Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Notícias

Fundo eleitoral do PSDB deve turbinar candidatos nos estados com sobras de Doria

Dirigentes do PSDB afirmam que Doria teria cerca de R$ 65 milhões no primeiro turno da campanha -valor não divulgado oficialmente

Por Lindauro Gomes 25/05/2022 12h45
Foto: Agência Brasil

Carolina Linhares
São paulo, SP

A distribuição do fundo eleitoral do PSDB, apontada como uma das motivações para os rachas no partido que culminaram com a desistência de João Doria (PSDB), deve agora privilegiar candidatos tucanos a governador e a deputado federal a partir da fatia antes destinada ao presidenciável.

Nos bastidores, dirigentes do PSDB afirmam que Doria teria cerca de R$ 65 milhões no primeiro turno da campanha -valor não divulgado oficialmente. A sigla deve contar com cerca de R$ 318 milhões do fundo eleitoral -a sexta maior fatia entre os partidos.

O fundo eleitoral é uma verba pública que os partidos recebem em ano eleitoral para financiar campanhas. O tamanho da bancada de cada sigla no Congresso influencia a divisão dos recursos entre elas.

Para 2022, a Lei de Diretrizes Orçamentárias aprovada pelo Congresso estabeleceu a quantia de R$ 5,7 bilhões. O STF (Supremo Tribunal Federal), no entanto, estabeleceu o montante em R$ 4,9 bilhões.

Aliados de Doria afirmam que a disputa interna por valores do fundo está por trás do movimento de tucanos contra uma candidatura própria do partido e, consequentemente, a favor da adesão ao nome de Simone Tebet (MDB), que deve ser a presidenciável da coligação da chamada terceira via, formada por PSDB, MDB e Cidadania.

Outros auxiliares do ex-governador paulista minimizam o papel do fundo partidário nas divisões internas, apontando que a resistência a Doria na sigla é ligada a outros fatores. O jornal Folha de S.Paulo mostrou que a trajetória do tucano, com sucessivas vitórias nas urnas e em prévias, foi marcada por erros políticos, atritos internos e, atualmente, alta rejeição do eleitorado.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Justamente para evitar que a distribuição da verba se tornasse uma munição contra si, Doria já havia sinalizado aos deputados federais do PSDB candidatos à reeleição que eles teriam acesso ao teto estipulado pela Justiça Eleitoral para bancar suas campanhas.

Os limites para cada cargo e estado ainda não foram determinados pelo Tribunal Superior Eleitoral neste ano, mas, na eleição de 2018, o teto para os candidatos à Câmara dos Deputados foi de R$ 2,5 milhões.

Os tucanos trabalham com a hipótese de que o valor neste ano será próximo a isso.

Da mesma forma, o partido já havia acertado que candidatos a governador nos estados em que o PSDB governa atualmente também teriam acesso ao teto. A medida vale para São Paulo, Rio Grande do Sul e Mato Grosso do Sul.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Sem a candidatura presidencial, a reeleição de Rodrigo Garcia em São Paulo, que já era considerada prioridade por Bruno Araújo, presidente do PSDB, passa a ser a principal disputa para o partido. Manter o controle de São Paulo é considerado crucial para a sobrevivência eleitoral do PSDB.

Os dirigentes tucanos também se baseiam no teto de 2018 nesse caso, estimando que Rodrigo terá à disposição um valor próximo de R$ 21 milhões para o primeiro turno e R$ 10,5 milhões para eventual segundo turno.

No Rio Grande do Sul e Mato Grosso do Sul, os limites de 2018 foram de R$ 9,1 milhões e R$ 4,9 milhões, respectivamente, para o primeiro turno.

O comando do PSDB ainda não definiu oficialmente o destino da verba que seria aplicada na campanha de Doria, mas já há disputa sobre realocar parte desse valor na campanha de Tebet ou não.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Araújo diz que o assunto não foi deliberado, mas seus auxiliares indicam que deve, sim, haver alguma colaboração. O PSDB deve indicar um nome para compor a chapa de Tebet como vice.

Outros membros da executiva do PSDB não admitem repassar nada para a emedebista e pregam que todo o fundo do PSDB seja gasto com candidatos tucanos.

Em entrevista na segunda-feira (23), Araújo afirmou que há outras discussões com o MDB à frente da questão do fundo eleitoral, como a construção de um programa de governo conjunto e a consolidação de alianças nos estados -especialmente no Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul e Pernambuco.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Com mais verba disponível sem a candidatura de Doria, membros do partido estimam que outros candidatos a governador que se mostram competitivos, como Raquel Lyra em Pernambuco e Pedro Cunha Lima na Paraíba, também podem chegar a ter o teto de financiamento.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O PSDB deve lançar candidatos próprios aos governos de SP, MS, RS, PE, PB, PR, SE, GO, DF e AM.
Da mesma forma, a verba deve ser aplicada a candidatos a deputado federal que não concorrem à reeleição, mas são cartas na manga para que o partido amplie sua bancada.

Integrantes do PSDB, no entanto, ponderam que o fundo eleitoral turbinado, sem os gastos com Doria, poderia ter sido um atrativo para filiar candidatos ao Congresso na janela partidária, que se encerrou em abril, caso o tucano tivesse desistido antes.

Para a pré-campanha de Doria, o partido havia reservado cerca de R$ 2,8 milhões do fundo partidário -verba pública que banca os partidos fora do período de campanha eleitoral. Segundo dirigentes da sigla, o ex-governador não chegou a gastar todo o montante.

Integrantes da equipe de Doria afirmam que os contratos de marketing e o aluguel da casa, nos Jardins, que servia de comitê eleitoral para o tucano, devem ser encerrados.

O partido gastou ainda R$ 12,22 milhões com as prévias realizadas em novembro e vencidas por Doria. O aplicativo desenvolvido para votação, que apresentou problemas e atrasou a definição do pleito em uma semana, custou R$ 2,63 milhões ao partido.

Outros R$ 4,2 milhões foram distribuídos às campanhas dos três candidatos internos -Doria, Eduardo Leite (RS) e Arthur Virgílio (AM). Houve ainda gastos com os eventos de votação e anúncio do vencedor, além de passagens aéreas para tucanos de todo o país, num montante que chegou a R$ 5,39 milhões.

A divisão entre os tucanos deve persistir entre aqueles que defendem a adesão à coligação de Tebet, grupo que inclui o presidente Bruno Araújo, e aqueles que pregam uma candidatura própria, liderados pelo deputado federal Aécio Neves (MG).

Hoje Araújo reúne maioria na executiva e é apoiado pelos líderes na Câmara e no Senado, pelo tesoureiro e pelo secretário-geral na tese de que, após a desistência de Doria, o partido deve aderir a Tebet. Já a tese de Aécio tem a concordância de ex-presidentes do PSDB e nomes da ala histórica.

Para evitar o embate, uma reunião da executiva do PSDB que ocorreria nesta terça-feira (24) foi remarcada para o próximo dia 2.

Tucanos apontam, no entanto, que a ideia de uma candidatura presidencial do PSDB, seja a de Doria ou qualquer outra, não anima a bancada de deputados justamente devido à distribuição do fundo.

Os nomes do senador Tasso Jereissati (CE) e de Leite são apontados como possíveis presidenciáveis do PSDB. O ex-governador gaúcho, no entanto, já indicou que está voltado para a disputa eleitoral no seu estado.

PARA QUE SERVE O FUNDO ELEITORAL

​​O que é?

É uma verba pública que os partidos recebem em ano eleitoral para financiar campanhas. Em 2018, equivalia a cerca de R$ 1,7 bilhão. Em 2020, foi de R$ 2 bilhões.

Ele é a única fonte de verba pública para as campanhas?

Não. Os partidos também podem usar recursos do fundo partidário (verba pública para subsidiar o funcionamento das legendas, distribuída mensalmente). O valor previsto para este ano é de cerca de R$ 1 bilhão.

Quais são as outras formas de financiamento possíveis?

Os candidatos podem recolher doações de pessoas físicas e podem financiar as próprias campanhas. O autofinanciamento é limitado a 10% do teto de gastos, que varia de acordo com o cargo disputado.
As doações empresariais são proibidas desde 2015.

Como o fundo eleitoral é distribuído?

A distribuição do fundo público para campanha entre os partidos acontecerá da seguinte forma nas próximas eleições:

  • 2% distribuídos igualmente entre todas as legendas registradas
  • 35% consideram a votação de cada partido que teve ao menos um deputado eleito na última eleição para a Câmara
  • 48% consideram o número de deputados eleitos por cada partido na última eleição, sem levar em conta mudanças ao longo da legislatura
  • 15% consideram o número de senadores eleitos e os que estavam na metade do mandato no dia da última eleição

Houve uma mudança recente da divisão do fundo. Antes, o que valia era o tamanho das bancadas na última sessão legislativa do ano anterior à eleição (o que contou em 2018 foi a bancada no fim de 2017). Agora, conta o resultado da eleição.








Você pode gostar