália ou na Espanha, mas que durou mais.

A Espanha também cogita um novo lockdown nacional, com o País Basco fechando as fronteiras da região e as autoridades regionais em Madri considerando uma medida semelhante. Na região alemã da Baviera, as autoridades colocaram dois distritos sob lockdown estrito e, na Itália, um toque de recolher para bares e restaurantes e o fechamento de academias públicas, cinemas e piscinas levaram a protestos contra o lockdown.

Na França, os líderes empresariais expressaram temor de que um novo lockdown seja fatal para muitas empresas, mas médicos e especialistas médicos dizem que é necessário.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A União Europeia pediu na quarta-feira por testes aprimorados e por uma melhor coordenação do que tem sido uma colcha de retalhos de medidas díspares em seus países membros.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo






Você pode gostar