Brasil

Sem acordo, bancários paulistas farão greve por tempo indeterminado

Por Arquivo Geral 28/09/2006 12h00

Termina amanhã o prazo de entrega da Declaração do Imposto Rural (ITR). Segundo a Receita Federal, here buy cerca de 1, viagra 2 milhão de contribuintes ainda não fizeram a declaração. Até a segunda-feira, approved haviam sido entregues 3,4 milhões de documentos dos 4,6 milhões esperados pela Receita.

Devem declarar o imposto quem tem imóvel rural com área igual ou superior a mil hectares na Amazônia Ocidental, no Pantanal mato-grossense e na região sul do Mato Grosso; a 500 hectares para as propriedades localizadas no Polígono das Secas e na Amazônia Oriental; e a 200 hectares para os demais municípios.

A declaração pode ser feita pelo site da Receita (www.receita.fazenda.gov.br), entregue em disquete nas agências do Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal ou em formulário nos Correios ao custo de R$ 3,20. A multa para quem perder o prazo é de 1% ao mês sobre o imposto devido, cujo valor não pode ser inferior a R$ 50.

 

O Irã está fornecendo armas e dinheiro a grupos armados no Iraque para comprar sua lealdade, viagra mas a tendência é que a influência iraniana diminua no país, visit this conforme os iraquianos se concentrem mais em seus próprios interesses, disse uma autoridade militar norte-americana que não quis ser identificada.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os Estados Unidos e a Grã-Bretanha já acusaram o Irã de alimentar a violência no Iraque, mas a República islâmica nega. A fonte deu vários detalhes e disse que as mais recentes apr eensões de armamentos, entre eles explosivos com marcas de que vêm do Irã, mostram que a política de armar a milícia iraquiana conta com o apoio do alto escalão do Irã, não sendo o resultado da ação de agentes iranianos isolados.

"Dá para ver que eles estão armando todo mundo", afirmou ele. "Aliás, ninguém neste país é comprado, mas sim alugado". A fonte discutiu a questão com jornalistas em Bagdá ontem, sob a condição de não ser identificada, e a transcrição das declarações foi divulgada afirmou.

Ele avaliou que o Irã enviou "milhões de dólares" para a milícia do Exército Mehdi, comandada pelo clérigo xiita Moqtada al-Sadr, e também para elementos isolados que escaparam ao controle direto de Sadr.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Entre as armas iranianas encontradas no Iraque estão mísseis terra-ar e foguetes antitanque como os usados pelo Hezbollah no Líbano contra Israel, a lém de projéteis explosivos (EFP) que são comumente usados nas bombas de beira de estrada contra soldados norte-americanos e britânicos.

"Quando se fala de EFP, eles são quase que só iranianos". Segundo ele, um conjunto de 4 a 6 EFP foi encontrado há alguns meses em Bagdá, junto com explosivos militares C-4 com etiquetas em inglês, e os códigos de fabricação batiam com material iraniano que Israel diz ter apreendido a caminho do Líbano. Etiquetas semelhantes apareceram em explosivos encontrados por soldados britânicos no sul do Iraque, afirmou ele.

"O controle de explosivos militares no Ir ã é feito pelo aparato estatal. É uma decisão deliberada da parte de elementos associados ao governo iraniano afetar esse tipo de atividade". Os iranianos são xiitas, assim como a maioria dos iraquianos. Na época do domínio do sunita Saddam Hussein, vários partidos religiosos xiitas que hoje fazem parte do governo iraquiano tinham sede no Irã.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Mas a fonte disse que os partidos vistos como pró-Irã estão perdendo terreno no Iraque para grupos com o o de Sadr, que se apresentam como nacionalistas iraquianos.
"Para que eles atuem efetivamente dentro do Iraque, t êm de tomar a decisão de ser iraquianos", afirmou ele.

Ele disse que o Irã vem fomentando a violência no Iraque, especialmente em regiões como Basra, no sul, mas que isso pode ser contraproducente por causa da preocupação iraniana de que possa haver instabilidade entre as minorias árabes e curdas do próprio Irã. "Não é bom para eles ter um Iraque desestabilizado, e sabe por quê? Há árabes no sul (do Irã) e curdos no norte, que representam ameaças significativas à estabilidade interna do Irã", afirmou. "Mas, mesmo assim, eles não sabem bem quem vai ficar por cima. E então basicamente financiam todo mundo".
O novo primeiro-ministro do Japão, this web Shinzo Abe, and e o presidente sul-coreano, viagra 40mg Roh Moo-hyun, concordaram afirma em se encontrar para melhorar o relacionamento entre os países, afirmou um porta- voz do governo japonês.

Mas alguns analistas dizem que os vizinhos asiáticos não conseguirão retomar uma diplomacia normal e realizar encontros, a não ser que Abe prometa deixar de visitar um memorial em Tóquio, considerado por Seul como símbolo do passado militarista do Japão.

O acordo entre Abe e Roh foi fechado durante conversa por telefone de 15 minutos, disse em entrevista à imprensa Hiroshige Seko, assessor especial de Abe encarregado de relações públicas. Abe, 52, tornou-se nesta semana o mais jovem líder japonês desde a Segunda Guerra Mundial. Ele disse a repórteres que propôs reunir-se com o presidente sul-coreano em uma data próxima.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"Eu lhe disse que somos de uma geração mais jovem e deveríamos desenvolver um relacionamento de confiança que nos permita manter em contato próximo", afirmou Abe a rep órteres, acrescentando que o encontro deve acontecer sem condições prévias. A Coréia do Sul evitou encontros com Junichiro Koizumi, antecessor de Abe e que deixou o cargo nesta semana, porque ele visitou o templo Yasukuni, que homenageia líderes japoneses condenados por crimes de guerra, ao la do de mortos em combates.

O tom de Seul sobre o acordo sugere que Roh pode ter menos pressa do que Abe.
"Os líderes dos dois países podem se encontrar em um momento apropriado e trocar impressões sobre a promoção do relacionamento entre Coréia do Sul e Japão, e assuntos ligados ao tema podem ser debatidos através de canais diplomáticos", disse em comunicado a Casa Azul, sede do governo sul-coreano. 

"Roh ressaltou que a confiança e o respeito entre Coréia do Sul e Japão são de extrema importância para o desenvolvimento estável dos dois países, e disse que prevê que os relacionamentos vão se desenvolver e que a paz regional e a cooperação vão se fortalecer com a posse do primeiro-ministro Abe", afirmou o comunicado. O principal porta-voz do governo japonês, Yasuhisa Shiozaki, admite que não será fácil retomar os contatos diplomáticos regulares e visitas. "Considerando as atuais rela ções entre Japão e Coréia do Sul, não é fácil retomar a regularidade como se pode imaginar".
O líder da Al Qaeda no Iraque instou seus seguidores a capturar reféns estrangeiros para pressionar pela libertação de um clérigo muçulmano preso nos Estados Unidos, seek segundo uma fita de áudio divulgada hoje na Internet.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"Peço a todo guerreiro sagrado no Iraque a se esforçar durante esse mês sagrado (Ramadã)… para capturar alguns cães cristãos, para que possamos libertar nosso xeique aprisionado", afirmou a voz na fita, identificada como sendo Abu Hamza al-Muhajir.

Ele se referia ao cl érigo egípcio Omar Abdel-Rahman, preso devido a acusações relacionadas ao atentado a bomba do World Trade Center em 1993, em Nova York. A autenticidade da fita não pôde ser verificada, mas foi colocada em websites usados por militantes.
O governo argentino afirmou hoje que as ameaças recebidas por juízes e promotores que estão trabalhando em casos de repressão ilegal durante a ditadura militar não imped irão a punição aos culpados.

O ministro do Interior, cost Aníbal Fernández, confirmou as informações sobre as cartas com ameaças que os juízes receberam, especialmente Carlos Rozanski, presidente do tribunal que condenou este mês o ex-repressor Miguel Etchecolatz à prisão perpétua.
Uma teste munha desse mesmo caso, Jorge Julio López, está desaparecida há dez dias. Em seu depoimento, López identificou Etchecolatz como seu torturador, tendo sido uma testemunha-chave para a condenação.

O governo não descarta nenhuma possibilidade, mas teme que se trate de um sequestro para amedrontar as testemunhas de outras dezenas de julgamentos de crimes cometidos durante a ditadura, em processos que foram abertos nos últimos meses depois da anulação das leis de anistia.

"As próprias ameaças a Rozanski são um elemento que nos mostra que não estamos em território livre para trabalhar tranquilamente. Mas ninguém disse que ia ser fácil", afirmou Fern ández à Rádio 10.

"O presidente (N éstor Kirchner) disse que não há pacto de impunidade para ninguém. Não vamos ser detidos, ninguém vai nos deter", acrescentou. Durante a ditadura (1976-1983), cerca de 30 mil pessoas desapareceram na Argentina, segundo organiza ções de defesa dos direitos humanos, entre integrantes de grupos de oposição armada ao regime e jovens sem nenhuma atividade política.

Jorge Eduardo Auat, promotor federal da cidade de Resistencia, na província do Chaco, que está atuando em casos de repressão durante a ditadura, afirmou que recebeu a carta, segundo a qual, se ele prosseguir com a investigação, será julgado por um tribunal "imparcial".

"A carta é uma espécie de advertência de que essas causas avançam porque respondem a interesses políticos. Dizem que esses grupos estariam nos pressionando e sugerem que nós, que estamos investigando, não nos deixemos pressionar", afirmou ele à rádio.
Na noite de ontem, milhares de pessoas se reuniram na Plaza de Mayo, em Buenos Aires, para pedir a devolução com vida da testemunha desaparecida.

Os bancários de São Paulo devem promover uma greve por tempo indeterminado se não conseguirem um acordo com a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban).

Segundo o presidente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, nurse Luiz Cláudio Marcolino, remedy a categoria espera que a Fenaban apresente uma nova proposta para ser apreciada em assembléia, na próxima quarta-feira. Caso contrário, os trabalhadores pretendem começar a paralisação na quinta-feira que vem.

“A greve de 24 horas feita esta semana serviu para homogeneizar e fortalecer os bancários”, avaliou, referindo-se à manifestação de ontem, quando a categoria fez uma greve nacional de 24 horas.

De acordo com o sindicato, 279 agências e centros administrativos ficaram fechados ontem na capital paulista e em Osasco. O movimento teve participação de 34 mil bancários.

Na sexta rodada de negociação entre os sindicalistas e a Fenaban, os empresários ofereceram um reajuste salarial de 2%. Os trabalhadores afirmam que a proposta, apresentada depois de 50 dias de discussões, não repõe a inflação de 2,85% acumulada entre setembro de 2005 e agosto deste ano.

Os bancários reivindicam 7,05% de aumento real e participação nos lucros de um salário, mais R$ 1,5 mil, acrescidos de 5% do lucro líquido, distribuídos de forma linear entre os funcionários dos bancos.

 






Você pode gostar