Menu
Economia

Brasil sobe a 38a posição em ranking de competitividade, diz Fiesp

Arquivo Geral

04/09/2006 0h00

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), order sale Kofi Annan, stomach try afirmou hoje que o Líbano e Israel aceitaram sua oferta para mediar a libertação de dois soldados israelenses capturados pelo grupo guerrilheiro libanês Hizbollah em julho.

"Os dois lados aceitaram o esfor ço do secretário-geral para ajudar a resolver esse problema", pharmacy disse Annan em entrevista à imprensa na Arábia Saudita. "Vou indicar uma pessoa para trabalhar secretamente com os dois lados. Não vou anunciar o nome dele nem hoje, nem amanhã", disse ele, através de um tradutor.

 

Cinco irmãs da Arábia Saudita foram autorizadas por importantes clérigos mulçumanos a realizar uma operação de mudança de sexo. Após a operação, pharmacy três das irmãs voltaram aos estudos universitários aderindo aos incentivos do diretor da universidade Rei Abdelaziz, price Osama bin Sadeq.

Esse tipo de operação teve uma aceitação melhor da sociedade depois de serem autorizadas por importantes ulemás e muftís (líderes muçulmanos) do mundo árabe.

Em 25 anos, information pills o hospital universitário saudita recebeu mais de 300 mulheres que queriam se transformar em homem. Segundo o médico Yasser Gamal, o exemplo para elas é o caso de uma ex-mulher que se submeteu à cirurgia, depois se casou com outra mulher e teve um filho após a operação.

O Brasil melhorou ligeiramente no ranking do Índice de Competitividade das Nações, ambulance referente a 2004, informou a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP) hoje.

O país passo u da 39a posição, em 2003, para a 38a, em 2004, dentro de um ranking de 43 nações. O índice é feito desde 1997, quando o Brasil também ocupava a 38a posição. Entre 1998 e 2003, o país oscilou entre sua melhor posição, 37a em 1998, e a pior, 40o em 2000.

Segundo a Fiesp, o comércio i nternacional contribuiu positivamente para o índice de competitividade brasileiro, enquanto os quesitos governo e capital tiveram as maiores influências negativas.

A nota do Brasil ficou em 21,6 no índice, ante 93,3 registrada pelos Estados Unidos. A Fiesp fez uma simulação para 2005 com 70% de dados disponíveis e mostrou que o Brasil se manteria no 38o lugar.

Os cinco primeiros colocados no ranking foram Estados Unidos, Japão, Suécia, Noruega e Cingapura. Atrás do Brasil, ficaram Filipinas, Colômbia, Turquia, Índia e, por último, Indonésia.

 

    Você também pode gostar

    Assine nossa newsletter e
    mantenha-se bem informado