fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Na Hora H!

Duas funcionárias da Grande Loja Maçônica de SP denunciam assédio sexual

Em resposta, Xavier afirma que a denúncia provém de um pequeno grupo que teria ficado insatisfeito com a posse dele no cargo de liderança da Glesp

Avatar

Publicado

em

Foto: Reprodução/Facebook
PUBLICIDADE

O Grão-Mestre da Grande Loja Maçônica do Estado de São Paulo (Glesp) João José Xavier está sendo acusado de assédio sexual. No último dia 2, o advogado de duas funcionárias da instituição apresentou uma notícia-crime no Ministério Público de São Paulo. As informações são do jornal Folha de S.Paulo.

Em resposta, Xavier afirma que a denúncia provém de um pequeno grupo que teria ficado insatisfeito com a posse dele no cargo de liderança da Glesp. Ele foi eleito no ano passado. De acordo com Xavier, o “pequeno grupo” tenta, “de forma vil e vingativa, denegrir sua honra.”

As vítimas afirmam que o assédio piorou quando Xavier, que é casado, virou grão-mestre na instituição, em 2019.

“Ele começou a me chamar com frequência no gabinete, e a mostrar vídeos de mulheres de bunda de fora”, disse uma das mulheres à Justiça. A funcionária afirmou ainda que Xavier elogiava os seios dela e também teria pedido que a vítima fizesse faxina em seu gabinete, o que não seria atribuição dela.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

As duas funcionárias afirmaram que não denunciaram o acusado antes por medo de perderem o emprego. Neste ano, em meio a pandemia, ambas foram demitidas. Segundo a outra vítima, Xavier dizia que a imaginava sem roupa e falava indecências em seu ouvido.

Três testemunhas contaram à Justiça que presenciaram o assédio. Uma das mulheres relatou que, 15 dias antes da demissão, Xavier falou que ele e a vítima ficariam sozinhos no gabinete dele, devido a um revezamento por causa da pandemia. Depois de faltar ao trabalho, ela foi demitida pelo investigado.

Em nota à Folha, a Glesp promete apurar os fatos “de forma imparcial e justa” e responsabilizar eventuais culpados. Diz ainda ser “indiscutível que fatos gravíssimos estão sendo imputados a um membro de nossa instituição, os quais acabam por atingir a imagem e a honradez que possuímos perante a sociedade”.




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade