Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Brasil

Áudio sobre carona de motorista da Uber que se passa por instrutor viraliza; empresa indica ser fake news

Na gravação, uma mulher, que se identifica como Camila, afirma que sofreu uma tentativa de sequestro por um motorista da Uber

Um áudio que circulou as redes sociais durante esta semana, principalmente o WhatsApp, emite um alerta aos usuários de carros de aplicativos. Na gravação, uma mulher, que se identifica como Camila, afirma que sofreu uma tentativa de sequestro por um motorista da Uber, e detalha a situação vivida.

Ela conta que solicitou um carro e, ao localizar o veículo e confirmar se a placa e modelo batiam com as apresentadas no aplicativo, se aproximou para entrar. Quando chegou perto, notou haver mais um homem, além do motorista, no interior do automóvel.

“O cara do banco do passageiro abriu o vidro e disse: ‘Camila, é o seguinte, eu sou instrutor da Uber! Não se preocupa, o motorista é novo e eu estou instruindo ele. Nós vamos seguir viagem normal para o seu destino, não se preocupa!”, disse.

Estranhando a situação, sem nunca ter escutado sobre qualquer categoria de uso de instrutor na empresa, Camila afirma que preferiu dizer ao motorista que iria cancelar a corrida. Ela afirma que os dois ainda tentaram insistir e passar segurança na viagem, mas ela foi irredutível na decisão.

“Eles falaram para eu não me preocupar, mas eu nunca vi isso. Então pedi outro Uber e ele me confirmou que isso não existe e era uma tentativa de sequestro”, continuou.

Por fim, a mulher, com identidade não confirmada pela reportagem, afirma que grava o áudio como um alerta a outras mulheres. Ao fim da fala, ela diz: “Eu estou chocada, repassem e nunca entrem em um carro com passageiro lá dentro, independente do que falem”.

É Fake News!

Procurada, a Uber confirmou que áudios com essa mesma história correm desde 2017. No entanto, assegurou se tratar de uma notícia falsa.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A empresa, de fato, não autoriza que motoristas mantenham acompanhantes enquanto estão conduzindo as viagens. Ou seja, se o passageiro avistar o cenário descrito no áudio, não deve entrar, assim como a suposta Camila o fez.

O que faz com que a história seja fake news, é que não existe qualquer confirmação de crime com base nestas descrições na Uber.

Outras variações da mesma história são compartilhadas nas redes sociais, como furtos no lugar do sequestro.

No caso deste áudio em específico, a empresa encaminhou ao Jornal de Brasília, um link do site Boatos, que contém uma ramificação desta mesma situação.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

É importante ler as diretrizes da empresa e jamais aceitar nenhuma conduta, por parte do motorista, que fuja das confirmadas oficialmente.








Você pode gostar