fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Mundo

Argentina prorroga quarentena até o fim de agosto

O setor gastronômico continuará funcionando apenas por meio de entrega em domicílio ou retirada com hora marcada no estabelecimento

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

Sylvia Colombo
Buenos Aires, Argentina

O presidente argentino, Alberto Fernández, anunciou nesta sexta-feira (14) que a quarentena continuará pelo menos até o dia 30 de agosto, sem alteração quanto às flexibilizações já feitas.

Há 15 dias, Fernández determinou que mais comércios não essenciais, além de barbearias e cabeleireiros, poderiam reabrir. Também liberou novamente um horário para correr e fazer atividades ao ar livre (das 18h às 10h) -academias e clubes continuam fechados.

O setor gastronômico continuará funcionando apenas por meio de entrega em domicílio ou retirada com hora marcada no estabelecimento.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Fernández disse que as regras não serão afrouxadas porque a curva de novos casos de coronavírus ainda está crescendo no país -com mais de 7.000 infeções diárias.

Segundo a Universidade Jonhs Hopkins, a Argentina tem 276.072 infecções e 5.428 mortes.

O presidente pediu que os jovens tenham consciência de que as reuniões sociais clandestinas levam risco às famílias e pediu a todos que “guardem os abraços e os encontros com os afetos para depois”.

Fernández afirmou também que o acordo feito com a Universidade de Oxford e o México pode significar que a Argentina tenha a vacina no começo do ano que vem. “Temos mais quatro meses e precisamos continuar sendo vigilantes até lá.”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Segundo ele, o sistema de saúde está aguentando a pressão da pandemia, mas o aumento de casos “é preocupante”.

Na próxima segunda-feira (17), feriado na Argentina, está marcada uma manifestação no centro da cidade, sob quarentena, contra a reforma judicial que o Executivo enviará ao Congresso e contra a política econômica -o país deve encolher 10% em 2020, segundo o FMI, e há mais de 300 mil novos desempregados desde o início da crise sanitária.

As informações são da FolhaPress




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade