Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Economia

Entenda por que as contas falsas do Twitter preocupam Elon Musk

Caso o negócio seja cancelado, Musk estaria sujeito ao pagamento de multa de US$ 1 bilhão (R$5,1 bilhão), de acordo com a Wedbush Securities

Semanas após o anúncio de compra do Twitter por US$ 44 bilhões (R$ 226,3 bilhões), Elon Musk informou a suspensão temporária do acordo até que receba informações detalhadas sobre os 5% de contas falsas na rede social que são rentabilizadas com a exibição de anúncios. Caso o negócio seja cancelado, Musk estaria sujeito ao pagamento de multa de US$ 1 bilhão (R$5,1 bilhão), de acordo com a consultoria americana Wedbush Securities. No entanto, o bilionário se disse ainda comprometido com a aquisição.

Em resposta ao recado publicado por Musk no Twitter, o fundador do extinto Megaupload e atual líder da empresa de armazenamento em nuvem Mega, Kim Dotcom, afirmou que o número de contas falsas rentabilizadas na rede social chegam a, ao menos, 30% do total. Mas uma das perguntas mais comuns em resposta ao tuíte de Musk sobre as contas falsas é: por que isso importa?

O número de usuários do Twitter anda de lado, diferentemente do que acontece em outras redes, como o TikTok e o Instagram, que já estão na casa do bilhão de usuários. A média de usuários ativos diariamente no Twitter no primeiro trimestre de 2022 foi de 229 milhões, alta de 15,9% na comparação com o mesmo período de 2021. Se 5% desse montante é de contas falsas, então, o número de usuários aos quais a rede pode exibir publicidade passa para 217,5 milhões. Porém, não é possível estimar o impacto real das contas falsas na receita da companhia, uma vez que os preços das campanhas de anúncios variam caso a caso.

O número de contas falsas já constava no longo relatório de resultados do ano de 2021, mas esse detalhe parece só agora ter chamado a atenção de Musk. Por isso, segundo analistas, o bilionário busca pechinchar com a empresa para reduzir o valor que pagará por ela.

O avanço do Twitter na conquista de usuários difere do observado em outras redes sociais. De 2020 para 2022, o TikTok, por exemplo, saltou de 600 milhões para 1,8 bilhão de usuários diários ativos.

“No entanto, essa estimativa de 5% é baseada em uma revisão interna de uma amostra de contas e aplicamos um julgamento significativo ao fazer essa determinação. Como tal, nossa estimativa de contas falsas ou de spam pode não representar com precisão o número real de tais contas, e o número real de contas falsas ou de spam pode ser maior do que estimamos atualmente”, informou o Twitter, no balanço do ano de 2021.

A rede social também ressaltou a importância de manter essa métrica o mais realista possível para evitar perda de anunciantes e danos à reputação da empresa.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Papel dos bots e contas falsas

Os bots são contas do Twitter que foram programadas para executar tarefas específicas, como retuitar publicações com determinadas hashtags ou palavras-chave, ou mesmo de algum usuário específico. Esses são bots que fazem spam, e podem ser usados com a finalidade de propagar informações falsas ou dar uma falsa relevância “orgânica” a um determinado assunto. Esses bots podem, ainda, espalhar links de páginas maliciosas para aplicar golpes de roubo de dados de internautas.

No entanto, nem todos os bots são passíveis de bloqueio pela rede social, uma vez que podem realizar tarefas mais nobres, como o tinycarebot, que publica automaticamente dicas de autocuidado para seus seguidores. O cancelamento desse tipo de conta precisa violar as diretrizes da política de uso do Twitter.

Uma das soluções propostas por Musk é verificar todas as contas de usuários humanos na rede social. Outra medida é tornar o código do Twitter aberto para dar mais transparência e credibilidade para o site.

O número impreciso de contas falsas pode significar, no fim das contas, que as finanças da empresa não têm números tão realistas quanto os balanços patrimoniais podem fazer parecer. Com isso, Musk pede mais informações a respeito do problema que terá em mãos, antes de concretizar o negócio — talvez, com um desconto.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Estadão Conteúdo








Você pode gostar