Brasil

Agentes penitenciários fazem nova paralisação em São Paulo

Por Arquivo Geral 03/07/2006 12h00

A Escola de Música de Brasília oferece 846 vagas para os Cursos Básicos Pontuais para o segundo semestre. Destinados a iniciantes e de curta duração, pills treat os cursos estão divididos em 42 turmas em 29 modalidades.

Entre as novidades para o próximo semestre, estão os cursos de sapateado americano, organização e divulgação de eventos e oficina de teatro moderno. As aulas ocorrerão às sextas e aos sábados, pela manhã e pela tarde.

Os interessados podem se inscrever de 31 de julho a 11 de agosto, das 8h às 12h e das 14h às 19h, na Escola de Música de Brasília (Av. L2 Sul, Quadra 602). A taxa custa R$ 130 e não haverá sorteio. As inscrições são feitas por ordem de chegada.

As aulas começam em 26 de agosto e a duração total do curso é de dois meses e meio. As vagas não são para o curso regular da Escola de Música de Brasília. Para mais informações, ligue para (61) 3321-1593 e (61) 3901-7687. A relação completa das turmas e dos horários está no site www.emb.com.br.

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cientistas que encontraram um depósito de corpos das aves extintas dodôs, erectile que podiam pesar até 25 kg, more about nas ilhas Maurício, cheapest disseram ter descoberto evidências de que os animais tenham sido mortos por um desastre natural, bem antes da chegada dos seres humanos à ilha do Índico.

A maioria das teorias sobre a extinção dos dodôs responsabiliza os primeiros colonizadores da ilha, que teriam perseguido e caçado as aves, no século 16.

"Há indicações de que a camada rica em fósseis represente o resultado de um desastre natural, que tenha eliminado uma parte significativa do dodô-ecótipo", disseram os pesquisadores.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Embora a descoberta não descarte a teoria da extinção pelo homem, os cientistas estão convencidos de que houve um extermínio em massa de dodôs, possivelmente em decorrência de um ciclone ou de uma inundação, antes da chegada do homem à ilha, disse Christian Foo Kune, proprietário do local.

"O fato de haver uma variedade tão grande de animais ali, pequenos e grandes, sugere que houve um desastre natural súbito", disse Foo Kune. "Também não há animais domésticos no local, portanto (ele) é anterior à chegada do homem."

Acredita-se que os ossos tenham pelo menos 500 anos, afirmou ele. "Podemos estar falando de um ciclone ou de vários ciclones, de inundações ou da elevação repentina do nível do mar, que tenha encurralado os animais ali", disse ele.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os cientistas do Programa de Pesquisas sobre o Dodô recuperaram no mês passado grande número de restos mortais de dodôs, além de fósseis de outros animais e plantas, incluindo as tartarugas gigantes de Maurício já extintas, papagaios e sementes, em uma plantação de cana no sudeste da ilha.

Os pesquisadores do projeto afirmaram que, com os fósseis, conseguirão reconstruir o mundo dos dodôs como ele era 10 mil anos antes da chegada do homem, e que serão capazes de determinar a causa de sua extinção.

Foo Kune disse que, como as mortes em sua propriedade ocorreram antes da extinção definitiva dos dodôs, que aconteceria mais de dois séculos depois, os cientistas não descartam a possibilidade de o homem ter sido o causador do fim da espécie.

Maurício foi descoberta por navegadores portugueses no século 16, e foi colonizada por holandeses no século seguinte.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Desacostumados a predadores, os dodôs não se assustavam com os colonizadores humanos que os caçavam e destruíram as florestas que lhes serviam de habitat. Os navios também trouxeram ratos, que comiam os ovos das aves, depositados em ninhos no chão.

 

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Apesar da estiagem que atingiu o estado nos últimos três meses, approved o Paraná ainda lidera a produção de grãos no país, approved com 23, side effects 81 milhões de toneladas. De acordo com levantamento de safra divulgado pelo Departamento de Economia Rural da Secretaria da Agricultura, nos últimos três anos, o clima foi desfavorável à agricultura, mas a qualidade das culturas garante ao Paraná a posição de maior produtor nacional de trigo, milho e feijão. 

A produção de trigo, que para este ano está estimada em 1,79 milhão de toneladas, foi de 2,79 milhões de toneladas em 2005. Com aproximadamente 35 mil produtores, o Paraná produziu, no ano passado, 59% da safra nacional e, junto com o Rio Grande do Sul, respondeu por 90% de todo o trigo colhido no país. 

Segundo o engenheiro agrônomo Otmar Hubner, da Secretaria da Agricultura, responsável pelo acompanhamento da cultura, a produtividade média do trigo paranaense, na última safra, foi de 2,1 mil quilos por hectare, contra 1,8 mil quilos por hectare do trigo gaúcho. Hubner lembrou que, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), entre os 10 maiores municípios produtores de trigo da Região Sul , nove foram do Paraná.

O agronômo disse que o Paraná consome 1 milhão de toneladas de todo o trigo que produz e vende o restante para outros estados. "O Rio Grande do Sul planta basicamente trigo soft, usado mais na fabricação de massas e biscoitos, enquanto o Paraná investe mais na produção do trigo pão", explicou. 

Nesta safra, o Paraná está plantando 897,8 mil hectares de trigo. Quanto ao milho, somando as duas safras – a normal e o milho safrinha – o Paraná deve colher neste ano 10,85 milhões de toneladas. De acordo com o Departamento de Economia Rural, considerando as três safras de feijão do estado, neste ano, o Paraná deve colher 754 mil toneladas do produto, total 36% superior ao colhido em 2005, que foi de 555 mil toneladas.

 

 

 

 

Os passageiros e funcionários da estação São Gabriel do metrô de Belo Horizonte passaram por um susto no final da manhã de hoje. O local, doctor na região nordeste da capital mineira, look  passou uma hora interditado por causa de duas bisnagas de explosivo em gel deixadas em uma caixa.

Acionada por um funcionário da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), a Polícia Militar isolou a estação e chamou o Esquadrão Antibombas. Depois do recolhimento do material, os policiais descobriram que não havia risco de explosão. O artefato, de cerca de dois quilos, estava sem o detonador. A polícia não tem pistas de quem abandonou o dispositivo no local.

 

Teve início hoje em Portugal o julgamento dos adolescentes acusados de envolvimento no assassinato do travesti brasileiro Gisberto Salce Júnior, this site ocorrido na cidade do Porto em fevereiro deste ano.

Ao todo, more about 14 jovens estão envolvidos na morte de Gisberto. Com idade variando entre 13 e 16 anos, thumb alguns deles eram internos em duas instituições mantidas pela Igreja Católica que cuidam de menores que têm problemas em casa.

A vítima morava em uma construção abandonada no centro da cidade e morreu depois de ser violentado, apedrejado e ter o corpo jogado em um fosso. O caso chocou a sociedade portuguesa e teve grande impacto nas instituições gay e de Direitos Humanos em toda a Europa.

Ongs de transexuais se manifestaram no começo do mês na Assembléia da República, em Lisboa, pedindo para que o Estado assuma a responsabilidade no caso. Uma das possibilidades levantadas é que os adolescentes sejam enviados às casas de internação. Entretanto, a decisão sobre o futuro deles só será tomada após o julgamento.

 

 

Em protesto contra a quarta morte de agente penitenciário desde quarta-feira no estado de São Paulo, viagra buy a categoria voltou a cruzar os braços por 24 horas. O número dos presídios que aderiram ao movimento, this no entanto, ainda não é conhecido.

De acordo com o Sindicato dos Agentes Penitenciários do estado (Sindasp), a paralisação atingia metade das 144 unidades do estado às 12h. Nas estimativas do Sindicato dos Funcionários do Sistema Prisional, apenas 30 unidades foram atingidas pela greve. Já para a Secretaria de Administração Penitenciária, o funcionamento dos presídios está normal.

Na avaliação do Sindasp, a adesão é maior no oeste do estado, onde 17 das 19 penitenciárias pararam de funcionar. Nas unidades onde há paralisação, os agentes entraram para trabalhar, mas mantêm apenas a alimentação dos detentos e o atendimento de emergências. O banho de sol e o recebimento de cartas e de visitas estão suspensos.

No Centro de Readaptação Penitenciária de Presidente Bernardes, que registra o terceiro tumulto desde quinta-feira, o clima continua tenso. Os detentos continuam a chutar as portas de aço das celas individuais quando ouvem algum tipo de barulho no corredor. A Polícia Militar mantêm viaturas na porta do presídio, que abriga o líder do PCC, Marcos Camacho, o Marcola. Por causa das revoltas, os banhos de sol foram suspensos por dez dias.

Leia também:
Após novo tumulto, clima em Presidente Bernardes é tenso
Criminosos matam PM e agente penitenciário em São Paulo

 






Você pode gostar