Siga o Jornal de Brasília

Mundo

Clima no Equador vai de tensão e protestos a alívio e comemoração

Nos bairros de classe média, pessoas que haviam ficado o dia inteiro em casa desciam, conversavam em grupos. O toque de recolher ficou para trás

Publicado

em

Fotos: Reuters
Publicidade

Quando Lenín Moreno, presidente do Equador, e Jaime Vargas, líder indígena, terminaram de falar, na primeira parte do diálogo iniciado às 17h30 (19h30 em Brasília) deste domingo (13), os equatorianos estavam desconsolados. Ouviam-se algumas panelas batendo nos edifícios, e as fogueiras do acampamento de El Arbolito, epicentro dos protestos em Quito, se faziam notar por sua usual fumaça negra.

Durante a primeira rodada de intervenções, os dois líderes pareciam muito longe de chegar a um acordo sobre o decreto do governo que retirava o subsídio aos combustíveis, motivo que ocasionou a onda de protestos. O presidente equatoriano dizia que o decreto era necessário porque quem lucrava com ele eram “os contrabandistas, os narcotraficantes, gente que já tem muito dinheiro”. Estava tenso e com tom desafiador.

Já o presidente da Conaie, que congrega as principais agremiações indígenas, foi também duro em suas respostas. Com a cara pintada e as roupas típicas, afirmava encarando Moreno que não haveria negociação de paz possível se o decreto não fosse derrogado na mesma noite.

Enquanto isso ocorria, o assunto nas ruas de Quito era como iria ser uma nova semana com distúrbios, as aulas estavam suspensas há onze dias, boa parte do comércio fechado, e a cifra de mortos vinha aumentando. O cheiro de fumaça e de gás lacrimogêneo impedia o trânsito dos pedestres na região central, e as dificuldades para locomoção deixou negócios e turistas parados.

A demora de ambos em voltar para finalizar a negociação não parecia bom agouro. Os indígenas retornaram antes à mesa, enquanto Lenín Moreno demorava. Depois de mais de uma hora de espera, o mandatário retornou com outro aspecto. Estava com olhar mais brando, a fala mais pausada. Por fim, anunciou a derrogação do decreto.

As ruas de Quito foram tomadas pela festa. Por volta das 23h (13h de Brasília), indígenas estavam correndo desde o parque El Ejido e pela avenida 6 de Dezembro, gritando “ganhamos, ganhamos!”. Outros subiam em caminhonetes e rodavam pelo local.

Ainda que governo e indígenas tenham a obrigação de conversar e chegar a um acordo sobre o novo decreto, e a rivalidade de Moreno com Rafael Correa continue a nublar o cenário, a segunda-feira começou no Equador com um alívio generalizado e uma esperança de um retorno ao cotidiano.


Você pode gostar
Publicidade