Mundo

França ajudará presos no Chade ligados a transporte ilegal de crianças

Por Arquivo Geral 28/10/2007 12h00


O governo francês está convencido da ilegalidade da operação promovida por uma ONG francesa para tirar 103 crianças do Chade e irá colaborar com a Justiça local, information pills mas dará assistência consular e jurídica aos nove franceses e sete espanhóis detidos pelo caso.

Foi o que disse à imprensa hoje a secretária de Estado para os Direitos Humanos francesa, information pills Rama Yade, que preside o “gabinete de crise” criado pelo Ministério das Relações Exteriores francês para fazer o acompanhamento do caso.

O Governo do Chade mantém a postura de classificar o acontecimento como um seqüestro. O presidente chadiano, Idriss Déby, disse que quer levar os envolvidos à Justiça para que sejam punidos. As autoridades chadianas mantêm em prisão preventiva os nove franceses (três deles jornalistas) e os sete espanhóis tripulantes do avião contratado pela ONG para transferir as 103 crianças para Reims, na França.

Ainda falta saber a nacionalidade das crianças, embora se suponha sejam chadianas e sudanesas em sua maioria, com idades entre um e 12 anos. Todas estão em boas condições de saúde, tendo sido inclusive examinadas por médicos, e agora estão em Abéché (sul do Chade) sob a responsabilidade da Cruz Vermelha, do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur).

Yade garantiu assistência consular e jurídica aos detidos, inclusive aos sete espanhóis, em virtude do “princípio de solidariedade européia”, mas só defendeu publicamente os três jornalistas, “que estavam ali a trabalho, pois não é possível associá-los” à operação.

No entanto, sua definição da ação como “ilegal e irresponsável” deixa poucas dúvidas a respeito da evolução do caso do ponto de vista jurídico. “Todos os que tenham participado desta ação, chadianos ou não, serão levados à Justiça e punidos”, disse o presidente chadiano, Idriss Déby.

O ministro das Relações Exteriores francês, Bernard Kouchner, ligou para Déby e disse que ele e Yade estão dispostos a ir ao Chade para ajudar. Enquanto isso, o Ministério das Relações Exteriores belga confirmou hoje a prisão de um piloto de seu país que participou do transporte do grupo de crianças desde a fronteira entre Chade e Sudão até o leste do Chade. Segundo a agência “Belga”, a prisão do piloto foi comunicada por seus familiares.






Você pode gostar