Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Entretenimento

Artane Inarde lança o EP “Tatuagem”

Cantora e compositora apresenta seu primeiro trabalho autoral

Tatuagem é o EP de estreia da cantora, compositora e poeta Artane Inarde. Uma das raras vozes femininas da MPB que interpreta suas próprias composições, Artane apresenta neste EP cinco de suas canções, “Tatuagem”, Coração Ligeiro”, “Rosa do Agora”, “Escada” e “Pequeno Plágio Sentimental”, sendo que as duas primeiras foram disponibilizadas antes como singles, em agosto e setembro, respectivamente. Nascida na cidade de Natal (RN) e morando atualmente em Belo Horizonte (MG), Artane Inarde incorpora às suas criações poéticas os ritmos nordestinos, as melodias e harmonias da MPB e também a música de Minas Gerais, através de seus parceiros, inspirados instrumentistas e compositores mineiros. Abrindo o EP, “Tatuagem” (feita com Ale Hilário) é uma canção de sabor pop que aborda de forma poética as imagens, símbolos e palavras que as pessoas trazem gravadas e expostas no corpo. A segunda canção, “Escada”, surgiu como poema durante uma caminhada. Ao elaborar os versos, a compositora pensou: “isto podia dar um samba”. E deu, nas cordas do violão de Ale Hilário. “Coração Ligeiro” (feita em parceria com Anderson Lobo) traz a cadência e o feitio sensual do xote nordestino e versa sobre o amor pleno, incapaz de ser represado e para o qual não há antídoto nem remédio. “Pequeno Plágio Sentimental” (também com Hilário), inspirada na relação da cantora com uma de suas avós, é uma canção sobre o amor infindo, e ajunta memória, saudade e gratidão. Em “Rosa do Agora” (coautoria de Hilário), construída como balada suave ao piano, a cantautora fala do despertar poético, do encontro com o belo e a poesia que podem estar em todas as coisas. Produzido por Ricardo Ulpiano e Thiago Peixoto, o EP “Tatuagem” é um lançamento Naza Music.

            Artane Inarde – Breve biografia

Poeta, contista, cantora e compositora, Artane Inarde nasceu na cidade de Natal (RN), em uma família de forte tradição musical. Começou a escrever poesia ainda na pré-adolescência, aos 12 anos, passando, mais tarde, a transitar também por outros gêneros literários. Tem diversos poemas publicados em livros e antologias nacionais e estrangeiros, entre os quais, “Rima do Gueto e “Estrelas” (O Livro das Marias II/Ixtlan 2020), “Como se seu fosse” e “Em vão” (Escrituras Negras II – As Marca/Ixtlan 2021), “Amar é Existir” e “Calar a Canção” (Elas e As Letras – Insubmissão Ancestral/In-Finita, Portugal, 2021) e os contos “Chega Logo”, publicado em “Histórias de Quarentena” (Helvetia 2021), e “Talvez Poesia”, publicado na coletânea “Mulheres das Letras – Ed. Esp. Salão do Livro de Genebra” (Editora Litere-se, 2021).

Em 2020 Artane participou do festival de música promovido pela Aliança Francesa, interpretando, no palco do Teatro Sesiminas (Belo Horizonte), “Demain C’est Toi”, da cantora Zaz, atuação que foi elogiada por músicos profissionais e compositores. Essa feliz experiência estimulou a escritora a considerar a música também como ofício.

Embora tenha se lançado primeiramente como escritora, Artane tem a música como sua primeira e constante paixão, uma história longa e intensa que até deu frutos inesperados: foi por circunstância dessa devoção que Artane trocou Natal por Belo Horizonte. “Fui ao Rio de Janeiro para assistir a um show de Paul McCartney e acabei conhecendo um mineirinho arretado”, conta. Morando na capital mineira desde 2010, Artane se sente “serenamente em casa”.

A descoberta de seus dons musicais aconteceu recentemente e meio por acaso, ela esclarece. “Fui levar meu filho para ter aulas de musicalização, no Instituto Villa–Lobos, e acabei me matriculando também, para estudar violão. E logo na primeira aula, ao cantar “Canção Amiga” (música de Milton Nascimento sobre um poema de Carlos Drummond de Andrade), o professor percebeu que eu tinha essa habilidade, à espera de ser apurada, ela se lembra. “Entrei para aprender violão e saí cantora”, comenta.

Artane elege Caetano Veloso, Milton Nascimento, Gilberto Gil, Alceu Valença, Geraldo Azevedo e Djavan como suas principais referências na música popular, e cita Marisa Monte, Mariana Aydar, Roberta Sá, Zeca Baleiro, Djavan e Anderson Lobo entre os compositores/intérpretes contemporâneos com que tem mais afinidade. A cantora inclui também em suas audições a música erudita, que veio a desfrutar melhor em Belo Horizonte, através dos concertos da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O EP “Tatuagem” é um lançamento Naza Music. Disponível nas plataformas digitais no dia 01 de outubro: https://bfan.link/Artane-Inarde-tatuagem

Lançamento do clipe Tatuagem no Youtube: https://www.youtube.com/channel/UCL5p-zX_PQD-dPJtalOWI7A








Você pode gostar