Siga o Jornal de Brasília

Na Hora H!

Ex-guerrilheiro morava no Ceará com a família até ser preso

Colombiano era procurado pela Justiça norte-americana

Letícia Perdigão

Publicado

em

PUBLICIDADE

Da redação
redacao@grupojbr.com

O colombiano Guillermo Amaya Ñugo, de 55 anos, preso pela Polícia Civil neste dia 17, é ex-guerrilheiro das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) e era procurado pelas autoridades do país dele e dos Estados Unidos. Ele é apontado como chefe de uma organização criminosa no tráfico internacional de drogas. 

A prisão ocorreu quando Guillermo chegava a uma escola para buscar a filha adolescente. Policiais federais cumpriram um mandado de prisão para extradição, decretado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) após pedido da justiça norte-americana. 

O delegado da Delegacia de Repressão a Entorpecentes (DRE) relata que a Polícia Federal no Ceará recebeu a informação sobre a suspeita da presença do colombiano uma semana antes da prisão, após investigação da Coordenação de Repressão a Entorpecentes da PF em Brasília e do Drug Enforcement Administration (DEA, Órgão para Combate a Drogas) do departamento de Justiça dos Estados Unidos. 

De acordo com a polícia, o colombiano usava um nome falso e entrou a pé no Brasil pelo município de Pacaraima-RR. Após ser interrogado pela polícia, o preso disse que estava em fortaleza há três meses. Ele morava em um duplex de luxo na companhia da esposa e de duas filhas. 

Guillermo está preso na Superintendência da Polícia Federal no Ceará e está à disposição da Justiça norte-americana. A PF instaurou um inquérito para investigar o crime de falsa identidade, que será apurado independente da extradição. 


Leia também
Publicidade
Publicidade
Publicidade