fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Economia

Calendário do saque emergencial do FGTS segue inalterado

Apesar do prazo, de 60 dias, de validade da Medida Provisória (MP) nº 946/20 ter passado, a Caixa continuará com os saques

Avatar

Publicado

em

Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil
PUBLICIDADE

Apesar do prazo, de 60 dias, de validade da Medida Provisória (MP) nº 946/20 ter passado, a Caixa Econômica Federal informou que o calendário do saque emergencial do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) continua o mesmo. A proposição de 7 de abril de 2020 estabelecia o pagamento do benefício.

A Caixa irá liberar o saque emergencial semanalmente, de acordo com o mês de nascimento do trabalhador. O valor depositado é de até R$ 1.045. Veja o calendário abaixo:

Veja o calendário para recebimento do benefício:

  • Nascidos em janeiro: 29 de junho
  • Fevereiro: 6 de julho
  • Março: 13 de julho
  • Abril: 20 de julho
  • Maio: 27 de maio
  • Junho: 3 de agosto
  • Julho: 10 de agosto
  • Agosto: 24 de agosto
  • Setembro: 31 de agosto
  • Outubro: 8 de setembro
  • Novembro: 14 de setembro
  • Dezembro: 21 de setembro

Calendário de saque

Para sacar e/ou transferir o dinheiro, foi criado um segundo calendário. Veja:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
  • Nascidos em janeiro: 25 de julho
  • Fevereiro: 8 de agosto
  • Março: 22 de agosto
  • Abril: 5 de setembro
  • Maio: 19 de setembro
  • Junho: 3 de outubro
  • Julho: 17 de outubro
  • Agosto: 17 de outubro
  • Setembro: 31 de outubro
  • Outubro: 31 de outubro
  • Novembro: 14 de novembro
  • Dezembro: 14 de novembro

Com o término do prazo da Medida Provisória, os nascidos entre julho e dezembro poderiam ficar sem dispor do saque. No entanto, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), garantiu o saque extraordinário do FGTS emergencial, por meio de um projeto de lei que será votado até a próxima quarta-feira (12).

“O melhor caminho será um projeto de lei, que terá a urgência votada, e será analisado até quarta-feira que vem. E o projeto organiza os efeitos da medida provisória”, disse Maia.




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade