fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Cidades

PCDF inicia campanha de combate à discriminação no Carnaval

A campanha vai utilizar os canais de comunicação dos sistemas de transporte do DF e distribuir adesivos e viseiras nos blocos de carnaval

Lucas Neiva

Publicado

em

PUBLICIDADE

Em coletiva de imprensa convocada na tarde de hoje no Departamento de Polícia Especializada (DPE), a Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) anunciou a campanha “Unidos da Diversidade – Carnaval sem preconceito, Sem Racismo, Sem LGBTfobia”. A campanha é uma iniciativa de diversos órgãos da PCDF, do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios, da Subsecretaria de Direitos Humanos da Secretaria de Justiça do DF, da Comissão de Defesa dos Direitos Humanos, Cidadania, Ética e Decoro Parlamentar da Câmara Legislativa do DF e diversos outros órgãos dedicados à proteção dos direitos humanos.

A campanha vai funcionar por ações informativas, utilizando os canais de comunicação dos sistemas de transporte do DF e distribuindo adesivos e viseiras nos blocos de carnaval. Para apoiar a campanha, a escola de samba Aruc, mais antiga do DF, organizará no sábado (15) o concurso “Miss gay”, realizado em uma grande festa às 21h na sede da escola de samba, no Cruzeiro Velho. As inscrições podem ser feitas pelo whatsapp, nos números 98524-3155 e 98329-7520.

Victor Dan, Diretor da DPE, acredita que o combate à discriminação não deve se limitar a campanhas educacionais. Para ele, a luta deve adentrar a legislação federal. “Sugiro que levem esse movimento também ao congresso nacional, para que essa espécie de crime se torne inafiançável e que a pena se torne mais alta. Eu sei que aumentar a pena não vai solucionar os nossos problemas, mas com certeza vai reduzir esse tipo de criminalidade”, declara.

O deputado distrital Fábio Félix, presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara Legislativa do DF considera a campanha como um trabalho de referência da PCDF de como deve ser a conduta das polícias civis dos demais estados brasileiros no tratamento da população LGBTI. “Isso é um ganho enorme da PCDF que sai na frente na prevenção ao crime, sai na frente na promoção da diversidade e no respeito à dignidade humana”, afirma.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Outra ação da campanha é a divulgação dos canais de denúncia anônima para quem precisar acessar os órgãos públicos de proteção aos direitos humanos: o telefone 197 da PCDF; Disque 100 Direitos Humanos; Ouvidoria 162 do GDF; e 127 da Ouvidoria do MPDFT.




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade