Siga o Jornal de Brasília

Cidades

Vítimas de acidente em barco no Acre começam a chegar ao ao Hran

Pacientes devem ficar internados de quatro a seis meses

A Unidade de Queimados do Hospital Regional da Asa Norte (Hran) recebe, nesta quinta-feira (13), quatro pacientes adultos, vítimas da explosão de um barco em Cruzeiro do Sul, no Acre, com queimaduras graves. O primeiro paciente chegou a Brasília logo após as 9h. Os outros três deverão desembarcar no Distrito Federal por volta das 20h. A previsão é de que eles fiquem internados no Hran, em tratamento, por um período de quatro a seis meses. O transporte dos pacientes está sendo feito por avião UTI da Força Aérea Brasileira (FAB).

A explosão do barco aconteceu no final da tarde da última sexta-feira (7). “Se não houvesse essa mobilização, os prognósticos deles seriam bem pior”, avalia o chefe da Unidade de Queimados do Hran, José Adorno. “Nosso propósito é resgatar essas vítimas com queimaduras graves e oferecer tratamento o mais precocemente possível, dadas as condições em que ocorreu o acidente”, esclarece José Adorno. Ele afirma: “Acionamos os quatro bancos de tecidos do país e solicitamos o apoio do Serviço Nacional de Transplantes, via centrais de regulação”.

Cooperação
A logística de transporte dos pacientes mobilizou diversos órgãos de governo. Os pacientes começaram a ser transportados ainda na manhã desta segunda-feira (10), numa operação logística articulada e colaborativa, envolvendo a Unidade de Queimados do Hran, a Sociedade Brasileira de Queimados (SBQ), a Presidência da República, o governo do Acre, a Força Aérea Brasileira, a Unidade de Queimados de Belo Horizonte, o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e toda a rede integrada do Sistema Único de Saúde.

Existem, no Brasil, 46 centros de tratamento especializado em queimaduras, a maioria pertencente ao SUS. “E qualquer unidade de queimados tem a responsabilidade territorial de atender todas as demandas nesse sentido”, enfatiza Adorno. Ele explica que a Secretaria de Saúde do DF concentrou esforços para viabilizar as vagas e atender às vítimas do Acre.

Serviço
O pronto-socorro da Unidade de Queimados do Hran funciona 24 horas por dia, com a presença de médico e enfermeiro especialistas em queimaduras. O serviço realiza de dez a 15 atendimentos por dia. Quem chega pelas portas do Ambulatório, é internado, se necessário, ou encaminhado para a continuidade do cuidado, como é o caso dos pequenos queimados. O Ambulatório atende 250 pacientes por semana, funciona de segunda a sexta-feira, com agenda aberta, pela manhã e à tarde.

Os pacientes internados no terceiro andar são classificados como grandes queimados ou queimados especiais (queimadura química, de face, mão, genitália, ou grandes queimados – adultos, acima de 20% do corpo, e crianças com mais de 10% de área corporal queimada).

Por ano, a unidade atende de 250 a 300 pacientes internados. Eles recebem cuidados de equipe multiprofissional, formada por médicos clínicos, cirurgiões, anestesistas, enfermeiros, fisioterapeutas, nutricionistas, psicólogos, assistente social, terapeuta ocupacional, além de psiquiatra, quando necessário.

Vítimas
Dos internados ao longo de um ano, as crianças representam de 40% a 50%. Os traumas decorrem de acidentes domésticos com líquidos quentes (água quente), inflamáveis (álcool, gasolina), choque elétrico, produtos químicos.

“Aqui, na unidade do DF, além de atender queimados, acolhemos também pessoas com a síndrome da necrose epidérmica toxica, vítimas de reações alérgicas a medicamentos que atingem o corpo todo.Somos, inclusive, referência para os acidentes químicos, biológicos e radionucleares, o que coloca a Unidade de Queimados do Hran como estratégica para receber múltiplas vítimas, inclusive as decorrentes de ataques terroristas”, enumera José Adrono.

*Com informações da Agência Brasília

Você pode gostar
Publicidade