Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Na Hora H!

Mulher perde parte do nariz após cirurgia estética

A esteticista Elielma Carvalho Braga, de 37 anos, teve sua vida mudada após um procedimento estético para diminuir o tamanho do nariz

Foto: Arquivo pessoal

A esteticista Elielma Carvalho Braga, de 37 anos, teve sua vida mudada após um procedimento estético para diminuir o tamanho do nariz. Ela teve uma necrose no lugar da cirurgia, resultando na perda de parte do nariz.

A cirurgia estética que Elielma passou foi a alectomia, um procedimento que reduz as chamadas “asas nasais”, deixando o nariz menos largo. A cirurgia foi feita pelo dentista Igor Leonardo Nascimento em julho de 2020, em Aparecida de Goiânia, região metropolitana da capital de Goiás.

Dor e trauma

Logo após a cirurgia, parecia que estava tudo bem. Elielma foi para casa se recuperar e tomou alguns medicamentos para dor e um antibiótico. No entanto, cerca de uma semana depois, ela começou a passar mal e sentir fortes dores.

A mulher procurou um hospital e passou a ser acompanhada por um médico-cirurgião. Isso por haver a necrose do tecido do nariz dela. Elielma perdeu parte do nariz e ficou com essa parte do rosto bastante deformada.

Elielma contou que passou por mais de 13 cirurgias, inclusive enxerto. Já retiraram parte da cartilagem da orelha. No rosto tem um espaço sem nada. Ela relata que só consegue respirar com dilatador, porque a narina fecha do lado esquerdo.

Justiça

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em novembro de 2020, a esteticista entrou na Justiça pedindo uma indenização por dano moral, já que teve “sequela estética grave, em razão da imperícia do profissional odontologista e especialista em estética”, segundo o advogado de Elielma.

O caso tramita na 3ª Vara Cível do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJGO) em Aparecida de Goiânia.

No processo, o dentista Igor Leonardo negou que houve imperícia ou imprudência. A defesa do profissional alegou que a paciente não teria seguido recomendações de higienização no pós-cirúrgico, o que teria provocado a necrose.

Procurado pela reportagem, Igor defendeu que não foi a alectomia que gerou o problema e sim uma síndrome chamada Nicolau, sendo uma complicação rara. Ele também disse que se sensibilizou com a situação da paciente e a ajudou financeiramente. “Infelizmente, nós profissionais da área estamos sujeitos a intercorrências que não são da nossa vontade”, disse o dentista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE








Você pode gostar