Brasil

Mais de 890 ex-alunos da Faculdade de Direito da USP pedem impeachment de Bolsonaro

O texto critica, principalmente, a condução da epidemia da Covid-19, mas ressalta os ataques ao Judiciário e à imprensa

Sessão Solene do Conselho Universitário em comemoração aos 190 anos de criação da Faculdade de Direito . Local: Salão Nobre da FD. Foto: Cecília Bastos/USP Imagem

Um grupo de ex-alunos da Faculdade de Direito do Largo São Francisco, da USP, divulgou, na segunda (18), uma carta aberta pedindo o impeachment do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Até a manhã desta terça (19), o abaixo-assinado online reunia 894 assinaturas.

Nomes como Dora Cavalcanti, Sebastião Tojal, Pierpaulo Bottini, Igor Tamasauskas, Dalmo Dallari, Eugênio Bucci, Sérgio Renault e Floriano de Azevedo Marques Neto, diretor da faculdade, endossaram o documento.

O texto critica, principalmente, a condução da epidemia da Covid-19, mas ressalta os ataques ao Judiciário e à imprensa.

“É preciso exigir do atual presidente da Câmara dos Deputados -e dos principais concorrentes à sua sucessão- um compromisso público para recompor a normalidade no exercício do cargo máximo desse país”, diz o texto.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“E é o que pretendemos aqui: sendo guardião da decisão que inicia o processo de impedimento, exigimos que ultrapasse a sua inexplicável inércia; dos candidatos, que se empossados, rejeitem a omissão, cumpram seu dever e deem à nação o direito de respirar democraticamente: instaurem o processo de impedimento!”, segue a carta.

Leia a íntegra do texto:

“Somos privilegiados em um país com pouca instrução, fruto da desigualdade que nos posiciona ao lado das mais atrasadas nações. Somos ainda mais privilegiados porque pudemos receber nossos estudos na tradicionalíssima Faculdade de Direito do Largo de São Francisco, integrante da Universidade de São Paulo, cuja divisa é Scientia Vinces!

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Por isso mesmo, temos o dever de romper o silêncio.

Entendemos o Direito, fruto do consenso democrático, como o fundamento para a convivência social pautada pelas conquistas civilizatórias. A Constituição, expressão máxima desse consenso, disciplina o funcionamento das instituições que nos governam, sob os princípios fundamentais dos primeiros artigos, notadamente para o dever de promoção do bem a todos os brasileiros.

É justa a expectativa da sociedade em relação aos governantes, quaisquer deles, que nos provejam de planos e decisões aderentes a essa busca de bem comum. Nos tempos turbulentos de pandemia, nada é mais urgente que a saúde, expressa na forma de planejamento, fomento à pesquisa, aquisição e distribuição de insumos, empoderamento da ciência e da medicina na forma de cuidado a todos e a cada cidadão.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Essas expectativas viram-se frustradas em relação ao poder central. E não somente por incúria. Foi preciso uma entidade privada – o Twitter – agir para sinalizar como mentirosa afirmações do Presidente da República e do Ministério da Saúde quanto à ineficácia criminosa de pseudo-tratamentos contra a COVID-19. Precisamos repetir para entendermos a gravidade da situação: nosso Ministério da Saúde, contrariando a ciência, o bom-senso, o dever de nos prover de proteção, foi repreendido publicamente por faltar à verdade com um país assolado com mais de 200 mil oficialmente mortos por COVID. Mentiu para agradar o líder de uma turba de genocidas que acabaram alçados a dirigentes do nosso país numa das piores trapaças da história.

Se é dever democrático aguardar a próxima rodada eleitoral para cobrar a responsabilidade política de maus gestores, a Constituição nos confere um botão de pânico quando o risco de continuidade de um mau mandato coloca em xeque o funcionamento do próprio Estado e a vida dos nossos cidadãos. É o que, infelizmente, temos vivido em especial nesses últimos 12 meses.

Na pré-pandemia, fomos brindados com insidiosos ataques ao Judiciário, à mídia e a vozes que ousaram se contrapor ao governo; ao lado de tudo isso, muitas vidas perdidas e outras tantas colocadas em sério risco. Hoje, brasileiros de Manaus não conseguem respirar; amanhã poderão ser outros nacionais. Temos de cobrar responsabilidade – jurídica e política – de quem nos trouxe a esse caos pela inação criminosa, mas sobretudo pela sistemático ataque a tudo que poderia minimizar o sofrimento e a perda no grau que observamos. Essa omissão tem nome e se chama Jair Messias Bolsonaro. Os ataques também possuem o mesmo nome. É certo que outros agentes públicos possuem responsabilidade pelo estado de coisas e deverão ter suas contas tomadas.

É preciso exigir do atual Presidente da Câmara dos Deputados – e dos principais concorrentes à sua sucessão – um compromisso público para recompor a normalidade no exercício do cargo máximo desse país. E é o que pretendemos aqui: sendo guardião da decisão que inicia o processo de impedimento, exigimos que ultrapasse a sua inexplicável inércia; dos candidatos, que se empossados, rejeitem a omissão, cumpram seu dever e deem à nação o direito de respirar democraticamente: instaurem o processo de impedimento! Basta!”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Folha Press






Você pode gostar