Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Brasil

São Paulo recebe primeira remessa de 79,4 mil vacinas contra a dengue

Doses serão destinadas para cidades do Alto Tietê; imunização será para crianças de 10 e 11 anos

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS)

A Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo anunciou nesta segunda-feira (12) ter recebido na última sexta-feira (9) 79,4 mil doses do imunizante contra a dengue enviadas pelo Ministério da Saúde para dar início à campanha de vacinação contra a doença no estado.

De acordo com a pasta, o PNI (Plano Nacional de Imunização), diante do número limitado de doses, orientou que a vacinação seja iniciada em crianças de 10 e 11 anos nos 11 municípios do Alto Tietê previamente definidos pelo ministério.

A Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal da Saúde, chegou a enviar um ofício ao ministério no dia 30 de janeiro solicitando a distribuição de doses da vacina à capital paulista. A cidade registra alta nos casos da doença, mas ficou de fora da lista de municípios prioritários para o início da vacinação.

A administração municipal da capital confirmou na quinta-feira (8) a primeira morte por dengue da cidade em 2024. Até agora, o estado de SP tem 9 óbitos confirmados, sendo dois na Grande São Paulo, de acordo com o Painel de Monitoramento do governo estadual.

O Ministério da Saúde disponibilizou o imunizante para 16 estados e o Distrito Federal, priorizando aqueles com alta transmissão da doença e incidência do sorotipo 2 do vírus.

Veja a lista das cidades paulistas que receberão o imunizante

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Município – Região – Quantidade
Guarulhos – Alto Tietê – 34.270
Suzano – Alto Tietê – 8.409
Guararema – Alto Tietê – 800
Itaquaquecetuba – Alto Tietê – 10.960
Ferraz de Vasconcelos – Alto Tietê – 4.994
Mogi das Cruzes – Alto Tietê – 12.143
Poá – Alto Tietê – 2.834
Arujá – Alto Tietê – 2.343
Santa Isabel – Alto Tietê – 1.423
Biritiba-Mirim – Alto Tietê – 821
Salesópolis – Alto Tietê – 419

Membros do Ministério da Saúde avaliam que a situação da dengue é preocupante porque, atualmente, quatro sorotipos estão circulando no país ao mesmo tempo.

No último informe do COE (Centro de Operações de Emergência) da pasta, divulgado neste sábado (10), o Brasil tinha 62 mortes pela doença e 408.351 casos prováveis de dengue. Foram contabilizados 4.587 casos graves e 279 óbitos estão em investigação.

A previsão do governo é vacinar cerca de 3,2 milhões de pessoas em 2024. O esquema vacinal será composto por duas doses, que serão aplicadas em um intervalo de três meses. O Ministério da Saúde informou que adquiriu todas as 5,2 milhões de doses do imunizante -chamado Qdenga- disponibilizadas pela farmacêutica Takeda para este ano. Elas serão entregues em etapas até o mês de novembro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A pasta indica que há uma projeção de que o Brasil tenha em 2024 cerca de 4,2 milhões de casos de dengue. O número diverge da estimativa dada no final de 2023, quando a secretaria de Vigilância em Saúde e Ambiente da pasta, Ethel Maciel, afirmou que no pior cenário o país poderia chegar a 5 milhões de casos.

Segundo dados pasta, o ano de 2023 teve 1,6 milhão de registros prováveis, indicando a possibilidade de quase três vezes mais casos neste ano em relação ao período anterior.

O Brasil fechou o ano passado com um recorde de mortes por dengue, com 1.094 óbitos. Os dados foram extraídos do Sinan (Sistema de Informação de Agravos de Notificação). O recorde anterior ocorreu em 2022, com 1.053 óbitos. O terceiro ano com mais mortes foi 2015, com 986 vítimas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar