fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Cidades

Homem é baleado em assalto a ônibus; trio é apreendido

Segundo a Polícia Militar, os apreendidos seriam responsáveis por cometer mais de 10 roubos a ônibus nos últimos dias na região do Setor O

Willian Matos

Publicado

em

PMDF POLICIA MILITAR
Foto: Vítor Mendonça/Jornal de Brasília
PUBLICIDADE

Um homem foi baleado durante um assalto a ônibus na QNO, em Ceilândia, na noite de segunda-feira (24). Após o crime, dois suspeitos foram presos e um adolescente foi apreendido.

Um homem e uma mulher, ambos de 19 anos, entraram em um coletivo que fazia o trajeto Ceilândia/Águas Lindas de Goiás-GO e anunciaram o assalto. A jovem, armada, pulou a roleta foi recolhendo os pertences das vítimas imprimindo ameaças. Um passageiro teria se recusado a entregar o celular, e a dupla mandou o motorista frear o coletivo para que todos descessem. Neste momento, o homem que não entregou o aparelho foi baleado na barriga. Em seguida, os suspeitos fugiram.

Cerca de 30 pessoas estavam no veículo. A vítima foi levada para o Hospital Regional de Ceilândia (HRC). Até a última atualização desta matéria, o estado dele era grave.

A Polícia Militar (PMDF) apreendeu os dois suspeitos do assalto e mais um jovem, que teria ajudado na fuga, minutos após o crime. Segundo a corporação, os dois maiores de idade são responsáveis pelo aumento do índice de roubos a ônibus na região no Setor O nas últimas semanas. O adolescente não possuía antecedentes criminais

Após a apreensão, os militares encontraram uma casa onde o trio se escondia e guardava os itens roubados. Lá, foram vistos diversos celulares oriundos do assalto ao ônibus no qual estava o homem baleado.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Mais de 10 assaltos

Segundo a PMDF, o trio detido teria cometido mais de 10 assaltos a ônibus nos últimos dias. “Houve um aumento nos roubos a coletivo no Setor O”, explica o sargento Neves, que atuou na prisão dos dois suspeitos e do adolescente.

A ocorrência foi registrada na 24ª Delegacia de Polícia (Setor O). A Polícia Civil (PCDF) investiga o caso.


Leia também
Publicidade
Publicidade
Publicidade