fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Economia

Dólar tem dia de forte oscilação e termina em queda, a R$ 5,51

O Banco Central melhorou projeções de crescimento para o Brasil, mas o quadro de cautela persiste no exterior

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

O dólar teve dia de forte oscilação nesta quinta-feira, 24, batendo em R$ 5,62 pela manhã e caindo para R$ 5,49 na parte da tarde. Após subir por quatro pregões consecutivos, acumulando alta de quase 7%, hoje a moeda americana devolveu parte dos ganhos, com o real registrando o melhor desempenho ante a moeda americana, considerando uma cesta de 34 divisas mais líquidas. O Banco Central melhorou projeções de crescimento para o Brasil, mas o quadro de cautela persiste no exterior e hoje Goldman Sachs e Morgan Stanley alertaram para chance de menor expansão pela frente nos EUA e Europa.

Dirigentes do Federal Reserve também não esconderam suas preocupações com a atividade econômica americana em uma série de pronunciamentos na tarde desta quinta-feira, mas o dia foi de maior apetite por risco nos Estados Unidos. Mas a sinalização dos democratas de um novo pacote fiscal ajudou a estimular a busca por risco e a enfraquecer o dólar no mercado internacional “Investidores estão desesperados por boas notícias”, disse a diretora de moedas da gestora BK Asset Management, Kathy Lien, citando que o secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, também mostrou disposição hoje em negociar um pacote fiscal.

Para o diretor da Mirae Asset, Pablo Spyer, as conversas para retomar as negociações de um pacote de estímulos nos EUA ajudaram a animar os investidores. Com isso, houve relatos de ingresso de capital externo, em busca de oportunidades na B3. No encerramento dos negócios, o dólar à vista terminou em queda de 1,37%, cotado em R$ 5,5106. No mercado futuro, o dólar com liquidação em outubro era negociado em baixa de 1,53%, em R$ 5,5060 às 17h, com volume de US$ 16 bilhões.

Moedas que caíram forte recentemente, como a libra, o dólar canadense, o euro e o peso mexicano hoje tiveram dia de recuperação. O dólar caiu na maioria dos emergentes. No Brasil, traders nas mesas de câmbio destacam que o dólar bateu em R$ 5,62, mas não se sustentou nesta patamar em meio à expectativa que o Banco Central pudesse intervir no mercado. “Isso segurou a alta, levando a um desmonte de posições”, disse um gestor de recursos. Ao mesmo tempo, o presidente da instituição, Roberto Campos Neto, dava entrevista à imprensa para comentar o relatório trimestral de inflação, mas não falou sobre o câmbio, se limitando a dizer que o BC está tranquilo em relação ao impacto do dólar para as projeções de inflação.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Apesar da queda de hoje, os estrategistas do Bank of America estão mais “cautelosos” com o real. A expectativa é de mais volatilidade pela frente, principalmente por conta do aumento do risco fiscal. Uma das dúvidas é se o teto de gastos será mantido em 2021. O BofA acredita que sim, mas até lá haverá muito barulho em Brasília, aumentando a pressão no mercado de câmbio. Nesse ambiente, a previsão do banco americano é de dólar encerrando 2020 em R$ 5,40.

Estadão Conteúdo




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade