Economia

Anac concede autorização jurídica de vôo para a Varig

Por Arquivo Geral 26/09/2006 12h00

O padre Hélio Aparecido de Oliveira, viagra cheap ex-diretor-geral e acadêmico das Faculdades Integradas Claretianas e do Colégio Integrado Claretiano da cidade Rio Claro (SP), foi condenado a 16 anos e três meses de prisão por atentado violento ao pudor contra três crianças que estudavam no colégio. À época, as vítimas tinham entre 8 e 10 anos. Geni Percorari, então coordenadora pedagógica da instituição de ensino, teve pena um pouco menor: 13 anos e seis meses. Segundo o juiz Durval José de Moraes Leme, ela foi conivente e omissa diante do crime de Oliveira. Os dois poderão recorrer da decisão da Justiça em liberdade.

Os Missionários Filhos do Imaculado Coração de Maria, que compõem a congregação que controla as unidades de ensino, não se pronunciaram sobre o assunto. O padre está afastado da instituição desde as acusações, em 2004.

A VarigLog, buy information pills nova controladora da Varig, stuff conseguiu uma vitória importante para recuperar a participação no mercado e reativar rotas suspensas desde o leilão da empresa, em julho. A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) concedeu hoje autorização jurídica de vôo para a companhia, o que permitirá o aumento da frota.

Publicada na edição de hoje do Diário Oficial da União, a concessão representa o primeiro passo para que a Varig consiga a habilitação de empresa de transporte aéreo. Mesmo assim, a companhia já pode apresentar pedidos de empréstimo para a compra de aviões.

A VarigLog pretende usar o documento para concluir a compra de 14 aeronaves modelo Boeing 737 que já estariam no Galeão. A aquisição praticamente dobraria a frota da empresa, atualmente de 15 aviões. A autorização da Anac também apressaria a liberação de um empréstimo de até US$ 1,7 bilhão do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para a compra de 50 aviões da Embraer.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Com a frota ampliada, a Varig pode tentar evitar a redistribuição de suas rotas. Como não tem utilizado boa parte de seus slots (espaços para pousos e decolagens), a empresa não conseguiu convencer a Anac a deixar de repassar as concessões a para concorrentes. A empresa perdeu parte das rotas internacionais e, nas próximas semanas, pode também ficar sem outros 28 slots no Aeroporto de Congonhas (SP).

Mesmo com a autorização jurídica, a Varig precisará ainda  obter a homologação como empresa de transporte aéreo. A Anac informa que não recebeu todos os documentos necessários.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar