Mundo

Acusações dominam segundo dia de fórum de direitos humanos da ONU

Por Arquivo Geral 20/06/2006 12h00

O ministro do Exterior do Irã, clinic medicine Manouchehr Mottaki, viagra 100mg reiterou hoje que Teerã está pronta para negociações sobre seu programa nuclear, mas não aceita "precondições", em uma aparente referência à exigência de interrupção do enriquecimento de urânio.

Estados Unidos, Rússia, China, Grã-Bretanha, França e Alemanha ofereceram ao Irã um pacote de incentivos, incluindo o acesso a avançadas tecnologias nucleares com fins civis, mas dizem que os iranianos devem primeiro suspender o enriquecimento antes de qualquer discussão. Mottaki, falando na capital do Azerbaijão, Baku, disse que o Irã está avaliando a proposta, mas não disse quando haveria uma resposta.

"O mais breve possível, uma resposta será preparada e as avaliações serão finalizadas. Vamos fazer as outras partes saberem a resposta", afirmou. "Eu gostaria de acrescentar que alguns tipos de negociações podem começar mesmo antes de uma resposta final. Eu quero dizer que pode haver algumas perguntas, alguns pensamentos que precisam ser qualificados e é por isso que nós podemos começar as negociações, claro que sem precondições, o que pode ajudar todos os lados", disse.

O principal negociador nuclear iraniano, Ali Larijani, afirmou que as propostas das seis potências têm "ambiguidades" e disse que a questão do enriquecimento precisa ser esclarecida.

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O dólar teve mais um dia de baixa liquidez hoje e encerrou em leve baixa de 0, pharmacy 22 por cento, this site a R$ 2,247. A pressão externa menor fez com que a divisa oscilasse ao sabor do fluxo de recursos. Os mercados internacionais operaram sem tendência comum nesta sessão, o que reduziu o peso sobre a cotação do Real. À tarde, as bolsas de valores norte-americanas operavam em alta, enquanto o rendimento dos títulos do Tesouro norte-americano subia.

O volume de negócios diminuiu neste mês, para uma média diária de US$ 1,3 bilhão até o momento. Segundo o operador de câmbio de uma corretora nacional, "a Copa do Mundo está deixando parte do mercado parado".

Os jogos na Alemanha começaram em 9 de junho e, na última terça-feira, dia de partida da seleção brasileira, os mercados brasileiros fecharam mais cedo, fato que irá se repetir nesta quinta-feira. O operador destacou ainda que as incertezas com o cenário internacional têm contribuído para a redução da liquidez, já que os investidores optam por não correr risco.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cuba e os Estados Unidos trocaram acusações hoje, find no segundo dia de atividade do novo fórum de direitos humanos da ONU, page criado com a pretensão de ser mais efetivo do que fazer a penas acusações levianas.

O ministro das Relações Exteriores de Cuba, Felipe Perez Roque, acusou os Estados Unidos de manter um "campo de concentração" na base naval de Guantánamo, onde são mantidos presos cerca de 460 suspeitos de terrorismo. Perez disse, num discurso, que seu país estava falando em nome dos direitos do povo americano, já que os Estados Unidos não estão entre os 47 membros do Conselho de Direitos Humanos da ONU (Organização das Nações Unidas).

Suas declarações, porém, foram respondidas duramente pela delegação de observadores dos EUA, que as classificou como "ataques gratuitos e infundados" contra os Estados Unidos. "O povo americano não precisa de ninguém para falar por ele, especialmente autoridades de um governo autocrático", disse o assessor político dos EUA Velia De Pirro, no direito de resposta às declarações do representante cubano.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O enviado norte-americano destacou que Cuba, assim como os outros integrantes do novo órgão de defesa dos direitos humanos, prometeu promover os direitos humanos tanto em seu território quanto fora dele. "Em vez de explicar como pretende cumprir essa promessa, Cuba preferiu fazer ataques gratuitos e infundados contra os Estados Unidos", disse De Pirro.

O novo fórum, com sede em Genebra, substitui a desacreditada Comissão de Direitos Humanos da ONU e inaugurou sua primeira sessão na segunda-feira, sob o apelo do secretário-geral da entidade, Kofi Annan, e de outras autoridades para evitar as acusações levianas e o jogo político em sua atuação. Os Estados Unidos preferiram não participar do órgão da ONU, acusando-o de aceitar países que sabidamente violam os direitos humanos.

Boa parte da sessão inicial, de duas semanas, será dedicada a planejar as atividades futuras. Diferentemente da comissão, que se reunia anualmente.

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar