fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Cidades

Projeto +Bike se despede de Brasília

Crise do covid-19 ajudou a agravar dificuldades do projeto, que era operado em parceria da Secretaria de Mobilidade com a empresa Serttel

Lucas Neiva

Publicado

em

Foto: Lucas Neiva/Jornal de Brasília
PUBLICIDADE

Iniciado em 2014, o projeto inicialmente chamado Bike Brasília e mais tarde rebatizado como +Bike oferecia uma alternativa barata para o transporte no Plano Piloto. Bicicletas eram oferecidas para aluguel por um preço baixo em estações inteligentes espalhadas pela cidade, que eram acessadas em um aplicativo de celular. Por dificuldades financeiras, o projeto teve de ser encerrado na capital.

O projeto era operado em parceria da Secretaria de Mobilidade com a empresa Serttel. Gustavo Braga, gerente administrativo da filial da empresa em Brasília, explica que o projeto teve que ser encerrado por dificuldades financeiras. “A gente trabalhava com contrato, e tínhamos um patrocínio. No início do projeto era com o Itaú, até que a Serttel e o Itaú romperam. Em seguida conseguimos um contrato com o BRB e a Mastercard, mas que venceu em outubro. Desde então a gente andou procurando novos patrocinadores, mas sem sucesso, tornando inviável o projeto por aqui”.

O projeto foi oficialmente encerrado no dia 31 de março, e desde então os usuários estão sendo notificados sobre o encerramento. A crise provocada pela epidemia de covid-19 teria sido um dos agravantes, e há expectativa de novas tentativas de retorno quando a crise acabar. “Não foi o principal culpado, mas a situação do Coronavírus agravou ainda mais a dificuldade com os patrocínios. Mas a empresa acredita que Brasília é um lugar muito bom para esse tipo de trabalho, e hoje está mais aberto para não somente a Settel, mas outras empresas voltarem mais tarde com projetos como esse de mobilidade urbana”, afirma o gerente.

Falta aos usuários

O projeto +Bike era parte importante da vida de muitos usuários, como da estudante de biotecnologia Melissa Copetti, de 31 anos, que usou o aplicativo entre 2017 e 2019. “Como eu morava no plano piloto, usava para me deslocar, fazer compras, ir pra UnB, ir estudar fora de casa, visitar amigos. Era meu principal meio de transporte”, conta.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A estudante de música Maria Luísa Colusso, 23 anos, usava o aplicativo para o lazer, mas se preocupa com as consequências do encerramento do projeto para aqueles que dependem dele para se locomover. “Brasília já é bem difícil de se locomover por aí sem carro, e alguns lugares nem chegam ônibus. Não ter essa opção só torna as coisas mais difíceis”, afirma.

Bruno Chaves, estudante de engenharia elétrica de 23 anos, aprendeu a andar de bicicleta graças ao projeto. “Quando eu era criança, não cheguei a aprender a andar de bicicleta. Quando cheguei aos 21 anos decidi aprender e o aplicativo era de longe a forma mais prática. Eu e um amigo meu aprendemos juntos, enquanto um outro amigo nos ensinava. Passamos algumas tardes assim, andando juntos. Foi uma época muito legal”, narra.




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade