Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Rejuvenescer

Nós envelhecemos porque os hormônios caem ou os hormônios caem e nós envelhecemos?

O questionamento acima levanta dúvidas a cerca da justificativa da causa e efeito do envelhecimento humano

Nós envelhecemos porque os hormônios caem ou os hormônios caem e nós envelhecemos?

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas – IBGE a expectativa de vida para homens e mulheres é, em média, de 76 anos, mas será que existe qualidade de vida nesses anos a mais? A julgar pelas estatísticas globais das apontadas doenças da idade, podemos então concluir facilmente essa resposta. Atualmente é comum escutarmos que diabetes, hipertensão, Parkinson, Alzheimer, artrite e artrose são doenças que farão parte do cotidiano do novo velho.
A partir do momento que nós adotamos doenças como “normais” para o envelhecimento, assumimos a incapacidade de conduzir a saúde humana neste século. Eu Dr. Marcus Vinicius Souza Silva formado pela Universidade de Alfenas – MG em 2014 durante alguns atendimentos de clínica médica me deparei com uma medicina estática, sem perspectiva porque os pacientes portadores de doenças crônicas como diabetes, hipertensão sempre continuavam mais doentes e cada mais com combinações de dezenas de medicamentes.

Talvez, creio que na época, não se tinha o conhecimento atualizado da fisiologia que se tem hoje e por isso os pacientes continuavam doentes e com piora do quadro clínico. O tratamento era unicamente baseado em números, controles de sintomas, renovações de ‘’receitinhas’’ exames e para piorar sem perspectiva de melhora ou a resolução da grande maioria doenças. A partir disso percebi que o conhecimento que eu tinha adquirido eram norteados a um fim único: considerar doenças como normais.

Quando decidi ser médico tinha o conhecimento que nós tínhamos a capacidade de tratar e curar a grande maioria das doenças, mas em 2014 foi um choque de realidade e acabei desiludido. Cada vez que acompanhava os ambulatórios percebia que a renovação de receitas era mais comuns e a dádiva médica de poder ajudar o próximo se perdia naquele momento. Foi quando decidi procurar conhecimentos mais atualizados da medicina preventiva. Foi então que decidi ser presidente da liga de nutrologia da universidade e seguir meu próprio caminho.

Durante alguns anos publiquei 6 artigos em revistas internacionais e tive o privilégio de conhecer um grande gênio da medicina contemporânea Dr. Ítalo Rachid. Como mentor e mestre foi me ensinado a introdução ao mundo da hormonologia e longevidade. Durante os cursos tive a honra de ter o contato com fisiologia humana curativa, não mais baseado em doenças e sim em tratar a saúde. Já não adotamos mais doenças crônico-degenerativas como normais, na verdade são estados fisiológicos que facilmente podem ser conduzidos quando existe um contato médico e paciente, não mais com consultas de 15 minutos e sim horas. Durante as consultas, através de uma boa anamnese, conseguimos diagnosticar inúmeras alterações fisiológicas e hoje tenho o conhecimento que com apenas um termômetro consigo tratar diversas alterações metabólicas sem nem se quer um exame.

Caros leitores, já se perguntaram por que o metabolismo de vocês cai com a idade? Então vou adiantando que a temperatura corporal abaixo de 36.3 graus mostra insuficiências hormonais importantíssimas que nenhum exame laboratorial poderia diagnosticar. Então a medicina voltada para a individualidade, especificidade, sinais e sintomas do ser humano é que deve ser reestabelecida, assim como na Grécia antiga, quando as queixas e sintomas ditos pelos pacientes eram o que realmente importavam. Bom, vocês devem estar ai se perguntando como é feito esse tratamento? Basicamente a avaliação clínica hormonal é primordial, mas entender e compreender que o decaimento hormonal já se inicia após os 21 anos é extremamente importante para dar seguimento. Basicamente o jogador de futebol cai seu rendimento aos 30 anos e vocês se perguntaram, por que disso? Aos 30 anos o homem perde cerca de 30% da capacidade testicular de produção de testosterona e por isso a capacidade regenerativa cai absurdamente, consequentemente seu rendimento. Conclusão os hormônios falam a favor da vida e lutam contra a envelhecimento.

Assim quando adotamos esse conceito como real podemos iniciar um tratamento e compreender que as doenças são acompanhas por quedas importantíssimas de níveis séricos hormonais e muitas vezes associados a processos inflamatórios lentos e graduais que são oriundos do estresse, poluição, alimentos com glúten, leite, processados, álcool e drogas. Mas todos esses eventos podem ser facilmente evitados se o médico prescritor tiver o conhecimento do efeito epigenético (meio externo influenciando a genética do indivíduo) dos alimentos e os diagnósticos de insuficiências hormonais como deficiências de hormônios a exemplo da melatonina, vitamina D, cortisol, hormônios tireoidianos, testosterona, GH e dezenas de outros hormônios.

Quando reestabelecemos os padrões hormonais deixando senhores e senhoras de 70 anos com um perfil metabólico hormonal de 25 anos, eles entrarão em um processo de rejuvenescimento metabólico e irão colher uma nova vida, com mais energia, saúde e muitas vezes sem doenças.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

É sobre isso que, a partir desta semana, conversaremos semanalmente na coluna Rejuvenescer!




Mais sobre Rejuvenescer



Você pode gostar