Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Economia

Dólar sobe a R$ 5,42 com investidores à espera de recessão

Em mais um dia de turbulência no mercado financeiro, investidores terminaram esta quarta-feira (6) menos pessimistas do que acordaram

Por FolhaPress 06/07/2022 7h26
banco Foto: Yuriko Nakao

Clayton Castelani
São Paulo, SP

Em mais um dia de turbulência no mercado financeiro, investidores terminaram esta quarta-feira (6) menos pessimistas do que acordaram, após avaliarem a ata do Fed (Federal Reserve).

O banco central americano divulgou durante a tarde o relatório da reunião que, em 15 de junho, resultou na maior alta da taxa de juros no país desde 1994.

Analistas buscavam no documento pistas sobre os riscos de uma recessão nos Estados Unidos, cuja percepção poderia ser reforçada caso a ata sinalizasse claramente que a autoridade será igualmente ou ainda mais agressiva na sua próxima reunião, nos dias 26 e 27 deste mês. Esse temor não foi confirmado.

Bolsas internacionais, que amanheceram negativas, entregaram ganhos no fim do dia. A Bolsa de Valores brasileira também subiu. O índice de referência para as ações domésticas, o Ibovespa, avançou 0,43%, a 98.718 pontos.

Apesar disso, riscos do exterior e domésticos provocaram nova alta do dólar contra o real.

Ao final do pregão, a moeda americana fechou negociada com valorização de 0,64%, a R$ 5,4220, em seu maior patamar desde 27 de janeiro. Durante a sessão, a divisa chegou a saltar aos R$ 5,4620.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“A alta do dólar é global e o motivo ainda é o mesmo [dos últimos dias]: o cenário de cautela generalizada em meio ao crescente risco de recessão”, comentou Fernanda Consorte, economista-chefe do Banco Ourinvest.

Além da alta da divisa americana, o preço de referência do barril do petróleo bruto chegou a ser negociado abaixo de US$ 100 (R$ 555), patamar ao qual a commodity não é rebaixada na sua cotação de fechamento desde 11 de abril.

A commodity cai sempre que existe a expectativa de redução na demanda por energia, o que seria uma das consequências de uma crise na economia mundial.

Após a ata do Fed, porém, o barril do petróleo Brent passou a ser negociado a US$ 100,50 (R$ 558). Ainda assim, caía 2,21% no início da noite, depois de ter tombado 9,45% na véspera.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

No Brasil, a queda da matéria-prima provocou uma baixa de 1,28% nas ações mais negociadas da Petrobras. A mineradora Vale, porém, fechou em alta, com o setor das commodities metálicas também melhorando o humor ao digerir a ata do Fed.

Em Nova York, o indicador de referência da Bolsa, o S&P 500, subiu 0,36%. O Dow Jones avançou 0,23%. O índice do setor de tecnologia, Nasdaq, ganhou 0,35%.

Na ata divulgada pelo Fed nesta quarta, a autoridade monetária reforça que a inflação foi a principal razão para a elevação de 0,75 ponto percentual dos juros de referência do país e que poderá seguir com o aperto ao crédito, caso a alta dos preços persista.

Esses são argumentos já mencionados pelo presidente da instituição, Jerome Powell, em declarações recentes.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Para a próxima reunião, que era o que o mercado estava procurando saber, a ata foi vaga”, comentou Jennie Li, estrategista de ações da XP.

O mercado ainda procura entender o quão agressivo o Fed será ao dar continuidade na elevação da sua taxa de juros.

Uma postura mais dura da autoridade no aperto ao crédito, necessário para frear a maior inflação em 40 anos nos Estados Unidos, poderá ampliar a expectativa sobre o risco de forte desaceleração econômica global.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Não é só a pressão do exterior que afeta os investimentos no Brasil. O mercado financeiro doméstico enfrenta riscos adicionais devido à postura do presidente Jair Bolsonaro (PL), candidato à reeleição, que vem adotando medidas para ampliar benefícios sociais ao custo do aumento dos gastos públicos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Com um horizonte de forte desaceleração da economia global, investidores temem prejuízos à execução futura do Orçamento, pois há tendência de queda na arrecadação a partir do próximo ano. É o que analistas chamam de risco fiscal.








Você pode gostar